Aguirre e Muricy: conversas e contato entre treinadores aceleram sucesso no São Paulo

Se você vê semelhanças entre o São Paulo de Diego Aguirre e os times do Tricolor comandados por Muricy Ramalho neste século, você não está sozinho. O próprio clube tem reparado – e celebrado – na forma como o uruguaio resgatou princípios e métodos de uma era vitoriosa no Tricolor. E o melhor disso, na cabeça dos dirigentes, é que não se trata de uma mera coincidência.

Tudo começou quando Aguirre, no início de sua trajetória como treinador no Morumbi, convidou Muricy para jantar. Em uma longa conversa, o atual comandante quis saber das peculiaridades do funcionamento do São Paulo. Do comportamento da torcida à influência de dirigentes, da estrutura às impressões sobre o elenco.

O clube não esteve por trás do encontro, idealizado apenas por Aguirre. Uma atitude que misturou humildade, para ouvir um ícone da história tricolor, mas também perspicácia. O uruguaio sabe que Muricy foi o último técnico a prosperar no São Paulo e que uma aproximação com a que se desenrolou poderia ajudá-lo a encontrar uma fórmula – ou pelo menos elementos dela – para reerguer a equipe.

Os dois passaram a conversar com frequência, e Muricy se sentiu extremamente respeitado e respaldado com a aproximação. No ano passado, já havia feito algo semelhante com Dorival Júnior, com a diferença de que ambos já eram amigos de longa data. O movimento de Aguirre é que chama atenção neste momento. E a ajuda só não é maior porque Muricy ainda tem suas obrigações como comentarista do SporTV.

A sensação no São Paulo é que Aguirre pôde potencializar algumas de suas características que já coincidiam com as que eram apresentadas nos trabalhos de Muricy. Isso passa pela dedicação à defesa nos primeiros jogos, quando foi preciso paciência diante das críticas pela falta de poderio ofensivo.

Aguirre conseguiu colocar em prática planos que nunca saíram do papel nos últimos anos no Tricolor. Ter um time aguerrido – e só isso – já havia sido alcançado por Edgardo Bauza em 2016. No mesmo ano, Ricardo Gomes arrumou o sistema defensivo, mas não foi além. O cobertor andava curto. Agora, o equilíbrio está mais próximo. Basta ver que a equipe não sofreu gols em 12 dos 27 jogos com Aguirre.

As semelhanças com os times de Muricy chegam ao desempenho do São Paulo como visitante. Ganhar fora de casa no Campeonato Brasileiro se tornou uma tarefa quase impossível para o clube, tanto é que o aproveitamento atual é o maior desde 2007 (55,5% contra 61,4%), quando Muricy levou o time ao pentacampeonato da Série A. Os números de agora podem melhorar ainda mais neste domingo, às 16h, no confronto com o Sport, no Recife, pela 18ª rodada do Brasileirão.

No geral de uma temporada, o desempenho longe do Morumbi é o maior em quatro anos: 46,9% de 2018 – contando Dorival e o interino André Jardine – contra 50% de 2014. E quem era o técnico na campanha do vice-campeonato? Muricy Ramalho, mais uma vez.

Ter equipes organizadas e aguerridas passou a ser uma obsessão dos torcedores do São Paulo diante dos recentes fracassos do clube, quase sempre agravados por derrotas sem o menor sinal de reação para grandes rivais. Um sentimento que atropela até mesmo o histórico de futebol bem jogado e ofensivo como no “Rolo Compressor” da década de 1940, nos “Menudos” da década de 1980 e, claro, no esquadrão de Telê Santana nos anos 1990.

Essa mudança de rota tem relação com o espírito do elenco campeão da Libertadores e do Mundial em 2005. Ali, apesar de jogadores de técnica conduzirem a equipe no ataque, a imagem que sobrevive é a do “time de guerreiros”. Muricy chegou na sequência para alimentar esse estilo batalhador, que na base do “aqui é trabalho, meu filho!” foi tricampeão brasileiro depois de buscar 11 pontos de diferença para o Grêmio em 2008.

