1a de 4 finais: São Paulo encara jogos como decisões pela vaga direta

O discurso do São Paulo após o empate amargo diante do Grêmio na última rodada foi uníssono. As partidas da reta final do Brasileirão serão encaradas como decisões pelo elenco são-paulino. Neste domingo, às 19h (de Brasília), o time treinado por André Jardine tem o primeiro desses quatro jogos importantes – o adversário será o Cruzeiro, no Morumbi.

Diante do time mineiro, o São Paulo busca colocar ponto final na fase instável no campeonato, marcada sobretudo por uma série de empates em casa. Nos últimos dez jogos, a equipe tricolor teve em igualdade no placar em sete oportunidades, quatro delas em casa – nesse período, o time só bateu o Vitória fora de casa e ainda perdeu outros dois duelos (para Palmeiras em casa e Inter no Beira-Rio).

A campanha ruim fez o São Paulo perder a liderança na 27ª rodada, depois de um empate com Botafogo fora de casa. Na sequência, a equipe manteve a irregularidade e chegou até mesmo a perder a quarta colocação, que dá uma vaga direta na Libertadores.

Na última rodada, o São Paulo desperdiçou a chance de recuperar a posição. Uma vitória contra o Grêmio deixaria o rival direto para trás – os times estão empatados com 59 pontos, mas os gaúchos ficam à frente por causa do número dvitórias (16 a 15). Depois do Cruzeiro, o São Paulo vai a São Januário enfrentar o Vasco. Em seguida, enfrenta o Sport no Morumbi. O time fecha a participação no Brasileirão contra a Chapecoense, na Arena Condá. Já o Grêmio tem a seguinte sequência: Chapecoense em casa, Flamengo fora, Vitória em Salvador e Corinthians em Porto Alegre.

UOL

26 comentários

  1. Será que alguém, pelo amor de Deus, pode proibir de falar 1 de x finais. Isso não funciona e toda vez que falam isso não dá certo no final.
    Temos 4 jogos e precisamos vencer 1 empatar outro para garantir libertadores ou tentar vencer os 4 para ir direto à fase de grupos, simples.

    • corrigindo, precisamos de um empate para garantir a libertadores (fase preliminar) e fazer o máximo de pontos possível para tentar ultrapassar o grêmio e ir direto à fase de grupos.

  2. No primeiro turno dois a 0 para o São Paulo.
    Não era um espetáculo, mas era um futebol que buscava vencer, não dar chance do adversário tentar uma reação: 3 a 1 contra a Galinhada, 3 a 1 contra o América, 3 a 1 contra o Sport, 3 a 0 contra o Vitoria.
    Ficamos campeão do primeiro turno.
    Depois foi o futebol do MeDo.
    Despencou na tabela.

    Se hoje jogar para ganhar, ganha do Cruzeiro.
    Faça isso Jardine, coloque esse time pra jogar.
    É o seu perfil.
    Não seja medroso.
    Não escute os conselhos de quem está de fora e tem como perfil, o 1 a 0 é goleada, quem quer espetáculo vai ao teatro.
    O futebol pragmático está acabando com o São Paulo.
    Não é o DNA do São Paulo.
    Não é o seu perfil Jardine.
    Seja você Jardine.
    E venceremos.

  3. D novo esse papo de decisão já to de saco cheio disso ai o time só empatar se ñ ganhar hj esquecer g4 pq o Atlético-MG ja ta perto mas confio no jardiner e na base pq esse outros ai veteranos são muitos pipoqueiros oq tem salvado ultimamente é a base vamo tricolor vencer hj 2×1 everton e brenner

  4. Final …, final …, final …, final.

    O que é final ???

    Como se faz para chegar à final ???

    Como é vencer uma final ???

    E depois da final, o que acontece ???

    Sou tricolor …, não lembro mais o que é final.

    #Triste SPFC
    #Pobre futebol tricolor.

    • E pensar que de 70 até 2005 o São Paulo não ficava 2 anos sem chegar em finais de Campeonatos.
      Tinha uma vez que chegou em 4 finais seguidas do Paulista.
      3 do Brasileiro.
      3 da Libertadores.

      Depois o medo de vencer, causou esse desastre.
      Lembra em 2007 na semi final do Paulista contra o São Caetano, em que o Ilsinho fez 1 a 0 para o São Paulo. Você pensa, liquidou a fatura. Toma 4 do São Caetano.
      E aquela em 2013 contra a Ponte Preta na semi final da Sul Americana. Jogo na mão, faz o gol, para de jogar e toma virada da Ponte Preta.
      Isso não é São Paulo.
      Saudade daquele São Paulo que trucidava o River Plate lá na Argentina em 2005.
      E o freguês Palmeiras. Sempre era eles que o São Paulo encarava nas semi e sempre o São Paulo despachava eles. Ô delicia, como era gostoso ser São Paulino. O Denilson deitando e rolando pra cima deles em 98, frango do nosso Zetti em 87. Era bom demais.

  5. Desde que iniciou o segundo turno que a cada jogo importante vem sempre essa conversa fiada de “final”. Esse time não sabe nem o que significa a palavra final, jamais experimentaram uma. Poupem-nos. Esses caras nunca jogaram uma partida sequer como se fosse uma final. Nem tem bola o suficiente para prometerem uma coisa dessa, a verdade é essa.

  6. ZzzzzZzZ. . Quando faltavam 13 jogos eram 13 finais ! Tratem de jogar bola e vençam esses 4 que faltam pra melhorar esse desempenho ridículo do segundo turno. As “finais” foram… e vacilamos em todas elas.

  7. Prometem jogar como se fosse uma final mas estão jogando futebol de time rebaixado, com todo investimento e salários altíssimos pagos e dia. São Paulo Vergonha Clube.

  8. Mas que papo furado.
    Escuto isso desde a derrota para o Atlético MG.
    Até entao, são 12 jogos que seriam encarados como “finais” e jogamos igual casados x solteiros.
    O Aguirre caiu fora (amém) então ja podem parar de palhaçada e mudar o discurso.

  9. Se o problema fosse só o técnico seria muito fácil resolver . Essa história de medo de perder não existe , tudo decorre de times montados com incompetência ou sem dinheiro suficiente .

  10. Ano de 2018 quase perdido com a tese de tome estrangeiro do Aguirre futebol reativo … sabem o que significa? Dar a bola para o adversário, jogar atrás na retranca e partir para o contra ataque … isso funciona para time pequeno … time uruguaio.

Deixe uma resposta