Faltou um 9! Pablo trabalhará intensamente por 2o jogo da final mas ainda é dúvida! Hora de Brenner?

O São Paulo provavelmente teria vencido o primeiro jogo da final contra o Corinthians, neste domingo, no Morumbi, se um dos três jogadores que atuaram improvisados na função de centroavante ao longo da partida estivesse em jornada tão inspirada quanto o volante Luan, que se agigantou e foi o melhor em campo, seguido por Arboleda e Bruno Alves. Mas Gonzalo Carneiro, Everton Felipe e Nenê não conseguiram ajudar muito enquanto estiveram no comando do ataque.

Além de Pablo, fora desde o jogo de volta contra o Palmeiras por causa de uma lesão na panturrilha, Cuca não contava com Liziero, que sentiu a coxa em um treino desta semana e foi o desfalque de última hora. O técnico optou por escalar Gonzalo como centroavante e Everton no meio de campo.

O time estava montado para agredir o Corinthians, para não deixar a temperatura do jogo ficar baixa. Tinha um Morumbi lotado ao seu lado e precisava aproveitar a ajuda da arquibancada para encurralar o rival. Luan, jogador mais recuado do meio de campo, dispensava os passes laterais e buscava ser sempre vertical para acionar Igor Gomes e Everton, que flutuavam entre as linhas de defesa do adversário, ou Antony e Everton Felipe, pelas pontas.

A primeira metade do primeiro tempo se desenvolveu mais ao gosto do Tricolor, mas a bola batia em Gonzalo e voltava. Everton Felipe também errava muito nas tomadas de decisão, o que deu ao Corinthians a possibilidade de reduzir a temperatura da partida.

A metade final da primeira etapa foi mais corintiana, embora tenha terminado com uma das melhores chances são-paulinas: Cássio evitou o gol na cabeçada de Arboleda.

Cuca voltou do intervalo com Hernanes no lugar de Gonzalo, adiantando Everton Felipe para a posição de “9”. O São Paulo conseguia martelar, mas não a ponto de criar chances claras. Quando Nenê entrou no lugar de Everton, foi ele quem assumiu a posição mais avançada do ataque. Entre os que passaram por essa função ao longo da partida, talvez o camisa 10 tenha sido o que mais incomodou, apesar de não ter conseguido pegar em cheio na bola quando teve a chance quase na pequena área.

As melhores chances do São Paulo foram de Hernanes, em dois chutes de fora da área, mas a equipe não conseguiu mais incendiar a partida e o estádio. Luan, incansável, bem que tentou. Em diversos momentos, parecia ser um atleta descansado em meio a adversários e companheiros esgotados. Um ótimo exemplo da postura que o Tricolor precisará ter na partida de volta se quiser ser campeão em Itaquera, onde nunca venceu. Se Pablo voltar, melhor.

Lance!

Anúncios

10 comentários

    • Ele vai ficar sumido em campo como já fez em outras ocasiões. Está sem ritmo de jogo e colocá-lo justo em uma final é arriscado se não estiver se destacando nos treinamentos.

      A verdade é que por mais que o Trellez não seja do nível do SP e tenha recebido muitas críticas, hoje ele seria a solução que Carneiro e Brenner não apresentam.

  1. Agora não tem muito o que fazer.
    Demos azar em perder o pablo e também o Lizieiro, mas temos total condições de ganhar da gambazada na arena lula.
    Força tricolor

  2. Brenner? Nem no momento de aproveitamento dos garotos o Mancini escolheu o Brenner e escalou o limitado, mas esforçado Everton Felipe. No cadeirão domingo jamais o Cuca vai escalar este jogador.

  3. Começo a desconfiar que o extra campo faz com que Brenner não tenha oportunidades! Algo de errado em sua conduta no dia a dia do clube deve ocorrer pois um menino com o talento dele, pelo menos assim achamos, não ter oportunidades, fica de difícil entendimento. Não acompanhamos a rotina diária de treino e jornada do clube, por isso fica difícil dizer algo, mais que tem coisa errada ai tem, só pode, não há outra explicação. Duvido que ele seja tão pior que Carneiro ou até mesmo Helinho que teve oportunidade no último jogo.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!