FIDC: O que é o plano de captação de recursos no mercado que o São Paulo FC pretende? Entenda!

Fundos de Investimento são uma opção bastante interessante para quem investe, principalmente para os iniciantes. Entretanto algumas opções desta modalidade podem parecer um pouco confusas a princípio, como o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Por isso, nesse artigo você entenderá o que é FIDC, como ele funciona, suas características e se vale a pena investir nessa modalidade.

O que é FIDC?

FIDC é a sigla para Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. De maneira bem simples, a FIDC funciona como uma união de diversos investidores que, com o mesmo objetivo, unem seus recursos em um investimento comum para todos. Para isso, é necessário que seja destinada uma parcela de, no mínimo, 50% do patrimônio líquido a aplicações em Direitos Creditórios.

Já o Direitos Creditórios são créditos que empresas têm a receber, como, por exemplo, aluguéis, cheques, duplicatas ou valores que foram parcelados no cartão de crédito. Essas dívidas são convertidas em títulos e vendidas a terceiros.

Podemos dizer que FIDC é um Fundo de Investimento que aplica em títulos de créditos formados por contas a receber de uma empresa. Agora ficou mais fácil de entender, não é mesmo?

Um ponto importante a ressaltar é que o FIDC, também conhecido como Fundo de Recebíveis, é um investimento de Renda Fixa. Dessa forma, o valor investido é baseado em uma taxa previamente acordada, assim o investidor saberá exatamente quanto receberá no fim da aplicação.

Mas não se preocupe, mesmo sendo um investimento bem conservador, o FIDC pode trazer ótima rentabilidade, principalmente pela aplicação mínima inicial exigida. Vamos falar mais sobre isso durante o conteúdo.

Agora, para constituir um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios você tem duas possibilidades: Fundo aberto ou fechado.

  • Fundo aberto: caso opte por constituir o Fundo aberto, você poderá, a qualquer momento, resgatar suas cotas. Mas claro, sempre respeitando as regras do Fundo em que investiu.
  • Fundo fechado: nessa modalidade, você só poderá resgatar as cotas após o prazo estipulado previamente — normalmente costuma ser no momento da assinatura do contrato do FIDC.

Quais são as vantagens e desvantagens do FIDC?

Agora que você entendeu tudo sobre o FIDC, decidimos colocar um resumo das vantagens e desvantagens que é importante. Confira e sempre tenha em mente esses pontos na hora de investir no FIDC:

Vantagens:

  • Boa rentabilidade.
  • É possível negociar no mercado secundário.
  • São classificados por agência de risco, deixando claro aos cotistas o risco do fundo.
  • Boa opção para diversificar a carteira de investimento.

Desvantagens

  • Investimento restrito a profissionais qualificados.
  • Não é assegurado pelo FGC.
  • O valor mínimo para o investimento inicial é de R$25 mil, o que torna um valor inicial relativamente alto.
  • Como é um investimento muito restrito, possui baixa liquidez.

Quais são os riscos do FIDC?

Mesmo sendo um investimento de Renda Fixa, o Fundo de Recebíveis possui alguns riscos, como:

  • Risco de crédito: por ser título de Direitos Creditórios, existe a possibilidade dos consumidores atrasarem o pagamento ou até mesmo não pagarem a dívida. Esses fatores acarretam a diminuição de ganhos.
  • Risco de liquidez: por ser um investimento bem restrito e não muito comum no mercado, pode ocorrer o risco de não ter demanda pelas cotas. Por isso, é importante sempre monitorar as negociações do FIDC no mercado.
  • Risco de Mercado: quando falamos de risco de mercado queremos falar dos fatores que influenciam o mercado direta e indiretamente, causando oscilação no preço e rentabilidade dos ativos do Fundo. Um exemplo é a queda ou aumento da inflação.

Um ponto para você ficar atento é que o FIDC não é assegurado pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Com todos os riscos principais em mente, você consegue avaliar se esse tipo de investimento é ideal para você.

Qual é o prazo do Fundo de Investimento em Direitos Creditórios?

O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios possui dois tipos de prazos para aplicação: o determinado e o indeterminado.

  • Prazo determinado: após o prazo predefinido, as cotas do fundo são resgatadas.
  • Prazo indeterminado: não existe prazo para resgatar as cotas. O que acontece é a amortização de todas as cotas no valor de cada uma.

Quem pode aplicar no FIDC?

Como você viu até aqui, o FIDC não é difícil de entender, mas é um Fundo bastante complexo, principalmente pelo seu funcionamento e pelas quantias investidas.

Pela junção desses fatores, o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios é limitado apenas para investidores qualificados, como:

  • Investidores classificados como profissionais.
  • Investidores com certificação da CVM para registro de agentes autônomos, consultores de valores mobiliários, analistas ou administradores de carteira.
  • Clubes de investimentos que sejam geridos por investidores qualificados.
  • Pessoa física ou jurídica com investimentos de valor superior a R$1 milhão, comprovados por termo assinado.

