Raí fala da decisão de demitir Aguirre, Foco em G4, Nenê, Jardine na reta final e possibilidade de efetivação em 2019

Raí fala da demissão de Aguirre

“Primeiramente, entendo a repercussão, a surpresa, porque não foi uma decisão fácil. O mais fácil seria deixar as coisas como estão. A decisão foi encabeçada por mim. Conversada com algumas pessoas, mas encabeçadas por mim. Queria deixar claro meu agradecimento ao trabalho do Aguirre, tudo que ele fez pelo São Paulo, o profissionalismo, e muita coisa que vai ficar, como todo bom profissional que passa deixa seu legado. Reconhecemos a importância dele, o momento que ele chegou, o momento ótimo que a equipe teve, e que nos dá condição de brigar pela vaga na Libertadores”.

Decisão de Demitir e Desempenho

“A partir do momento que tem uma dúvida, teria de tomar naquele momento, não poderia se arrastar. Como foi dito, a decisão de saída do Aguirre, algo que vinha sendo discutido e amadurecido há pouco tempo, já tínhamos decidido, mas não compartilhado com ele, pelo rendimento nas últimas dez, 11 rodadas. Sentimos o trabalho não surtindo o efeito, não tendo uma reação, dificuldade de conseguir resultados. Pontos que conseguimos nas últimas partidas, foram partidas que não satisfizeram a comissão nem os jogadores. A maneira como jogou”.

Foco no G4 para ter um bom 2019

“Claro que a comissão tentou de tudo, trabalhando aqui, mas a própria comissão reconheceu que estava difícil. Isso fez com que tomássemos a decisão de que não seguiria para 2019. Deixando claro para ele que, uma das principais razões, a gente acredita que vai ter uma reação, uma melhora, por isso a decisão é difícil, por isso há riscos. Tem responsabilidades, que eu encabecei. Da forma que vinha vindo, e as pessoas com que discuti, nos leva a crer, que teremos mais chances de estar entre os quatro primeiros, o G4. Essa é uma das principais razões. Mudança é sempre traumática, envolve relações humanas. Nesse momento de tomar uma decisão ou outra, temos que pensar também naquilo que a gente acredita, o interesse da instituição. Classificando-se entre os quatro primeiros, temos uma vantagem muito boa para a próxima temporada. Em nenhum momento vamos deixar de reconhecer uma classificação, seja em qualquer posição que for, a importância do Aguirre nesse processo em todos os sentidos. Foi uma conversa leal e franca com o Aguirre. ”

Jardine

“Antes de eu estar aqui até, já tinha gente convicta de que ele deveria estar em parte no trabalho profissional, como parte de uma comissão permanente. Ele esteve aqui, acompanhou e sempre foi e é, uma opção de assumir o São Paulo, como está assumindo agora até o fim do ano. Vamos guardar o direito de que qualquer pergunta sobre 2019, é algo que vamos discutir internamente, não vamos emitir opinião neste momento. São opções”

Confiança de Jardine no grupo e recepção do elenco e possível efetivação 

“Sobre o Jardine, ele colaborou muito, se mostrando cada vez mais à vontade, aqui no ambiente do CT da Barra Funda, no profissional. Logo em seguida tivemos a conversa com o elenco, depois o Jardine mostrando suas visões, pontos. Ele demonstrou uma confiança incrível no seu trabalho, no grupo, transmitiu isso a ele, e tenho certeza de que irá recebê-lo muito bem. Não está descartado ele ser efetivado. E ele vai continuar fazendo parte de uma comissão permanente”

Nenê 

“Tenho todas as explicações para deixar claro que a decisão não tem nada a ver com uma situação, foi uma sequência e pensando que isso pode aumentar nossas chances de estar no G4. Isso não teve nenhum peso. Já falamos outras vezes que o comportamento do Nenê não foi adequado em alguns momentos, ele saiu irritado daquele jogo. Conversamos. E quando ele entrou no jogo, entrou com muita vontade, correu, tentou ajudar. Mas algumas atitudes, não só do Nenê, temos que estar atentos, a gente reprova cobra, e faz internamente. E isso foi colocado”

