Um abraço, Aguirre!

Amigos Tricolores,

Não deu para segurar. No último domingo, a parceria de Aguirre com o São Paulo se encerrou. Depois do melancólico e medroso jogo que o São Paulo fez contra o Corinthians, ficou insustentável a sua presença pelos lados do Morumbi. Eu vinha, nas ultimas semanas, criticando o trabalho dele, achava um técnico limitado de poucas variações táticas, mas contra Flamengo e Corinthians ele se mostrou um técnico, limitado e medroso!

Não podemos ter alguém no comando que prefere Edimar a Nenê! Não dá! Isso sem falar das vezes que barrou Arboleda! Rodrigo Caio na lateral, Bruno de ponta, não dá chances a base…

Trouxe raça. E só!

De fato, o Aguirre trouxe a mística uruguaia para o Morumbi. No primeiro turno, o São Paulo deu a volta por cima. Um time que perdia para times pequenos, teve uma sequencia de vitórias em cima do Cruzeiro, Flamengo, Corinthians, sendo Cruzeiro e Flamengo, fora de casa. Não é para qualquer um e por algumas rodadas, fomos o líder do campeonato.

 

A limitação do Aguirre se deu, quando os outros técnicos entenderam o jogo do São Paulo e conseguiram anular as armas. O fato de perder o Everton, não é o fator principal para a queda, mas influenciou, porém, as invenções do Aguirre ajudaram ainda mais. Edimar e Reinaldo? Bruno Alves de ponta? Arboleda na lateral? Faltou pouco para Nenê jogar de Zagueiro ou Diego Souza no gol. Era muita invenção para um time que está anos sem ganhar um titulo importante. Não me recordo de Telê inventar assim…

Modinha???

Quer ler o artigo e chamar de modinha? Quer brigar com quem concorda com o texto e o chamar de modinha? Problema seu! O fato é que, de novo, perdemos mais um ano por ter um técnico abaixo do tamanho do São Paulo.

E olha, que desde 2008,  passaram vários técnicos pelo São Paulo e apenas Ney Franco nos deu um título… Nesse momento o São Paulo não pode fazer testes ou trazer amigos de diretores precisamos de um técnico “rodado” e com conquistas recentes! Chega de experiências como Rogério Ceni. Chega xe técnicos que não ganham nada a tempos como Ricardo Gomes, Carpegiani, Dorival Jr, Aguirre.

De 2014, para cá, ganharam o que? No máximo, Dorival ganhou o Paulistão de 2016. Precisamos de um técnico que tenha títulos recentes no currículo e seja capaz de transformar o São Paulo. Rogério, como sempre digo, em 2023 será o melhor técnico do país, hoje, precisa de mais rodagem. Aliás, parabéns ao M1TO pelo titulo da Série B, conquiste mais, pegue mais experiência e volte ao Morumbi para nos dar o 4º mundial!

O medo não combina com vencedores

A minha banda favorita é o Queen, e não falo isso por causa da febre do excelente filme sobre a história de Freedie Mercury, seu líder, mas por ter em casa, pelo menos 30 CDs da banda. Eu conheço bem a história da banda e no filme, conheci e relembrei de outras. O Queen foi o que foi, porque nunca quis fazer mais do mesmo, nunca teve medo. Sempre quis inovar, sempre quis sair na frente, sempre teve peito para fazer o diferente e inusitado. Na maioria das vezes deu certo, por isso, o Queen está entre as maiores bandas do mundo por isso, mas em outras vezes, suas inovações não deram certo. Faz parte do jogo, mas ficar parado é pior do que inovar. O medo é pior do que a tentativa de fazer algo diferente.

Aguirre colocou Edimar na lateral e Reinaldo na ponta. Contra o Corinthians, 2 gols de Reinaldo. Deu certo, depois, em outros 4 ou 5 jogos não deu! Inovou, ousou, deu certo, mas depois não deu mais. Devia ter parado de teimar e tentado outra solução. Tanto “moleque” bom da base multi campeã pedindo passagem!!!

Aguirre era limitado no plano tático. Não ousava! Não tirava um zagueiro para colocar um 4º atacante, por exemplo. Na maioria das vezes era a substituição segura, sai volante, entra volante, sai atacante, entre atacante.

Trabalho em uma área, marketing digital, onde quem mais tem medo, tem menos resultados. Aguirre teve um problema sério com a ausência de Everton e teve medo do novo, ao não colocar a base para jogar. Helinho, por exemplo, precisou de 4 minutos para mostrar resultado. Aguirre não soube suprir a ausência do Everton. Não podemos ter dependência de um jogador. No meu mercado, a Netflix, por exemplo, desbancou a Blockbuster, pois ela inovou, a Blockbuster parou no tempo. Quem para no tempo não vence. Isso é fato!

 Mas era a hora da demissão?