Como funciona a composição do FIDC?

O FIDC tem uma estruturação bem simples, porém bastante particular e diferente dos demais Fundos de Investimentos. Nele existem 4 figuras que compõem o processo:

  • Cedente: empresa titular dos Direitos Creditórios.
  • Estruturadores: instituição responsável pelo andamento de todo o processo do FIDC.
  • Custodiante: instituição financeira que gerencia os valores a receber e responsável pela custódia do fundo.
  • Administrador: responsável direto pelo FIDC.
  • Cotistas: investidores do fundo.

Percebe como cada um dessas figuras desenvolvem um papel essencial para que o FIDC gere o melhor resultado?

Com essa estrutura, o FIDC consegue ter menos burocracia e operações que os demais investimentos do segmento.

Quais são os tipos de cotas do Fundo de Direitos Creditórios?

Uma característica bem particular do FIDC é os tipos de cotas que ele pode ser composto. Atualmente existem dois tipos diferentes de cotas e cada uma impacta diretamente no rentabilidade e no risco do Fundo.

Mas não se preocupe, a proporção de cada uma é definida já na estruturação do fundo e você conseguirá ter ciência dessa divisão no regulamento.

Normalmente o FIDC é composta numa proporção maior de cotas seniores e, consequentemente, tendo uma parte menor de cotas subordinadas. Essa divisão garante que a maioria dos cotistas tenham uma rentabilidade fixa já predeterminada. Além disso, garante que uma menor parte dos cotistas assumam um risco maior ansiando maiores lucros.

Para que você entenda melhor a diferenciação de cada cota, veja como cada uma funciona:

  • Cota sênior: tem preferência em receber quando ocorrer o resgate do investimento ou amortização. Essa categoria tem o conceito de Renda Fixa bem claro na sua estruturação, já que o objetivo de rentabilidade é prefixado.
  • Cota subordinada: elas são subordinadas às cotas seniores no que diz respeito ao resgate e amortização. Portanto, você só receberá quando todos os cotistas seniores receberem, assumindo o risco de possíveis inadimplências dos títulos. Por outro lado, essas cotas possui uma rentabilidade maior, almejando maior lucro para o Fundo.

Agora você deve estar se perguntando como funciona o pagamento das cotas quando a rentabilidade for inferior ou maior que a prevista, certo?

Imagine que o FIDC teve uma rentabilidade menor que o previsto, nesses casos os cotistas seniores terão sua rentabilidade fixa assegurada. Por outro lado, os cotistas subordinados, no momento do resgate ou amortização, receberão um valor menor — apenas o restante dos lucros.

Agora, caso o FIDC tenha uma rentabilidade maior que a prevista, os cotistas seniores irão receber o valor fixado, porém, os cotistas subordinados receberão mais, já que o houve um lucro maior.

Qual é a rentabilidade do Fundo de Recebíveis?

Uma dos fatores que mais atraem os cotistas para esse investimento é sua rentabilidade. Comparado com outros investimentos de Renda Fixa ela pode ser superior a opções como Tesouro DiretoCDB ou LCI e LCA, por exemplo.

A rentabilidade do FIDC é, normalmente, calculada com base da taxa CDI, mas isso não é regra. Variações como IGP-M, IPCA ou Taxa Selic podem ser utilizadas. O aconselhado é que você procure no regulamento qual taxa será utilizada e entenda se a sua tendência é subir ou cair.

Outro ponto que você deve levar em consideração é o tipo de cota que você irá investir. Como dissemos, cotas subordinadas podem render ainda mais que as taxas prefixadas pelo fundo. A escolha da cota vai depender do seu perfil de investidor e seu objetivo.

Como funciona a tributação do FIDC?

Você já deve ter percebido que o Fundos de Investimento em Direitos Creditórios possui diversas características próprias, não é mesmo?

Mas, se tratando de tributação, segue a regra geral para investimentos de renda fixa. Dessa forma, será aplicado a tributação do IOF regressivo para resgate realizado antes de 30 dias, e o Imposto de Renda, cobrado de acordo com a tabela regressiva e aplicado diretamente na fonte.

Período de AplicaçãoTributação
Até 180 dias22,5%
Entre 181 e 360 dias20%
Entre 361 e 720 dias17,5%
Acima de 720 dias15%

O FIDC pode ser um investimento muito complexo em seus processos, mas acredito que se você chegou até aqui, conseguiu entender como funciona esse Fundo de Investimento.

Vale lembrar que, independente de aplicar ou não no FIDC, diversificar seus investimentos é essencial para investir com boa rentabilidade e segurança. Mas não se preocupe, hoje é possível encontrar os melhores investimentos de forma fácil e rápida, e ainda simular e comparar sua rentabilidade.

Fonte:
https://blog.toroinvestimentos.com.br/fidc-o-que-e-fundo-de-investimento-direitos-creditorios

Anúncios

21 comentários

  1. Uma coisa é certa:

    Caso esta gestão absurdamente prejudicial ao SPFC continue, a captação de recursos através destes títulos só aumentará nossas dívidas e comprometerá de forma definitiva nossas receitas futuras.

