Aguirre tem sua pior fase no São Paulo; melhora precisa ser imediata

O técnico Diego Aguirre vive seu pior momento no comando do São Paulo. Depois de perder para o Palmeiras na noite do último sábado, o comandante viu o rival abrir quatro pontos na briga pelo título do Campeonato Brasileiro e, ainda por cima, chegou ao seu quarto jogo seguido sem vitória na temporada. Com isto, o uruguaio igualou sua maior sequência negativa desde que chegou ao clube do Morumbi, em abril deste ano. Agora, resta ao Tricolor correr atrás de seus adversários para recuperar os pontos perdidos.

Logo no início de seu trabalho, dos dias 19 de abril a 4 de maio, Aguirre ficou quatro jogos sem comemorar nem uma vitória sequer. Naquela ocasião, foram quatro empates: Atlético-PR (2 a 2, pela Copa do Brasil), Ceará (0 a 0), Fluminense (1 a 1) e Atlético-MG (2 a 2). Estes três últimos pelo Brasileirão. Naquela ocasião, porém, o time ainda estava em estágio de formação e, embora os resultados, não tenham sido os melhores para o Tricolor, a postura combativa da equipe foi elogiada nos bastidores do Morumbi.

Agora, no entanto, a situação é diferente. Depois de ser o melhor do primeiro turno do Campeonato Brasileiro, o São Paulo caiu de rendimento. Nos últimos quatro jogos, os tricolores somaram três empates: Santos (0 a 0), América-MG (1 a 1) e Botafogo (2 a 2). Além destes resultados, o time foi derrotado, em casa e apoiado por quase 60 mil torcedores, para o Palmeiras, por 2 a 0. Em aproveitamento, representa o pior momento de Aguirre no clube, com 25% dos pontos ganhos.

A situação se torna mais preocupante quando contextualizada. Atualmente, o Tricolor tem apenas mais dez jogos em 2018 para tentar resgatar sua credibilidade perante os torcedores e, principalmente, demonstrar força na briga pelo título do Brasileirão – taça que o Tricolor não conquista desde 2008. O próximo jogo, no domingo, contra o Internacional, vale muito para o São Paulo. Afinal, os colorados somam 53 pontos e são os vice-líderes, enquanto os paulistas têm 52 e ocupam o quarto lugar.

L!

14 comentários

  1. Será se o garoto foguete num poderia ter uma chance no time de cima, cara vem fazendo um brasileiro de aspirantes muito tanto no apoio, com na defesa que nem é o seu forte. E vejo o aguirre improvisar tanto e me pergunto: será se algum desses meninos num tem bola pra jogar de titular, dando a devida confiança a eles e os respaldando?? . É duro ver tanta improvisação sem necessidade tendo opções melhores com essa molecada ai. Acooodaa senhor improviso, para de ser covarde!!!!

    • Me perdoe, caro Sillas, mas, em pleno 2018, jogador com “imensos” 1m e 60cm de altura, não pode, sequer, fazer parte do elenco de qualquer time profissional… Baixinho, para se impor, tem que ser “o” jogador… CRAQUE… Como o foram Maradona, Zico (que fez tratamento para crescer – lembremos), Romário, e o é, guardadas as proporções, o Messi (não tão baixo)… O resto… O resto é “o resto”… Que o diga o Scolari, com o seu “Alegria nas Pernas”, by 2014… Com todo o respeito, a você e ao mesmo, não sei o que o SP viu no tal de Foguete, e, muito menos, o que este ainda está fazendo por lá… Abraço!… SMILE TADEU.

      • Caro Smile Tadeu, eu já discordo um pouco (mais respeito sua opinião) acho que por causa de altura se excluir qualquer que seja o jogador, só por ele não ser excepcional é um pouco de exagero. Até porque jogadores excepcionais aparecem de tempos em tempos, como esses que você citou. Acredito que oportunidades poderiam ser dada sim não só a ele foguete(que tem velocidade, tem bom passe e sabe cruzar e recompor bem), mais a outros que já até treinam no time de cima como o caíque que também vejo com potencial de virar um bom jogador. Mais isso só veríamos se essas oportunidades fossem dadas, coisa que não vem mais acontecendo.