Porque a mudança 

“Entendo a surpresa de vocês, é que o ponto de vista de vocês é diferente de quem está aqui dentro. Impossível saber tudo, mas é questão de ponto de vista. Existem circunstâncias. Não é, obviamente, você busca o ideal, trabalho de continuidade, e isso é permanente. Eu aproveito para trazer aqui minha bagagem de atleta, líder, capitão, ídolo bem sucedido aqui dentro, que carrega um conhecimento de vivência, não digo que o que estamos fazendo é louvável, entendo, mas cito que antes da chegada do Telê Santana, tivemos Forlán, Carlos Alberto Silva e encaixou um que a filosofia foi se identificando cada vez mais com o grupo, com a instituição e isso foi fazendo fortalecendo. Toda decisão tem seu risco e acrescento, que a responsabilidade é de todos”

Decisão com Ricardo Rocha e Lugano

“Com o Ricardo Rocha, eu conversei com ele sobre a situação do Aguirre, a opinião dele. Obviamente isso não vem de agora. Troco informações com ele permanentemente e traz muitas colaborações. Tentei conversar com o Lugano durante o dia, deixei recado, e o comuniquei. O cargo do Lugano é superintendente de relações institucionais, obviamente se escuta as opiniões dele, mas não é o cargo dele”

Blog do São Paulo 

 

 

 

27 comentários

  1. O Aguirre estava excelente, campeão do primeiro turno, o time era batalhador.
    Mas depois começou com o Muricibol e foi um fiasco:
    1 a 0 é goleada.
    Chuveirinho.
    Improvisações.
    Não uso da base.

  2. O melhor Técnico para o São Paulo hoje seria um construidor de Elenco.
    Porque está complicado.
    Não da mais para ter reservas enfeites, jogadores que só servem para treinar e receber salario.
    Não da mais para não usar as categorias de base.
    Chega!!!
    Por favor!
    Isso não está mais dando certo.
    Com toda hora reformulações.
    Jogadores reservas enfeites.
    Não uso das categorias de base.
    O São Paulo está tendo Elencos meia boca, torto, mau construído.
    Mais aí você precisa da contribuição do Técnico.
    É um meio termo.
    Não se pode construir um Elenco com pernas de pau.
    Mas também o São Paulo não pode gastar fortunas para montar um Elenco cheio de estrelas. Isso faria o clube novamente se endividar.
    Com o gasto que tem o São Paulo no futebol, com a excelente categorias de base do São Paulo, sem fazer loucuras da para montar um Elenco de respeito.
    Mas para isso precisa da contribuição do Técnico.
    Tem coisas que não da para entender: Escala o Lucas Kal contra o Cruzeiro, o time ganha e o Lucas Kal é dispensado.
    Eu só vejo dois nomes para isso.
    Jardine e Rogério Ceni.
    O Jardine por exemplo, não colocaria dificuldades na construção do Elenco.
    Mais uma coisa: Que o novo Técnico não fique escutando conselhos de quem não está mais lá dentro, principalmente de quem não gosta das categorias de base.

    • Concordo.

      O novo técnico além de usar a base, precisa de uma mentalidade na qual o time proponha o jogo, jogue futebol, tenha construção de jogadas, nós torcedores do São Paulo não aguentamos mais nosso time esperando o adversário para contra atacar, vivendo de cruzamentos na área, enfim, eu quero ver o meu time jogando bola, com todo respeito a última vez que eu vi o São Paulo jogando futebol, foi com o Professor Osório.

  3. Para mim o assunto Aguirre já deu. É passado. Prefiro imaginar agora como o Jardine escalará o time que enfrentará o Grêmio. Com os jogadores que ele têm à disposição eu iria de Jean, Hudson, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo, Juciley, Liziero, Nêne e Everton, Helinho e Brenner. Será que dá pra ganhar?

    • Nessa escalação quase todo o ataque não aguenta 90 minutos, fora que o Liziero ainda não tem muito fôlego e resistência. Teriam que ter 3 substituições por cansacc é o time morto no final.

      • Como um moleque de 20 anos feito o Liziero, com nutrição, preparação fisíca de elite desde criança não tem fôlego e resistência pra jogar 90 minutos, todo jogo ele cansa antes dos 10 minutos do segundo tempo, é um mistério pra mim.

        • “A bagagem hereditária é responsável por aproximadamente 80% do rendimento de um atleta. Os outros 20% são derivados de processos de treinamento, nutrição e equipamento, entre outros aspectos.”