Quando ocorre um caso como esse, fico pensando como seria Telê Santana no comando do São Paulo com essa diretoria e essa pressa pelo resultado imediato. Não morria de amores pelo Aguirre, mas paremos para pensar, faltam 5 rodadas para acabar o campeonato que não temos mais chances de titulo. Ele teve um aproveitamento de 55% a frente do São Paulo, superior a todos os outros técnicos, exceto, o grande Muricy, que mesmo sonhando, não volta ao comando do SPFC. Um dia, como dirigente, quem sabe?

A desculpa dada pelo Raí, na ultima 2ª feira, na coletiva é que o clima no vestiário não era dos melhores e era preciso tomar uma decisão rápida. Nenê e Brenner passaram pelo Aguirre na hora do gol, contra o Corinthians, sem o cumprimentar o técnico. Isso foi feio, mas mostrou como o clima estava.

O temor de perder o 4º lugar e a vaga direta para a Libertadores faz sentido, mas eu acho que o grande Raí, ai errou, pois é também, papel dele, entrar no vestiário e dar porrada nesse bando de mimado que – supostamente, veja bem, supostamente – ajudou a derrubar o técnico. E não é para acusar A ou B aqui, mas que o clima no São Paulo não era mais o mesmo, isso não era.

Aguirre é um cara sério e trabalhador, algo ocorreu, mas isso, nunca saberemos, a não ser pelas especulações de torcedores ou jornalistas causadores de crises, como na Gazeta que demitiram o Ricardo Rocha sem ele ser demitido no mesmo dia da demissão de Aguirre.

 Jardine?

O papo que rola nos bastidores é de Jardine assumir o São Paulo em 2019. Na reunião de 3ª no conselho, Leco afirmou isso. Alguns conselheiros, presentes na reunião tornaram publico isso em suas contas no Twitter.

Não tem nem como falar mal de quem nunca dirigiu o time titular, tal qual, não tem como falar bem. Escrevo esse artigo antes do jogo contra o Grêmio. Com 20 títulos na base, potencial ele tem, de sobra, mas na minha visão, ainda não está preparado para lidar com essas estrelas mimadas que o futebol produz ano após ano, sejam os mais experientes ou essa molecada que nunca ganhou par ou impar, mas se acham os novos Pelés, Maradonas, Messis.

Competência, existe, mas um moleque desses, na base é uma coisa, vai para o profissional, começa aparecer na TV, empresário, torcida, mulheres, amigos que surgem do nada, o sucesso sobe a cabeça e ai para gerenciar é um problema. Agora faz isso vezes 25 jogadores.

Eu traria um técnico mais experiente e vencedor até para ajudar Jardine em sua preparação e quem sabe, 2020, com títulos em 2019, Jardine assuma? Aposto nisso! E digo que quero um técnico com recentes conquistas. Imprensa aposta em Cuca e Abel. Um arrumou o São Paulo em 2004 dando toda a base para o time campeão de tudo em 2005, o outro, um técnico bom, mas que não ganha nada há tempos. Estrangeiro? Bom, Osorio e Bauza, ficaram pouco, mas trouxeram resultados. Pode ser uma nova tentativa.

Aguirre, um abraço

Obrigado pelo o que fez no São Paulo, seja feliz em outro time.

Para nós, agora resta continuar o campeonato e torcer para que 2019 não seja mais um ano perdido.

*Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br – facebook.com/plannerfelipe e @plannerfelipe

19 comentários

  1. O São Paulo precisa de entrosamento.
    O que quebra são essas malditas e excessivas reformulações.
    Nunca se tem entrosamento.
    Diante de tudo isso, se o Jardine colocar os moleques da base, tem que ir até eles amadurecerem.
    Nada de desistir.
    De colocar o moleque em 2 jogos e depois jogar fora.

  2. Concordo 👍 texto muito bom. Mas quanto a demissão do Aguirre, realmente o Raí errou. Deveria ter demitido faz tempo.
    Nenê não está jogando nada, mas ele não escalou errado e improvisou.

    Quanto a técnico medalhão:
    Discordo completamente. Não temos a grana do Palmeiras, então precisamos aproveitar nossos garotos da base.
    Helinho, Liziero, Luan, Tuta, Antony, Igor Gomes, Toró, Cassio*, Lucas Perri. Se um técnico medalhão chegar vai cozinhar os garotos, chamá-los de verdes e pedir um monte de contratação.
    Pela grana não vai vir nem plano A, nem plano B; e daí começam a aparecer os planos C: maicosuel, Marcinho, Denílson, Edmar, Jean.

    Então, mesmo gostando muito dos textos do Felipe morais ( que é muito bom e coerente nos seus textos) discordo quanto ao Jardine.

    Jardine é o cara certo, a hora certa não aparece faz tempo pelos lados do Morumbi.

