A reunião começou por volta de 19:40h.

Quórum fraco novamente. Menos da metade do número de Conselheiros presentes inicialmente.

ATENÇÃO! Sócios do São Paulo FC foram IMPEDIDOS de acessar à sessão do Conselho Deliberativo. Apenas Conselho foi liberado.

Raí não foi.

Pássaro não foi.

Lugano não foi.

MAC não está na reunião.

Casares presente.

Kalef presente.

Leco e Chapecó presentes.

Raí e Lugano foram para o lançamento dos novos uniformes.

Na ordem do dia, foram lidos os contratos aprovados e validados pelo Conselho Consultivo, incluindo uma Churrascaria no Morumbi.

O conselheiro Kalef João Francisco solicitou que as informações da reunião não fossem vazadas para a torcida do São Paulo.

O conselheiro Newton Ferreira, opositor, elogiou Chapecó, Diretor Adjunto de Futebol pela atenção dispendida aos conselheiros, em especial a ele. Newton ainda perguntou se Cuca participou da formação do time.

Conselheiro Olten Jr questiona Chapecó sobre o currículo de Alexandre Pássaro e a razão dele ser escolhido para a função. O conselheiro questiona também sobre quanto ele ganhava e quanto ele ganha hoje uma vez que assumiu poderes enormes no clube.

OBS: Não abrirei a resposta do salário de Pássaro feita por Chapecó por respeito à integridade da remuneração particular do dirigente.

Chapecó respondeu que não sabe quanto ele ganhava antes mas que hoje ganhava em torno de R$ XXXX.

Olten perguntou quanto custou o Pato. Chapecó disse que não sabia.

Foi solicitado que Pássaro vá as reuniões para dar explicações sobre contratações, inclusive de Pato.

Conselheiro Milton Neves arrebentou com Pássaro e que sua remuneração é absurda.

Olten insistiu que Pássaro compareça pois tudo que o envolve é um mistério. Que as pessoas precisam conhecê-lo.

Leco garantiu que Pássaro virá na próxima reunião e que hoje ele não esteve pois tinha um compromisso.

Jaime Franco tem dados sobre as contratações dos últimos 3 anos.
Das 22 de 2017 em 2018 só 7 ficaram. O conselheiro queria fazer uma apresentação mas devido à pauta do dia do Balanço, Marcelo Pupo, presidente solicitou que fosse feita na outra reunião.

Segundo Jaime, ele quer uma oportunidade para apresentação em uma outra reunião com dados que vão mostrar a ineficiência e apresentar dados para subsidiar a melhora do Departamento de Futebol. Jaime afirmou que não é nem oposição nem situação.

Jaime foi um dos que recusou o convite para o Comitê que supervisionaria Raí e Pássaro. Leco questionou ele querer apresentar e não ter aceitado. Jaime não se considera oposição e Leco o nominou assim então ele recusou. Leco afirmou que ele nunca o procurou e ficou uma conversa meio estranha.

Fernando Gabini, conselheiro recém empossado pois era suplente, pediu a palavra. O conselheiro informou que a reunião está na internet detalhada.

Lembrando que há um coquetel de lançamento do uniforme novo do SPFC neste momento.

Que fique claro que a reunião de hoje é essencialmente para aprovação das contas do clube de 2018 na gestão Leco. Será que não tem interessados no Conselho?

Grupo de Leco, base da situação, é o mais numeroso hoje.

Elias Albarello, Diretor Financeiro, apresentou o Lançamento do FIDC, um programa de captação de recursos do mercado com juros baixos. Mais ou menos 10% ao ano.

Oferece 160% do CDI.
37.000 cotas de R$ 1.000,00.
Buscando 37 milhões com investimento mínimo de R$ 200.000,00.

Garantia é o contrato com a TV Globo.

É uma forma de pegar capital para pagar a dívida com juros menores. Dinheiro seria usado para o caixa geral.


FIDC significa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. Ele funciona como um condomínio de investidores, que unem seus recursos em um investimento comum, com o mínimo de 50% aplicado em Direitos Creditórios.