        • Caro Allan, bom dia!… Com relação a Caíque, Igor Gomes, Brenner, e até à uma maior continuidade do Shaylon no time (apesar de características distintas, o julgo capaz de ser o “10” que o time precisa – e que o Nenê não possui mais condições de sê-lo, devido à idade), compactuo com o seu posicionamento… Com relação aos “baixinhos”… O futebol mudou muito… Contato corpo a corpo o tempo todo, divididas (“rabos de arraia”), muita velocidade, esforço físico, “quem pode mais, chora menos”… Em épocas passadas tivemos muitos baixinhos bons de bola, que se impunham pelo bom futebol, mas o jogo era outro, com muito mais espaço, e sem tanto contato físico… Hoje, para se destacar, tem que ser, sim, no mínimo, acima da média… Ou verdadeiros craques, como os por mim citados, mais Iniesta, e outros menos votados, tais como o Artur, do Barça, o qual, creio, possa vir a ser… Abraço!… SMILE TADEU.

  2. A situação do SP é preocupante… Como na fábula, à meia-noite o feitiço seria desfeito, a carroça voltaria a ser abóbora, os cavalos voltariam a serem gansos (ironia… he, he…), e assim por diante… Só que o campeonato tem o seu término previsto para as 02h00 do dia seguinte… Ocorreram as badaladas, o encanto se foi… Metáforas à parte, é isso… Mais preocupante ainda é ver o Raí, vindo a público (como é sua obrigação), e, tentando “explicar o inexplicável”, dizer que foi um ‘escorregão’, que têm-se que ‘lamber as feridas’, trabalhar muito durante a semana, rever o que se estaria fazendo de errado, levantar a cabeça, e ir ‘pra cima do Inter’, pois o elenco do SP “é ótimo”, e não há o que explique esse grau de performance e qualidade, apresentados pelo time, neste segundo turno… Epa!!!… ‘Peraí’!!… Ou ele está só “esfumaçando”, ou teremos, pela frente, um 2019, como o foram, os últimos oito anos, pelo menos… Coincidência, ou não, os oito anos que representam a “era Rodrigo Caio”. no clube… Em pleno mês de outubro, o campeonato já tendo ido “pras cucuias”, internamente, a direção (leia-se Raí & Cia. Bela), já tem que estar, em paralelo ao ‘esforço concentrado’, para, pelo menos, o clube se classificar à Libertadores do ano que vem (muito incerto, a esta altura…), planejando o que será a próxima temporada… Quem será o nosso técnico?!… Queremos continuar jogando como se 1 x 0 fosse “goleada”?!… Sem triangulações, jogadas em profundidade, compactação, “passes para gols” (não cruzamentos do tipo ‘seja o que Deus quiser’…), da linha de fundo, e etc?!… Lembremos: um dos gols mais bonitos, por ter sido trabalhado, do SP, no atual Brasileirão, foi o feito contra a Chape, do Shaylon, escorando um cruzamento (um passe…) vindo da linha de fundo, após linda troca de passes, no lado esquerdo de nosso ataque… É àquilo que me refiro… Futebol bem jogado… Não esse “bumba-meu-boi” que vemos, nos jogos do time, jogo sim, jogo também… O Aguirre seria o técnico ideal para fazer o SP “jogar bola”???… Tenho sérias dúvidas… Talvez o Ceni?!… Idem… Será que o “estágio” deste, na Série B, o credenciaria para tal empreita?!… “Luxa”, para se recuperar, como o fez o Felipão, no Palmeiras?!… Ou o Jardine, ex-base, para apostar em algo já para 2020, fazendo de 2019 uma espécie de “laboratório”?!… E, escolhido o técnico… “Sem ovos de boa qualidade, não se faz omeletes saborosos”, já diria Otto Glória, técnico da Lusa, em meados da década de 70… Os nossos “ovos” são ‘sofríveis’… Iguais àqueles que são vendidos, em nossas portas, diariamente, ao preço de “30 ovos por R$10,00″… E, pior: pagamos pelo menos R$10.000,00 por esses “trinta ovos” que estão em nosso ‘balaio’… Valha-nos Deus!!!… SMILE TADEU.

Deixe uma resposta