    Tem até uma música que diz : “quem sabe faz a hora, não espera acontecer”

    👍Jardine2019

  3. Caro Felipe Morais, se me permite uma crítica, achei o post bem emotivo e com pouca objetividade. Lembrou os antigos posts do Moribe.

    Não leve para o lado pessoal, mas já deixa claro desde o começo que não aceita críticas quando diz: “Quer ler o artigo e chamar de modinha? Quer brigar com quem concorda com o texto e o chamar de modinha? Problema seu!”. Isso porque e todo post, o senhor faz questão de repetir varias vezes que “trabalho com marketing digital”.

    Não que eu tbm não quisesse a saída do Aguirre. Desde o jogo contra as Peppas que eu queria esse cara bem longe do Morumbi. Mas daí a anatematizar quem discorda dessa opinião, são outros 500.

    Usar uma banda músical (uma das melhores de todos os tempos, aliás, que fique claro) como exemplo no quesito para o esporte tbm não foi das mais felizes das metáforas. Aristóteles ensina que para se comparar dois termos, eles precisam se equivaler. Poderia citar outro esporte, por exemplo, o vôlei brasileiro, onde Bernardinho se consagrou por nunca ter tido medo de perder e ter incutido um espírito vencedor em seus atletas.

    Mas enfim, não vim só criticar o post, o que a gente precisa é ser mais racional e menos emotivo. Eis porque critico o post. O torcedor não aguenta mais fracasso e espera. Sai criticando tudo e todos. Não obstante, é preciso dizer: espere mais um pouco.

    Calma! É preciso esperar sim. E digo mais; provavelmente não ganharemos nada ano que vem. Enquanto Leco for presidente, será difícil. É simplesmente o pior presidente da história do clube. Mas ele teve um acerto: entregou o comando nas mãos de Raí. E nisto reside a nossa esperança. Porém Raí não mudará o panorama da noite pro dia, com menos de 1 ano de trabalho. É preciso ter paciência.

    Tenho muita fé e nutro fortes esperanças pelo trabalho do Raí, mas sabendo que os frutos provavelmente serão colhidos no médio prazo e não no curto prazo. Isso significa que acredito que venham títulos a partir de 2020. Mas precisamos parar de reclamar de tudo e de todos, senão, com essa negatividade, expulsaremos pessoas competentes do Morumbi que poderiam ser fundamentais nesse processo de retomada de títulos.

    Abraço!

  4. Só com a base não se ganha título, precisa de jogadores cascudos, é um técnico com empatia com o grupo. O mais importante é a diretoria querer ser campeã

  5. Boa noite .Na minha opinião não é mudar esse ou aquele jogador ,e sim o time voltar ao seu estilo de jogo e contratar jogadores que tenham perfil e caráter para jogar no esquema determinado a partir do time de base . O São Paulo nao tem que buscar qualquer destaque ,e sim buscar jogadores que encaixem no estilo tático que o clube segue ..Simples assim ,sai jogador y e entrar jogador x ,pode até ter menos técnica mais já sabe como executar a função determinadas e treinado.

  6. A efetivação do Jardine pro ano que vem me deixa com a pulga atrás da orelha pois por mais que tenha mostrado competência na base, ainda não tem experiência como técnico principal e convenhamos futebol é um meio muito sujo, os próprios jogadores não se ajudam, só pensam em seus próprios umbigos e não estão nem aí pro clube, só querem sua grana e que se dane o resto. Soma-se isso a dirigentes inescrupulosos, temos a total decadência e falência do futebol brasileiro. Agora voltando ao Jardine, muitos jogadores não botam muita fé em treinadores que não jogaram profissionalmente e o Jardine se encaixa neste perfil, estudou e muito pra chegar onde chegou mas nunca jogou o jogo de verdade, e isto pode ser visto com indiferença pelos jogadores. São poucos técnicos sem ser boleiros que dão certo por aqui, pelo que me lembro tem o Parreira, Autuori, Ney Franco, Osório e agora o Jardine que chegaram ao time principal. Parreira em 96 foi um tiro no pé, Autuori em 2005 ganhou Libertadores e Mundial mas em 2013 não conseguiu dar jeito no time e vem pulando de clube em clube após a última passagem dele, Ney Franco foi fritado pelo Ceni, Lúcio e cia e sucumbiu na Libertadores em 2013. O Osório ninguém sabe o que viraria pois ficou pouco tempo e agora é a vez do Jardine e espero que caso seja efetivado tenha sucesso e torcerei por isto.

