Descobridor de Jardine, espera que haja paciência com treinador para dar certo no São Paulo

André Jardine, técnico do São Paulo FC, antes de partida contra o Grêmio, válida pela trigésima quarta rodada do Campeonato Brasileiro 2018.

Aos 39 anos, efetivado no cargo de técnico do São Paulo, André Jardine tem nesta temporada sua maior chance de fazer a carreira decolar. Como acontece normalmente com treinadores novatos, ele é rodeado por dúvidas a respeito de seu desempenho. São questões como se ele conquistará a confiança dos atletas, controlará um vestiário que foi turbulento em 2018 e conseguirá impor sua filosofia de jogo.

Para Júnior Chávare, ex-coordenador das categorias de base são-paulinas e responsável pelo desembarque de Jardine no Morumbi, em 2015, essas respostas dependem também da diretoria do clube e até da torcida. ”Ele é obcecado por trabalho, por qualidade, está preparado para os desafios. Mas quando um treinador chega no profissional, demanda muita confiança e paciência da torcida e da diretoria”, afirmou o ex-dirigente tricolor.

Atualmente diretor da K2 Soccer, parceira do Tubarão-SC, Chávare já havia levado Jardine para o Grêmio, antes da indicação ao São Paulo.  ”Ele estuda muito o que fazer, analisa muito o adversário e tem uma bela gestão de grupo”, afirmou o dirigente sobre as características do comandante são-paulino.

Sobre a capacidade de o treinador arrebatar a confiança de seus comandados e manter o vestiário sob controle, ele acredita num estilo franco a ser adotado pelo técnico. ”Jardine tem um estilo de olho no olho, de meritocracia, jogador respeita isso. Se o atleta percebe que alguém está agregando algo pra carreira dele, ele aceita.

Não tenho um pingo de dúvida de que (o técnico) vai agregar valores para os jogadores. Ele tem capacidade (para conquistar o vestiário). Mas vai precisar de respaldo da diretoria, em algum momento (em algum caso específico), ela vai precisar se posicionar. Com a diretoria dando suporte, pela gestão de pessoas que ele faz, tem toda a condição”, afirmou.

Sobre o estilo de jogo do São Paulo com seu técnico atual, Chávare aposta numa equipe que valoriza a posse de bola, não dá chutões e consegue se proteger com eficiência dos contra-ataques por fazer rápidas transições da defesa para o ataque.

UOL – Blog do Perrone

30 comentários

  1. Foi efetivado num momento inadequado, o Rai deve conhecer um pouquinho mais do que nós por isso vou confiar e torcer, mas esse elenco, embora falte um bom lateral direito e um segundo volante com infiltração e chute a gol, não é nem de longe um elenco ruim, queria vê-lo na mão do Cuca.

    • Não duvide que Cuca já assuma no final de fevereiro, talvez início de Março.

      Acredito que o próprio Jardine já saiba que Cuca só não será treinador do São Paulo se o time for MUITOOO BEMMM com ele. Ele está tendo a chance de mostrar serviço, pois já falhou em não conseguir a vaga direta para a libertadores, espero que compense isso passando das fases e chegando ao “grupo da morte”.

      • Tomara Alagoano, gosto do Jardine, mas num primeiro momento a impressão é de muita areia pro seu caminhão.
        Suas entrevistas tem lembrado o Ceni, realidade distorcida, quem acompanha meus comentários sabe que detesto cornetagem, mas Jardine já fez um test drive no ano passado, já vimos um pouco do que pode, aquele abraço no Nenê num momento de vestiário conturbado soou como um pedido de bênção.

  2. Ou seja, nada muito diferente o que vários colegas já postaram: Jardine tem potencial, conhece do traçado, mas está assumindo a equipe profissional em um momento turbulento, com pressão por título, e com algumas mudanças no elenco.
    Precisa receber todo o respaldo da Diretoria, pois não será um início fácil, com preLibertadores e uma impaciência de grande parte da torcida.
    Já cansei de dizer que não era o momento ideal para ele assumir, mas já que está lá, vamos respeitar o profissional (afinal, tem qualidades) e apoia-lo.