Essas duas formas de ver e montar um São Paulo vencedor passam por Muricy. O hoje comentarista, afinal, foi criado na década de 1970 em um grupo que aliava luta e técnica, com Pedro Rocha, Pablo Forlán e Serginho Chulapa. Depois, como auxiliar, viveu os espetáculos de Telê de perto. Poucos, então, conhecem as formas de prosperar no clube como ele.

Em meio ao jejum de dez anos sem um título nacional, calejado pelas apostas de jogo ofensivo que não vingaram, como Juan Carlos Osorio e Rogério Ceni, Aguirre optou pelo caminho que estava mais a seu alcance. Neste contexto, encontrou em Muricy um bom conselheiro.

UOL

28 comentários

  1. Que ótimo abrir o blog é só ler boas notícias, nem parece o mesmo blog e o mesmo clube que pena a no ano passado, que este bom astral se mantenha sempre!!!!

  2. Gosto de um futebol bem jogado mas hoje que time que joga assim? O Aguirre conseguiu ajustar um time que começou errado com o Dorival em pouco tempo e isso sim é muito mérito dele. Espero que o time mantenha a mesma pegada pra levantar o caneco ao final do ano e acabar com essa seca de títulos!

  3. E ainda tem uns malucos insistindo que o Tromba que Eu Caio é o nosso melhor zagueiro. Se ele jogasse 5% que esses malucos insistem em dizer, estaria a anos de titular no Real Madrid. Mas entra e sai janela essa zica continua. Temos 3 bons zagueiros e mais 2 promissores na base.
    Querem ele até no lugar do Jucilei kkkk
    Não fará falta alguma se for negociado.

    • Acho o Jucilei um volante limitado. A carreira dele fala por si só. Lento nas coberturas, lento na saida bola e de nenhuma chegada no ataque. Na minha opinião, e banco do Hudson e também seria do Rodrigo Caio. Assim como muitos dizem que o time melhorou com a ausência do Rodrigo Caio, podemos dizer o mesmo da ausência do Jucilei. Somente um ponto divergente do seu. Paciência, hj com 25 anos Rodrigo Caio ja tem uma carreira muito mais relevante, em termos de titulos, e convocacoes a selecao do que Jucilei com mais de 30.

      • Também acho que se o Rodrigo Caio jogasse de primeiro volante, como foi no Torneio de Toulon, e chamou a atenção de vários clubes Europeus, ele seria titular absoluto e com possibilidade de convocações para a Seleção. Sua qualidade na saída de bola e transição defesa ataque, me deixa a questionar, que é um desperdício ele ficar na ultima linha de defesa.

    • Rodrigo Caio é um profissional exemplar e duvido muito que não aceite banco e comece a tumultuar ambiente por conta disso. Acho que ele nunca se escalou e se todo técnico o colocava como titular é porque qualidade ele tem. Até o dito “melhor técnico da atualidade” (Tite) o convocou para a seleção por ter visto algo nele, não? Eu acho questionável dizer que é o melhor zagueiro que temos porque Arboleda e Anderson Martins vem jogando em um nível muito alto e para comparar precisaríamos ver o RC em sua grande fase no mesmo momento. Mas discordo veementemente de quem o coloca sendo pior tecnicamente até do que Bruno Alves, ou seja, nem 8 e nem 80.
      Se RC não tivesse surgido no SP, o clube teria os mesmos fracassos desta última década. Colocar as derrotas na conta dele é maucaratismo ou burrice. Mas quem acredita em mística dizendo que RC é “a cara da derrota” aqui vai um dado para seu lado austral:
      2010 – campeão da copa SP (sub20)
      2012 – campeão da Sul-Americana
      2014 – campeão do Torneio de Toullon
      2016 – campeão Olímpico
      2018 – ….

      • 2010 ele não fazia parte do time ou era reserva do reserva. Pode conferir.
        2012 reserva.