  7. Não podia discordar mais do texto, mas não vou chamar o autor de modinha.
    Só acho que nenhum outro treinador teria tirado mais desse elenco do que o Aguirre, elenco do SP é bastante limitado, com 3 principais jogadores do time do meio pra frente (nossa zaga acho muito boa) Nene Diego Souza e Everton com idades somadas dando quase 100 anos. Everton apesar de muito participativo durante o jogo, se machuca demais e os outros dois já em ´legítimo declínio.
    Quer mais ousadia que botar 2 laterais esquerdos em um clássico ? Não deu mais certo depois por causa do Edimar que não serve nem pra reserva. Qual outra ousadia seria boa, talvez 2 meias no time, e a marcação como ficaria, talvez Nene e Liziero armando, mas foi tentado isso e o Liziero que eu boto muita fé oscilou demais.
    Shaylon se não me engano jogou bastante com o Aguirre, talvez mais do que com o Dorival. Brenner teve diversas chances com Aguirre e não mostrou a que veio até agora. Helinho tá jogando demais? Não, entrou fez um golaço, mas está começando ainda, tem que ir com calma, quem colocou ele mesmo contra o Flamengo?
    Com Aguire ganhamos de vários times melhores que o nosso, ganhamos na Baixada em Curitiba e só não ganhamos do Corinthians pq tava na cara que esse elenco de mimados (alguns jogadores) jã não corria pelo treinador. Vcs queriam que entrasse como contra o rival que nunca ganhamos, cheio de meias no time e indo pra cima. ?
    Não acho que o trabalho dele estava sendo bom no 2 turno, mas acredito que seria hora de sentar com ele no fim do ano e cobrá-lo por um melhor futebol, inclusive planejando as contratações para melhorar o time, até onde eu sei o excelente (para os padroes brasileiros) Rojas foi indicação dele, bom e barato.
    A queda no 2 turno se deu principalmente pela idade avançada dos principais jogadores, o Nene não ia repetir aquelas atuações, estava na cara, e pelo Militao que foi embora e destruiu nosso lado direito. Não vou ficar culpando a diretoria pq o menino queria ir embora, mas que o Bruno Peres foi um desastre, isso foi!
    E por último, perdemos um treinador com larga experiencia na Libertadores, vamos jogar ela com o Jardine no comando?
    Acredito que o Cuca tenha grande chance de vir, e considero ele grande treinador, mas quanto tempo até ele arrumar um problema, uma picuinha dentro do clube?
    Abel Braga é viagem pura, se for pra um time vai pro Flamengo.

  8. Com relação ao post anterior sobre a premiação do Brasileirão, mas que valor ridículo por um torneio longo e caro aos clubes e tem torcedor que acha que o torneio vale alguma coisa, que sempre devemos prioriza-lo em detrimentos aos outros. Está aí o valor dele!

    Era melhor ganhar um paulistinha, uma Copa do Brasil ou uma Sulamericana, torneios que não valem nada para alguns torcedores tricolores do que priorizar um e no fim das contas não conseguir conquista-lo e além disso receber uma merreca de premiação. Para um clube que precisa ser campeão não tem essa de escolher qual competição priorizar em ganhar pois corremos o risco de ficar sem nenhum.

    Muitos vão falar, mas se classificarmos para Libertadores ganharemos dinheiro, sim ganharemos mas também se gastará mais e conhecendo o time que temos e condições financeiras atual do clube não vejo uma participação em Libertadores como salvação do clube e sim voltarmos a ganharmos títulos como os paulistinhas da vida, Copas do Brasil que nunca ganhamos e o torneiozinho da Sulamericana que muitos nem contam como conquista de 2012. Recomeçar a ganhar os torneios menores daí sim, mirar novamente os maiores. Foi assim na década de 90, foi assim em 2005 e o porquê só agora não podemos nos rebaixarmos a pensar assim? Lembrem se que nossa soberania acabou faz tempo…

  9. E só pra arrematar, trocar todo ano de treinador é receita básica pra fracasso!
    Como eu queria o Cueva e o Hernanes sob o comando do Aguirre.

  10. Respeitante ao “suposto” interesse do Milan pelo Rodrigo Caio (repita-se “suposto”) ao argumento que tal jogador atua também como volante, qual a razão de o mesmo não ser escalado no SPFC como volante?

  11. Eu disse tudo isto antea do Aguirre comecar. Ele é fraco. Nao ganhou nada por onde passou. E por aqui nao seria diferente. E nao foi. Mais um ano perdido.

  12. Concordo com boa parte do texto, entretanto além da limitação técnica do elenco o SPFC há anos carece de bons profissionais no quesito preparação física, pois o time literalmente se arrasta em campo na 2a etapa (inclusive os mais jovens).
    Depois que a soberba e a arrogância de JJ e seus aspones decidiram mandar embora Dr Turíbio, Rosan, Carlinhos Neves & Cia Ltda perdemos o que tínhamos de melhor em termos de preparação física e análise de desempenho a ponto de atualmente estarem tirando profissionais de outros clubes para virem trabalhar no tricolor.

Deixe uma resposta