OBS: Mais detalhes do FIDC ao final do post.

Opinião: Excelente ideia.

Quórum neste momento: 130. 110 Conselheiros ausentes!

Começa a apresentação das contas e do balanço oficial do São Paulo FC de 2018 para aprovação.

Contratos do clube aprovados por unanimidade.

Conselheiro Mansur, questionou a data de entrega do parecer do Conselho Fiscal ao Conselho Deliberativo. Em defesa do Conselho Fiscal, o conselheiro Olten explicou que os documentos foram entregues fora de prazo e por isto o atraso. O Presidente do Conselho Marcelo Pupo confirmou que Olten estava correto.

O Presidente do Conselho Fiscal não estava presente e nem o vice presidente. Um dos integrantes do Conselho Fiscal, Leandro Miranda estava à disposição para dúvidas mas foi impedido de entrar na reunião.

Olten inclusive questionou Mansur se ele foi ao Conselho checar os documentos disponíveis aos conselheiros incluindo balanços e contratos para então fazer seu questionamento. E Mansur respondeu que não. Olten então afirmou que ele não estava apto a julgar o atraso na entrega.

Dívida:

A dívida caiu de R$ 295 milhões para R$ 270 milhões de 2017 para 2018 segundo os números apresentados.

Superávit de R$ 7 milhões. Lembrando que só em vendas de jogadores em 2018 foram quase R$ 160 milhões.

Segundo consta do balanço, apesar da dívida, há cobertura dos valores, parte enorme dentro do PROFUT, em impostos. Dívida bancária dentro do previsto segundo informado. Contas serão aprovadas…

Dívida bancária em torno de R$ 65 milhões.

Dívidas com terceiros perto de R$ 22 milhões.

Apresentação finalizou e agora estão lendo o parecer do Conselho Fiscal. Conselheiros aguardam para votação da aprovação ou não das contas.

Contas aprovadas de 2018. Apenas 2 conselheiros votaram contra.

Newton e Barreto.

Assuntos Gerais iniciarão mas o foco da reunião foi resolvido.

Grande maioria dos conselheiros deixa a reunião.

Blog do São Paulo

IMPORTANTE: No caso de algum citado querer corrigir alguma informação, o Blog está aberto a todos.

O que são Direitos Creditórios?

Direitos Creditórios são direitos derivados dos créditos que uma empresa tem a receber, como cheques, aluguéis, duplicatas ou parcelas de cartão de crédito. Ou seja, eles funcionam como dívidas convertidas em títulos, e que podem ser vendidas a terceiros, através de um processo chamado securitização.

Uma forma fácil de entender isso são as compras a prazo. Vamos supor que você comprou um sofá para pagar daqui a 30 dias. A loja fica com o direito de receber esta quantia no prazo estabelecido, mas, para adiantar o recebimento, ela pode transformar a sua dívida em título negociável, por meio da cessão de direitos creditórios. Então um investidor compra o direito a crédito, ou direito creditório, pagando à loja, antecipadamente. Quando você efetuar o pagamento, o dinheiro vai para o investidor, ao invés da loja. Para que isso seja interessante, a loja abre mão de uma porcentagem do valor, e este será o lucro do investidor.

Esse processo de transformar uma dívida em direito creditório negociável é chamado de securitização.

Portanto, um FIDC é um Fundo de investimento que aplica em títulos de crédito criados a partir de contas a receber de uma determinada empresa.

Também conhecido como Fundo de Recebíveis, o Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios é um investimento de Renda Fixa, uma vez que sua remuneração é baseada em uma taxa acordada e não em uma variável resultante do desempenho do fundo. Ele pode ser constituído de forma aberta ou fechada.

  • No Fundo aberto, o investidor pode resgatar suas cotas no momento que desejar, respeitando as regras do fundo.
  • No Fundo de investimento fechado, há um prazo específico para o resgate.


https://www.tororadar.com.br/blog/fidc-o-que-e-fundo-de-investimento-em-direitos-creditorios

Anúncios