          Tem cara que simplesmente não nasceu pra ser atleta profissional, mas no futebol o talento muitas vezes fala mais alto do que a parte física, só olhar o Messi…

    • Levando-se em consideraçao que o nene, vai correr como nunca, e fara o melhor jogo da sua
      vida, acho que da para ganhar do gremio, sem duvida.A laranja podre vai se transformar numa
      maça linda.

  4. Cuca, Carille, Mano Menezes e Renato Gaúcho. Um desses poderá ser nosso técnico em 2019. É oficial
    Abelão recusou o SPFC. Ficará no RJ para treinar o Flamengo

    • Será que Carille abandona o caminhão de dinheiro que ele disse que receberia? Duvido.
      Recebeu premio nas arabias de técnico do ano. Está iniciando um trabalho de base no futebol arabe e apostam nele. Além do que iriam chamar ele de traidor na Zele.

      Renato Gaucho? Duvido que saisse do Grêmio agora. Recebeu proposta milionaria do FLA e não aceitou.

      Cuca? Não sei se é trocar 6 por meia dúzia.

      Mano? Será que sairia do Cruzeiro agora? Duvido, a não ser que paguemos muito.

      Tricolor tem andado a procura de treinador desempregado e barato.

      Barato. Custo baixo.

      Tirando o Cuca todos esses seriam caros.

  5. Agora é planejar 2019.
    Quem de contratações, a barca de dispensas faz parte desse processo.
    Espero que estejam na barca:
    Sidão
    Edimar
    Anderson Martins

  6. Acho que essa entrevista encerra o caso Aguirre. Agora é hora de pensar no futuro. Não dá pra esperar acabar o campeonato pra analisar o desempenho do Jardine pra pensar se precisa ir atrás de treinador pra depois iniciar o planejamento de 2019. Até pq a decisão é bem simples. A diretoria tem que decidir que estilo de jogo ela quer. Se quer ofensividade, efetiva o Jardine e ponto final. Se pretende um futebol reativo, aí é Abelão. São dois treinadores bem opostos. Uma diretoria com uma ideologia definida não teria dúvidas entre os dois. Escolheria o que mais se aproxima da sua ideia de futebol.

    Mano não sai do Cruzeiro e nem Renato do Grêmio. Cuca é tipo um Levir Culpi, não tem padrão tático algum, é só na base da motivação e superstição e por isso todos os trabalhos dele podem se resumir em 6~8 meses de bons resultados, mas sem qualquer organização, e uma queda vertiginosa depois disso. Foi assim aqui, no Palmeiras, no Cruzeiro, no Flu.. só no Atlético que isso durou um pouco mais.

  7. Jardine em seu primeiro treino já colocou 3 da base, sendo um lateral direito.
    B. Peres é horrível, talvez deixando o Tuta jogar pra ver como se sai, não pode ser tao ruim quanto o titular.

    • Vale lembrar que fora o joao rojas, os demais colocaram pela goela do aguirre. Claro que o rai assume toda a responsabilidade. Ou seja vai continuar contratando desta forma e assumindo
      a responsabilidade. FORA RAI.

  8. Acho que Jardine pode até ser efetivado, mas com esse elenco com os experientes com altos salários, e que não aceitam ficar no banco, e nem aguentam correr em campo, ele seria facilmente engolido e sairia do clube para fazer sucesso em outro. A diretoria vai ter que rever o elenco em qualidade técnica e também física.

  9. Nós aqui quebrando a cabeça pra encontrar um treineiro pro tricolor,já imaginaram se nessas 5 rodadas o Jardine acerta esse time?Raí e Lugano têm que ser o escudo dele,ficarem atentos com o vestiário,se jogador não aceitar banco,tchau!
    Acredito que a espinha dorsal já temos,nos resta crer e confiar no trabalho que o Raí vem desenvolvendo,não é do dia pra noite que ele vai consertar tanta cag**a que foi feita.

  10. Nao e do dia para noite que se aprende a contratar, as vezes nunca se aprende, quando alguem contrata um jogador porque ele e indicaçao de outro e piada, Em fim entra ano e sai ano,e nossa diretoria continua
    a mesma bosta.

Deixe uma resposta