Mais uma vez, o São Paulo termina o ano tendo a base como esperança

O São Paulo terminou a temporada tendo as categorias de base como única saída para os diversos desfalques e também para soluções táticas que os mais experientes não vinham dando conta. Apesar do momento delicado do clube no segundo semestre, a comissão técnica não hesitou em acionar os jovens vindos de Cotia, principalmente após a efetivação de André Jardine como treinador.

Para se ter uma ideia, no duelo derradeiro do Brasileirão, com a Chapecoense, o São Paulo tinha oito jogadores formados em Cotia no banco de reservas. Apenas quatro suplentes não eram formados nas categorias de base do Tricolor. Para Jardine, no entanto, a partida em Chapecó foi um episódio atípico. Jucilei foi liberado pelo clube para resolver questões pessoais, Reinaldo estava suspenso, enquanto Bruno Peres, Rojas, Luan, Carneiro Tréllez estavam entregues ao departamento médico.

“Estávamos com vários jogadores fora, inclusive, os mais experientes não estavam à disposição, como o Jucilei, Reinaldo, Bruno Peres, Carneiro… nosso banco era praticamente oriundo da base. Não me omiti vendo que as coisas não estavam funcionando em botar alguns deles em campo, até porque só tinham eles”, disse Jardine após a partida.

“As opções do meio para frente eram todas de jogadores da base. Também é uma oportunidade para ver como eles reagem em jogos como esse, que era decisivo, assim como teremos já em fevereiro jogos decisivos. Óbvio que não vai ser só em um jogo que tiraremos todas as conclusões, mas esse jogo também nos dá a noção de quem está pronto, quem pode acelerar esse processo de transição”, completou o treinador são-paulino.

O capitão Hudson, por sua vez, adotou uma postura um pouco mais cautelosa em relação aos jovens jogadores do São Paulo. O volante ressaltou a grande qualidade dos garotos, campeões de praticamente tudo no sub-20, mas também alertou para as possíveis consequências de lançá-los antes da hora.

“A gente tem uma base extremamente promissora, são jogadores de excelente qualidade, mas não podemos jogar o peso sobre eles. Precisamos inseri-los em um contexto de um time que esteja mais pronto, vivendo uma melhor fase. Acho que assim eles vão render mais e não serão queimados. Temos que tomar esse cuidado, são meninos de extrema qualidade e podem ajudar muito o São Paulo ainda, concluiu.

Gazeta Esportiva

 

18 comentários

  1. O problema é que a maior parte da torcida quer que um moleque de 18~20 anos jogue do mesmo jeito que um de 28~29.

    Cansei de ver os alguns mais especialistas daqui dizendo que jogador X que acabou de chegar da base é fraco e não serve para o São Paulo…

  2. Parece que o santos não vai conseguir contratar o lateral esquerdo Dodô , devido ao salário…Parece que ele ganha 650 mil por mês na Itália… Acho que valeria oferecer uns 400 mil por mês…Seria titular fácil…E dá até para jogar de meia ou fazer uma dobradinha com o Reinaldo pela esquerda qdo o Everton não jogasse

  3. Como ter esperança com Leco Presidente? Infelizmente espero mais 2 anos medíocres… SP cheio de dividas, as vendas não surtem efeito, contratação de jogador medíocre com salário milionário. Não consigo ter esperança…

  4. Do post anterior
    melhor pegar a maior “pedra” logo
    pq se for pra sair na pré que seja assim, e não por um defensa y justiça da vida…
    o que fizeram com o São Paulo… senhor

Deixe uma resposta