        Só títulos em seleções de base portanto, no São Paulo ainda não mostrou que é esse jogador campeão todo não. Desde que começou a ser titular incontestável ganhamos algum título com ele? Melhor momento dele foi em 2016 a partir da chegada do Maicon na zaga, fora isso o que vimos de extraordinário por parte do Rodrigo Caio? Ou é culpa só do Lucão? É muita coincidência ou perseguição por parte da torcida?

        • Sem querer cair em polêmica, mas um cara que foi titular do SP tantos anos ser comparado ao Lucao também não da né. Gostaria que Rodrigo Caio ficasse e nos ajudasse dentro de campo. Apesar da grande campanha, nosso time ainda tem pontos falhos e elenco curto, ele pode nos ajudar.

          • João, eu não comparo o futebol do Lucão com o Rodrigo Caio, estou expondo que o Rodrigo Caio falha e deixa a desejar jogando como zagueiro. O Lucão falhou muito sim, mas parte da torcida jogou a culpa só pra ele sendo que quem era mais experiente e rodado no time de cima era o Rodrigo Caio. Nunca que daria certo uma zaga com os 2.

        • Por isso que eu falei de mística. Ele tem o título no currículo assim como tem derrotas na sua história sem ter culpa disso. O problema é colocar responsabilidade em um cara quando o esporte é coletivo.

  4. Muricy esse eterno mal reconhecido.

    Sou da época que falavam que a estrutura dava os títulos brasileiros. Qualquer cone que colocassem ganharia titulos. Era a turma do Leco que execrava e torcida ia atras, com veemência.

  5. Acho importante a humildade do Aguirre de realmente escutar à todos: Raí, Lugano. Ricardo Rocha, Jardine, jogadores e ex-treinadores. Mas em uma matéria como essa, é importante não confundir as coisas e não começar a especular achando que Muricy é quem está comandando e Aguirre só executando.

  6. Aguirre demonstra ser uma pessoa inteligente e sensata e essa matéria pode ser um plus disso, ate porque se não tivéssemos nessa situação não teríamos essa publicação…. Interessante a mídia falando do SPFC reativo, dando prazo de validade para isso tudo pôr que o Flamengo não estar tendendo o que a mídia espera, isso me deixa muito feliz em ver esse chilique todo rsrsrs…Ate aqui Aguirre, Comissão e Diretoria estão sintonizados e trilhando um caminho muito promissor para o tricolor… Na boa, se continuarmos dessa forma teremos um novo triênio de sucesso investindo pouco e vendo Palmeiras, galinhas, flamidia gastando em novos Vitinhos e continuando no quase…. Repito o que ja disse varias vezes, Aguirre não é meu técnico ideal, porem merece respeito e admiração.

  7. Rodrigo Caio nunca foi o nosso melhor zagueiro. Nunca.

    Hoje eu não vejo a menor possibilidade desse cidadão sequer ser reserva. Acho que só deveria ser relacionado em caso de lesão ou suspensão dos outros , que são muito,mas muito superiores à ele.

    Essa soberba de ficar recusando proposta, recusando a jogar em outras posições e etc, cobrou caro.

    Ta desacreditado, desprestigiado e desvalorizado, num mercado aonde até o Trellez desperta interesse.

    Eu, particularmente, não gostaria de vê-lo no time novamente. Não adianta, falhou em todos os momentos decisivos do clube. Todos.

    Torço para que consiga ser o tal zagueiro diferenciado que tanto falam, em outro canto. Não aqui.

    Aqui já deu.

    • Já discordei diversas vezes de vc em outras ocasiões mas concordo com relação ao Rodrigo Caio…rs.

      Melhor seria ter sido negociado quando teve chance, hoje vai ter que provar que é esse zagueiraço que muitos daqui falam e arrebentar em todos os jogos até pq os 3 atuais zagueiros do time estão numa fase muito boa.

  8. Não vejo semelhanças entre os técnicos. Muricy usava muito um pivô como centroavante, jogava com três zagueiros e retrancava o time mais do que devia.. Perdeu dezenas de mata-mata e se dava bem nos pontos corridos. Teve um timaço nas mãos em 2006 mas não soube vencer a Libertadores.

Deixe uma resposta