Walce luta contra retrospecto negativo de zagueiros promovidos da base

Contra o Bahia, neste domingo, Walce deverá fazer sua terceira partida consecutiva como titular na zaga do São Paulo. Promovido das categorias de base no início deste ano, o jovem de apenas 20 anos de idade segue na luta para se firmar no elenco profissional, objetivo este que, para jogadores da sua posição, não tem sido muito fácil de alcançar nos últimos anos.

O fato se justifica pelo retrospecto recente dos zagueiros que deixaram o CFA de Cotia e passaram a treinar no CT da Barra Funda, em São Paulo. Desde Breno, promovido em 2007, nenhum outro atleta do setor se firmou na equipe profissional. Há exceções, mas a maior parte dos defensores promovidos não vingaram de imediato na equipe principal.

Citado anteriormente, Breno foi o último garoto promovido das categorias de base como zagueiro, que se firmou, de fato, como zagueiro. O então camisa 33 foi utilizado 36 vezes pelo técnico Muricy Ramalho no ano de 2007, se tornando titular na campanha do bicampeonato do Tricolor no Campeonato Brasileiro. Com o fim da temporada, foi vendido ao Bayern de Munique, da Alemanha, por 12 milhões de euros (quase R$ 60 milhões, na cotação atual) .

Desde então, oito atletas subiram para o profissional e foram utilizados na posição, dos quais seis não vingaram. Foram eles: Aislan (2008), Bruno Uvini (2010), Luiz Eduardo (2011), Danilo (2011), Lucão (2013) e Lyanco (2015).

As exceções são Rodrigo Caio, que subiu em 2011 e Éder Militão, em 2017. Contudo, vale destacar que o primeiro foi promovido como volante, só se tornando zagueiro posteriormente, e, apesar de ter vivido bons momentos, acabou deixando o clube pelas portas dos fundos.

O segundo, por sua vez, é zagueiro de origem. Porém, no time principal, acabou sendo utilizado mais como lateral direito do que propriamente como defensor. E mesmo se firmando entre os titulares, foi vendido na metade da temporada de 2018, se transferindo ao Porto, de Portugal, por 7 milhões de euros (mais de R$ 30 milhões).

Provável titular contra o Bahia, Walce foi bem nos dois jogos que fez até o momento, contra Flamengo e Fortaleza, respectivamente. Desta forma, o zagueiro quer manter o nível de atuação para continuar sendo acionado pelo técnico Cuca. No domingo, a bola rola a partir das 11h (no horário de Brasília) no Morumbi, em partida válida pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

Gazeta Esportiva

3 comentários

    • O que significa não ter vingado? É sacanagem ou então, desconhecimento colocar o Lyanco no mesmo balaio que Aislan, Uvini, Lucão…

      • Pergunta lá na Gazeta quantos times no mundo revelaram, neste século, jogadores modernos, que atuam na zaga, lateral e meio e que jogaram no Bayern de Munique e Real Madrid e na seleção brasileira principal, ou que conseguiram se destacar num time que lutou contra o rebaixamento no brasileirão e na única seleção brasileira campeã olímpica.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!