Raí cerca “novo Kaká” do São Paulo com dicas sobre responsabilidade

Na última terça-feira, o São Paulo fechou a renovação contratual de Igor Gomes até 2023. O meia, que na base sempre foi comparado a Kaká e diz gostar dessa pressão, tem recebido atenção especial do diretor-executivo Raí. O ídolo fala sobre a responsabilidade que o garoto pode enfrentar pela comparação na mudança da base para o profissional. Também aproveita para dar dicas, lembrando que jogava na mesma posição de Igor e gostava de arrancar e usar o corpo como o jovem de 19 anos. Os conselhos que mais atraíram Igor envolviam a importância de se apresentar para controlar o ritmo do jogo.
UOL

13 comentários

    • Essa comparações só atrapalha. O moleque nem chegou no profissional e já carrega um peso nas costas. Pra virar um Kaká falta muito, mas muito mesmo. pra começar não vai poder sentir o peso do profissional. Vejo muito garoto arrebentar na base e no profissional não consegue manter a mesma pegada. Qualidade é importante mas personalidade e confiança é fundamental.

      • Tenho um parceiro que jogou com o SM no Santo André a alguns anos atrás. Ele contou que tanto nos treinos quanto nos jogos o cara era monstro tecnicamente, mas que a preguiça o impedia de ser alguém de verdade no futebol.

        • Pois é. Talento faz parte, mas não é o fator mais importante pra alguém dar certo no futebol. Duro é ensinar isso pro moleque de 20 anos que já ganha uma fortuna e que tem empresário falando que ele é o novo Pelé.

  1. O São Paulo voltando a ser São Paulo.
    Como era feito antes.
    No ano 2000 revelava o Simplicio.
    Em 2001 o Julio Batista, o Kaka.
    Em 2002 o Gabriel, Marco Antonio.
    Em 2003 o Tardelli, Kleber, Fabio Santos.
    Em 2004 o Renan, o Alê, o Edcarlos.
    Em 2005 o Denilson, o Hernanes.
    No Mundial de 2005 foram o Renan, Alê, Edcarlos e Fabio Santos.
    A geração de um ano juntava com a de outro.
    Por exemplo, Gabriel, Simplicio, Kaka e Julio Batista estavam naquele timaço de 2002.
    Simplicio, Fabio Santos, Gabriel, estavam na Libertadores de 2004.
    Renan, Alê, Fabio Santos, Tardelli, Marco Antonio estavam na Libertadores de 2005.

    O São Paulo tem bons jogadores técnico: Nenê, Jucilei, Hudson, Everton, Bruno Peres, Rojas, Diego Souza.
    Se manter a base.
    Levar na Florida Cup e inscrever no Paulista de 2019 o Igor Gomes, o Brenner, o Toró, o Rodrigo Freitas, o Pedro Bortoluzzo e o Helinho, pode sair algo interessante para 2019.

  2. Voltando ao post anterior.
    Eu não tiraria o Hudson do meio campo de jeito nenhum, ele está jogando demais por ali, prefiro não mudar o que está dando certo.

  3. Lembram da historia do Kaka? Sua tragetoria?
    Conversando com a psicologa do SP ela disse q ele nao estava telacionado no time base do sp q viajou
    O tricolor principal tinha a final do rio sao paulo… ligaram e disseram… manda o kaka mesmo. Precisamos de alguem aqui
    Ele estava no CT conversando com ela nesse momento
    Kaka era muitoooo aplicado. Coisa q SM nunca foi
    No banco de reservas ganhou a posicao depois de uma contusao do titular se nao me engano
    Entrou no jogo e acabou com o jogo

    Desde entao surgiu Kaka 🙂

    O que vale é 70% de personalidade em um craque e nap se arrebenta apenas na base ne

    Saudações!!!

Deixe uma resposta