São Paulo tem boliviano na mira de seleção e encantado com Reinaldo

Você sabia que o São Paulo tem um jogador na mira da seleção boliviana e que sonha em disputar a Copa América de 2019? Não, nenhum brasileiro do elenco está pensando em se naturalizar. Estamos falando de Raul Medeiros Gutierrez, de 20 anos, natural de Santa Cruz de la Sierra e contratado pelo Tricolor para período de experiência, até o fim desta temporada.

Raul chegou ao clube em agosto, no maior feito de sua curta carreira. Revelado pelo Universitário de Sucre, ele estava no modesto Independiente Petrolero quando seu empresário contou sobre a chance de defender o São Paulo. A ficha não caía e o medo de ver o sonho não ser concretizado o impediu de contar para amigos o que estava acontecendo. Voou para o Brasil sem que quase ninguém soubesse. “Eu fiquei assistindo aos jogos do São Paulo na Copa Sul-Americana já sabendo do que poderia acontecer, impressionado com Nenê, com Reinaldo. Mas não contava para ninguém. Só para minha família A imprensa boliviana só soube quando cheguei”, confessa o jovem, que participou nesta terça-feira de um treino com o elenco profissional no CT da Barra Funda.

Mas a realidade de Raul é completamente distinta do glamour do time principal, do técnico Diego Aguirre. O Tricolor o contratou para a equipe sub-23, que disputa o Brasileirão de Aspirantes. E o boliviano não tem conseguido encontrar espaço por lá, até porque precisou aprender a jogar como volante depois de ter crescido atuando mais avançado, como meia-atacante.

“Estou me adaptando. Nunca fui volante. E não estou jogando muito. Gostaria de poder mostrar mais, até porque a seleção principal da Bolívia tem me observado, conversa com meu empresário. Só que eu precisaria jogar. Mas quem sabe. Eles estão esperando relatórios do São Paulo, para saber de minha força, velocidade. Eu só quero jogar e deixo isso com eles. Imagina jogar a Copa América no Brasil?”, fala, empolgado.

Sem jogar nem pelo sub-20, nem no sub-23, passou a ser convocado para treinos com o profissional quando Aguirre precisasse repor desfalques. Era a chance de Raul mostrar que o sonho de estar no São Paulo era real. Mas ele custava a conseguir uma foto de um treinamento, como aconteceu nesta terça. Ele estava ávido, vagando por todos os cantos do CT, para encontrar uma imagem de sua conquista.

“Aqui é muito grande. Cotia já, mas aqui é muito bonito. É um clube enorme, que sempre teve jogadores importantes que eu admirava quando pequeno, como Ganso, Lucas. Agora estou aqui, muito feliz”, constata, enquanto parece fotografar as instalações são-paulinas para nunca mais esquecer.

UOL

8 comentários

  1. E complicado o cara veio como meia atacante jogar no SPFC Sub23 mas o técnico coloca o cara pra jogar como volante, ai dispensa o cara por que não serve.
    Ai o cara vai jogar em outro clube na posição de origem que é meia atacante é o mulek arrebenta no outro clube.

    • Arrumei, mas vc que tem que entrar com o nickname correto, não acha?

      Fora que cada hora entra com um diferente… deletei os outros e veja se não muda mais…

  2. Tem algo estranho com a base … formando principalmente goleiros e zagueiros. Vejo os jogos do sub 20 e 23 … quase todos do meio pra frente sem habilidade, dificuldades no um-contra-um, etc.

    Ou então estão muito focados em títulos títulos na baaaase. A base tem q focar na formação tbm. Esses títulos todos da base serve como vitrine para o mercado EXTERNO ao SPFC.

    Por isso essas improvisações …

    Ademais da base tem sair jogadores mais cascudos.

  3. Nos ultimos 20 anos, o melhor jogador boliviano foi Marcelo Moreno, que só nasceu lá e foi criado toda vida no Brasil, e era um atacante nota 6….Trazer um cara desse beira a insanidade, a Bolivia não revela ninguem que presta futebolisticamente.

Deixe uma resposta