    • Tb penso assim Jac_tricolor ,o cara não pediu pra estar no comando,foi escolhido,então,Raí, Lugano e Mancini têm que blinda-lo da torcida e do próprio vestiário ,caso contrário estarão errando duas vezes,efetiva-lo e dispensa-lo.

  3. Não gosto de linguajar “chulo” ou inadequado …., mas existe um ditado:

    “Dinheiro na mão, calcinha no chão”.

    Aqui no SPFC o ditado será:

    “Paciência só com futebol no campo e título na mão “.

    #Ajuda aí, Jardine.

    Precisamos de time, futebol e títulos.

    Sem falar de presidente, dirigentes, cartolas e gestores.

    #Paciência Zero.

    Kkkkkkkkkkkkkkkkk.

  4. Não culpo ele não,culpo os incompetentes que põe um cara ainda sem currículo pra dirigir um clube em crise .Alias pelas últimas escolhas técnico não dão muita iimportância clube só a “estrutura” ganha titulo.E pagam milhões pra jogador e marreca pra treinador.

    • Acredito que o plano A era Abel e o B Cuca. O primeiro quis ficar no Rio, o segundo ia cuidar da saúde um pouco mas já pode retornar.

      Estão testando o Jardine (vai que dá certo, como deu com Carlile – por exemplo). Isso seria ótimo não apenas numa perspectiva remuneratória de treinador, mas, principalmente, considerando o investimento que se faz na base, Ou seja, com o Jardine dando certo teríamos mais chances de melhorar essa transição para o profissional.

      No entanto, se der errado, o Cuca estará disponível nesse início de ano.

      Minha opção seria efetivar o Cuca e o Jardine como auxiliar e deixar o Jardine treinando enquanto o Cuca não está em condições de assumir como treinador. Mas, talvez, neste cenário, os “famosos” não valorizassem o Jardine e criassem uma dificuldade de vestiário. Então, melhor tratá-lo como treinador para o ano e, sendo necessário, trazer o Cuca depois.

  5. com a torcida e diretoria que temos, temo que o Jardine não dura até março no SPFC

    e nem precisa ser um desastre no comando do time, é só ter um aproveitamento razoável, já é suficiente pra cair nos tempos atuais.

    • Heron eu desafio você a achar uma torcida que apoia treinador que não vence. Esse papel tem que ser da diretoria que geralmente tem feito um planejamento que é abandonado tempos depois. Vamos torcer pra 2019 ser um sucesso e pra diretoria de futebol dar todo o apoio e respaldo que o Jardine merece.

  6. Acredito no trabalho do Jardine só não confio no jogadores que ele tem .

    ( Hudson, jucilento, Brunos Peres, nene, Diego souza, Araruna, Edimar, Anderson Martins,)

    Ou seja vai ter muito trabalho pra colocar esses pseudo jogadores pra jogar.

    • Tanto Jucilei quanto Hudson ainda podem ser muito úteis. Jucilei em forma é muito bom, o que não pode é ter os dois jogando juntos. Para isso seria necessário dois laterais diferenciados, que armassem o jogo (como eram junior e cicinho) e fizessem a saída de bola com os dois “cãos de guarda” cobrindo seus avanços.

      Edimar, Bruno Peres, Anderson Martins e Araruna eu já desisti. Nesta ordem de ruindade (do pior ao menos pior).

      Diego Souza e Nenê podem ser muito importantes ainda, vide primeiro turno do brasileiro.

  7. Mudando de assunto, que goleada do Guarani sobre o Interregional de Porto Alegre.
    E esse centroavante bugrino? 4 gols sobre o inter e muito boa movimentação. Abre o olho diretoria, tem uns garotos com potencial no Guarani original.

