Reformulação dos Estaduais: Globo pressiona por mudanças e CBF cria grupo para discutir reformulação

Após a Globo pedir uma revisão no calendário brasileiro e sugerir que os Estaduais fossem repensados, a CBF criou um grupo, formado pelos presidentes das federações, para discutir o futuro e mudanças nos regionais a partir de 2020.

A intenção do grupo é achar uma solução para salvar os Campeonatos Estaduais. A hipótese de acabar com as competições foi levantada, mas é praticamente impossível. Inclusive devido a questões políticas e contratuais.

O Carioca e o Paulista, por exemplo, têm contrato até 2024 e 2021, respectivamente. No entanto, o Flamengo é o único time que assinou o acordo até o próximo ano apenas. A Globo, porém, já demonstrou desinteresse nas competições e pressiona para que alguma coisa seja feita.

No Sul, o Gauchão só está garantido até 2019. Mesmo com contrato até 2021, ele pode ser quebrado a partir do ano que vem sem pagamento de multa. “Garantido mesmo está até 2019. A preocupação é grande”, disse Francisco Noveletto, presidente da Federação do Rio Grande do Sul, ao UOL.

Outros Estaduais, por sua vez, já foram deixados de lado. É o caso do Paranaense, que não teve transmissão já em 2018. Além disso, no Nordeste, a Copa do Nordeste é bem mais forte que os regionais.

Segundo o UOL, Globo e CBF conversam sobre a redução das competições, mas essa não seria de forma drástica. Isso porque, a Confederação Brasileira argumenta que esses campeonatos são pilares do futebol do país e empregam milhares de jogadores. Inclusive revelando vários nacionalmente.

Outro fato importante seria a redução de investimentos da Globo. Como a emissora teve que gastar mais com Brasileirão e Libertadores, a verba disponibilizada para os Estaduais caiu consideravelmente. Além disso, a Turner não teria força e nem vontade de virar concorrente.

Uma das soluções propostas seria unificar a fórmula dos campeonatos estaduais, de forma que todos ocorressem de forma padrão. A discussão, que comentou nesta semana, ainda tem tempo para arrumar uma solução que agrade a todos, mas o desafio de equacionar a vontade da CBF, Globo e equipes é bastante difícil.

Torcedores.com

23 comentários

  1. Cueva sentiu saudades do Morumbi? hahaha…cara tinha tudo para ser idolo aq e brigar por posição. eu quero que ele se lasque…alias para todos que não fazem parte dos planos do sp. isso vale tb para o Mito.

  2. O ideal, a meu ver, Campeonato Brasileiro de início de fevereiro a final de novembro. Jogos aos finais de semana e respeitando data fifa. Copas do Brasil, Sul Americana e Libertadores, aos meios de semana, sendo a LA e a Sula disputadas nas mesmas datas. Campeonato Regional tbm aos meios de semana, mas com os times grandes disputando em 02 grupos de 04 times. Turno e returno. Os 02 primeiros de cada grupo faz semifinal e final. Assim os grandes disputariam no máximo 10 jogos do regional.

    • Perfeito. E como as datas estariam espalhadas durante o ano, os times grandes poderiam poupar os atletas como fazem os europeus nas “segundas copas” de cada país.

      Hoje passamos 4 meses enfrentando times lixos, depois no fim de ano o cara tem que se virar com LA e BR sem folga. Entre as datas de um e de outros poderia ter uma partidinha de estadual.

  3. Tem que acabar com os estaduais, não valem nada. E tem gente que acha que se o SPFC ganha um paulistinha sai da fila. O próximo paulistinha tem que disputar só com a garotada, enquanto o time principal disputa a Libertadores.

  4. Jardine: Jean, Hudson (Bruno Peres),Arboleda, Alves, Reinaldo, Jucilei, Liziero, Nene (Shaylon), Everton, Helinho e Diego Souza (Trellez)

    com ctz o tecnico é burro e vai entrar com Jucilei e Hudson que no máximo são primeiro volante o segundo podendo fazer papel de lateral.

    • Para de cornetear já o Jardine, não há ninguém melhor do que ele no momento para assumir o SPFC. O SPFC não fará grandes investimentos porque simplesmente o dinheiro some no Morumbi , então o time só poderá evoluir com a molecada da base e o único que conhece a base é Jardine. Portanto, não adianta querer Abel ( já insinuou que o SPFC é uma bagunça e não quer trabalhar aqui, PofexÔ ( Deus me livre) , mano ( Aguirre melhorado)). Portanto, temos que apoiar Jardine com força e quem tentar sabotar o trabalho do treinador deverá ser afastado do elenco, seja ele quem for.

  5. Estaduais: é so dividir os grandes dos pequenos.
    PaulistA por exemplo. Todos os pequenos jogam entre si para formar um quadrante final. Os quatro primeiros dos pequenos se juntam aos quatro grandes fazem chaves com confrontos ida e volta.

    Os grandes só jogavam mata mata a partir da segunda fase.

    Os grandes só jogavam apenas 6 jogos.
    Começando a jogar a partir de fevereiro.

    • A Globo não terá mais a proteção do governo federal. Pelo contrário, hoje quem tem a força é a Record. devem estar alucinados lá no jardim Botãnico, há, há, há!

    • Cara pode ser imoral emprestar dinheiro a juros absurdo pra depois rasgar num clube de futebol, mas por enquanto ainda não é proibido (na minha visão deveria).

      Duvido muito que eles tenham problemas com isso…

  6. Só existe uma maneira de fazer com que os estaduais acabem sem que os clubes do interior acabem junto: dinheiro e visibilidade.

    A CBF atraiu maior atenção pra copa do brasil quando aumentou a premiação pra 50M de reais. Só se falava nisso na época do torneio, os times deram valor pra competição. O mesmo investimento precisa ser feito pra criar uma condição em que os times do interior possam jogar entre sí, sem a presença dos grandes, e mesmo assim consigam se manter, pagar salários e ter uma perspectiva de crescimento. Eu aumentaria as séries dos campeonatos nacionais (E, F e G, etc) e criaria disputas regionais que valessem títulos e premiação, assim como a NCAA faz com o futebol americano colegial.

    Eu nasci em uma cidade do interior e por muitos anos vivi lá. Qdo o time da minha cidade estava bem no campeonato da série B do paulista, quase subindo pra A3, o estádio lotava, as rádios locais só falavam disso, o povo comprava camisa, as lojas queriam patrocinar. Existia uma rivalidade enorme entre cidades. Os times do interior não precisam dos grandes pra existir, mas precisam de dinheiro de algum lugar.

    Existe um mercado enorme pra ser explorado mas infelizmente precisa de vontade de pessoas que não estão nem aí pro negócio.

    • Eu vivo isso hoje, assisti a final da série B do campeonato Catarinense com quase 10 mil no estádio.

      Mas como federação é só cabide de emprego, os caras só se preocupam com os cargos e andam para os campeonatos.

      Acho que esse caminho de separar os campeonatos em séries e trazer as rivalidades locais nas séries D, E e F seria muito interessante.

      • Taí, também gostei da sugestão.
        Os campeonatos estaduais seriam extintos, mas aumentaria o número de series de Brasileiro,
        fazendo uma disputa regionalizada. Aumentar a grana para esses clubes e mantê-los em atividade por 8 ou talvez até 10 meses.
        As 3 primeiras divisões com 20 clubes por série, e mais 3 divisões com estrutura regional de acordo com o número de equipes e a quantia destinada a cada uma destas séries.

Deixe uma resposta