  2. Zanca, ninguém dos presentes questionou terem marcado uma reunião tão importante no mesmo horário do evento de lançamento do novo uniforme (que também é um evento importante, já que é uma das fontes de receita)?
    Não seria a justificativa do quórum tão baixo ou é o normal nesse tipo de reunião?

  3. Me parece que o lastro desse fundo é bastante confiável. Praticamente impassível a Globo dar calote nos clubes.
    Dificilmente se encontra no mercado aplicações que cheguem a 100, 110% do CDI. E muitas envolvem um certo grau de risco que a principio não vejo nessa.
    Tudo ainda muito superficial, mas parece ser um negocio que tem sim seus apelos.
    Tirando a exigência de investimento mínimo de 200 mil…

  4. Galera, to indo pra São Paulo a trabalho e vou tentar assistir o jogo, mas vai ser em cima da hora, vou sair de uma aula na Paulista as 17h.
    Dá tempo? Nem que entre com o jogo rolando
    Qual a melhor forma de ir pro estádio?
    Tem como comprar ingresso na hora?
    Qual melhor lugar pra ficar no Morumbi?

    Se puderem ajudar, sou de Brasília e não é toda hora que tenho essa chance.

    Valeu!!!

    • Sou de Brasilia tbm e a unica coisa que posso falar com mais propriedade é pra comprar com antecedencia pela Internet logo pra nao contar com ingresso na hora, ja q ja vai estar atrasado… site totalacesso.com, as vendas se iniciam hoje as 10h.

    • Linha verde e amarela do metrô e vc estará lá em 45 min.
      Dependendo da altura da Paulista que vc estiver só pega a linha amarela na estação Consolação/Paulista

    • o jogo é as 18 ne? entao da sim. inclusive a linha de metro q tem na paulista (amarela) vai direto pra estação nova perto do estadio. se vc sair as 17, 17.20 vc esta la.

      cara, melhor lugar é a arquibancada. arquibancada central. se vc quiser um lugar coberto ou mais tranquilo vai de cativa central, mas é mais caro.

      acho q classico ingresso é só ate meio dia. nao sei se vende na hora mais. compra pelo site

  5. Olha só, toda empresa grande tem dívidas e não vejo problema do SP também ter. Só que o dinheiro de dívidas não é usado para cobrir gastos de má administração e sim para fazer investimentos que gerarão retorno no futuro.
    É muito bom que a maior parte das dívidas com os bancos já tenha sido paga, pois assim o valor gasto com juros fica menos oneroso. E esse fundo aí parece ser uma boa ideia. Porém, eu, mesmo que tivesse dinheiro para investir no Tricolor, não colocaria meu dinheiro no clube. Não há transparência na instituição e até o conselho fiscal tem dificuldades de averiguar os balanços. A seriedade e a credibilidade da instituição estão abaladas.

  6. Parabens Zanquetta por mais uma excelente cobertura nos bastidores.

    Sobre esse fundo, otima ideia mas péssimo timing. Clube sem credibilidade com torcedor deveria primeiro optar por uma demonstração de honestidade e transparência pra depois pensar em captar dinheiro das pessoas. Em uma escala muito menor, estão perdendo ate ST que não confiam mais no clube imagina alguém colocar 200 mil.

    Enfim, isso tudo é falta de autocrítica e visão ampla do proprio “negócio”. É aquela coisa: Abilio, quero seu dinheiro mas vc nao manda nada. Torcedor, torçam na arquibancada, compre PFC, paguem ST, mas nao queiram mais nd de nós e muito menos achar que podem participar das escolhas no SPFC.

  7. Time dificilmente vai ganhar alguma coisa somente com os jovens no time principal …precisa ter equilíbrio, eu quero ver amanhã como a mulecada vai se comportar, ignorar o pal ou sentir a pressão igual ao Brenner.. e o Helinho perdeu posição para Anthony.
    Time do ituano nao serve de parametro algum, é um timeco…foi bom para entrosamento e dar uma moral e só.
    #ReageSp

  8. Um assunto nada haver com o post tava lendo uma coluna do PVC sobre o Pato e me deparei com a pérola ” O Palmeiras fez uma proposta de 350 mil só ate o final de 2019 sem cláusula de renovação” eeee. …..Pato aceitou rs.Só pode ser piada que um jogador com o mercado do Pato ia aceitar isso.Nem jogador meia boca aceitaria isso.O PPalmeirense PVC deve estar com uma dor de cotovelo imensa que o Pato escolheu p SPFC que piada esse jornalismo brasileiro.

  9. Posso falar uma grande besteira, mas pra mim tem cara de mais uma ideia de algum pilantra de lá de dentro que vê oportunidade de lucrar/”roubar”, simplesmente não acredito nem 1% que seja visando algo bom para o clube.

Deixe uma resposta para dan Cancelar resposta