    • Osório tem uma ideia de futebol que me agrada, mas uma execução que ainda gera desconfiança. Com ele o time joga muito bem e goleia ou joga péssimo e é goleado. Ainda lhe falta um equilíbrio (ou faltava quando aqui treinou).

      Mas, independente disso, o fato é que está na seleção paraguaia e, agora, só após a copa de 2022 se pose pensar nele como alternativa..

    • Pois é. E o time do Guarani esta bem ajustado. O do Figueirense também vem bem. Importante olhar esses garotos com potencial.

  8. O Jardine não e o carrile ele vai jogar de acordo com o adversário.

    Claro que o trabalho dele vai ser mais difícil Seria muito mais fácil colocar 10 jogadores no campo de defesa.

    Nós já vimos isso contra o Ajax ….primeiro tempo ele esperou mais atras porque sabia que não temos preparo físico pra marcar adiantado um time técnico igual o Ajax.

    No segundo tempo eram jogadores que não serão titulares jogou mais solto e abril espaço.

    Confio no trabalho do Jardine e no respaldo do Rai.

  9. Perder nunca e bom isso e claro.

    Ou alguém aqui preferia ganhar de 5 x 0 do nacional de Sp ou Guaratinguetá ?

    Com calma e analisando melhor foi ótimo esses resultados pois mostram as nossas deficiências e onde temos que trabalhar mais.

    Ou alguém acha aqui que o talheres e o Ajax?

    Que está nas oitavas da champions contra o real Madrid?

  10. Outra coisa estávamos ganhando no primeiro tempo sem levar nenhum sufoco, bola na trave ou sofrendo pressão não.

    O time estava bem posicionado pressão que está levando e o real madrid do poderoso Betis campeonato espanhol….

    Não dê ouvidos a ESPN sabem nada de futebol são meros torcedores/analistas de resultado.

  11. Alguns colegas aqui já expuseram essa teoria que está tudo acertado com o Cuca e o Jardine está assim, digamos, esquentando o banco prá ele.
    Acho meio doida essa estória, mas vai que alguns dos senhores tem essa informação quente de lá de dentro, enfim…

  12. Como destaca a matéria, as referências do Chávare em relação ao Jardine são as melhores possíveis.

    A matéria a propósito, ressalta quais seriam os pontos com os quais ele teria que saber lidar e conseguir superar nessa sua grande oportunidade como nosso treinador.

    São questões como se ele conquistará a confiança dos atletas, controlará um vestiário que foi turbulento em 2018 e conseguirá impor sua filosofia de jogo.

    E essas são as referências enfatizadas por alguém de fato o conhece:

    ”Ele estuda muito o que fazer, analisa muito o adversário e tem uma bela gestão de grupo”, afirmou o dirigente sobre as características do comandante são-paulino.

    ”Jardine tem um estilo de olho no olho, de meritocracia, jogador respeita isso. Se o atleta percebe que alguém está agregando algo pra carreira dele, ele aceita.

    Com a diretoria dando suporte, pela gestão de pessoas que ele faz, tem toda a condição”, afirmou.

    Sobre o estilo de jogo do São Paulo com seu técnico atual, Chávare aposta numa equipe que valoriza a posse de bola, não dá chutões e consegue se proteger com eficiência dos contra-ataques por fazer rápidas transições da defesa para o ataque.

    —–

    Mais do que normal a desconfiança geral em situações como a vivida pelo Jardine, como foram os casos também do Rogério e do próprio Carile, além de todos os outros treinadores que iniciarem as suas carreiras.

    O que não é normal é a desesperança e o pessimismo manifestados tão despropositadamente.

    Torcedores que já pedem o Carile no SP, e o próprio volta Ceni, também.

    Volta Osório, volta Aguirre, volta Murici, e em algum dia, volta Jardine.

    Pobre Jardine!

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!