Hoje o time de Santa Fé se apresenta no Morumbi, “El mítico” Morumbi, com essa magia que os santafesinos estão tratando o jogo de logo mais.

Mas não é para menos, o Colón é um estranho em Copas, mesmo que em território argentino seja figura constante na elite.

Os “Sabeleros”, como são chamados os torcedores do Colón (referência a um peixe muito comum da região), estão extasiados com a chance de encarar o São Paulo.

Seria uma espécie de resgate de um passado onde o time vermelho e preto de santa fé encarou olhos nos olhos o Santos de Pelé, o poderoso Peñarol também dos anos 60 e o Millonários de Bogotá. Nesse época, todos esses foram derrotados em terras argentinas, o que acabou rendendo o apelido de “Cementerio de los Elefantes” à cancha do Colón.

O jogo da volta promete ser quente… Mesmo não sendo “Copero”, o Colón tem uma torcida apaixonada e deve lotar o estádio.

Mas o passado não joga e o presente é o que vale… Sendo assim, vamos ao time para logo mais!

Burián no gol; Toledo, Ortiz, Godoy, Escobar; Bernardi, Bastia, Fritzler, Estigarribia; Alan Ruiz e Correa.

Destaques para os dois homens de frente da área (Bastia e Fritzler), veteranos e pegadores, Alan Ruiz (ex-Grêmio), que tem picos de grande jogador, e o centroavante Javier Correa, que gosta do gol.

Uma baixa para os argentinos é a saída do seu ex capitão, o jovem Germán Conti, que foi vendido para o Benfica e deixou a zaga do Sabalero.

Essa semana chegou a ser anunciada a contratação do chileno Maurício Pinilla, mas o jogador desistiu da transferência e agora brigará na justiça por sua liberação.

Lembrando que a temporada argentina ainda não começou e falta um pouco de ritmo aos argentinos, mas sobra “ilusão” e “ganas” para enfrenta o tricolor paulista em São Paulo.

Muito prazer, eu sou o Colón