Aguirre exalta elenco do São Paulo: “Fizeram uma grande história

O técnico Diego Aguirre deixou a Arena da Baixada bastante satisfeito com a atuação do São Paulo na histórica vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-PR, em duelo que abriu a 11ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o triunfo, além de ter retornado ao G4 da competição, o Tricolor pôs fim ao tabu de jamais ter vencido na Arena da Baixada, onde havia perdido 13 vezes e empatado outras cinco desde a inauguração do estádio, em 1999.

“Estou feliz porque o São Paulo ganhou fora de casa. Não presto muita atenção nas estatísticas ou na história, mas é verdade que muitos craques que vestiram a camisa do São Paulo não conseguiram ganhar aqui. Então, quero exaltar os jogadores que estiveram em campo, porque fizeram uma grande história, um grande jogo”, celebrou o treinador.

Com o triunfo, obtido graças a gol de pênalti de Nenê, o Tricolor chegou aos 20 pontos e assumiu provisoriamente a vice-liderança do torneio nacional. Mas, de acordo com Aguirre, não há uma meta de pontos estipulada a ser atingida antes da pausa para a Copa do Mundo.

“Não faço um planejamento de pontos. Tento pensar somente no jogo seguinte. Ganhar em casa é mais do que uma obrigação, mas tivemos empates no Morumbi, então tivemos a obrigação de somar pontos fora, como foi contra o América-MG e Atlético-PR. O time mostrou personalidade e organização tática, que foi a base da vitória”, parabenizou.

Nesta tarde, uruguaio surpreendeu novamente ao escalar Araruna entre os titulares. De acordo com o uruguaio, o jovem meio-campista cumpriu uma função importante na estratégia tricolor para surpreender os paranaenses.

“Fico feliz por ele. Sei que talvez não agrade a todos, que não gostam muito dele, mas fez um jogo perfeito. Cumpriu uma função importante. Talvez não se destaque na hora de concluir o jogo, mas ajudou muito. É bom dar oportunidade aos meninos e aos jogadores que estão trabalhando por uma chance”, avaliou, admitindo ter se aproveitado do momento de instabilidade do rival, que ocupa a zona de rebaixamento.

“Prefiro jogar contra um time pressionado. Por um lado, tem uma dificuldade, mas com o passar dos minutos o time sente a pressão e comete erros, o que aconteceu”, disse, referindo-se à saída de bola errada que culminou no pênalti sofrido por Everton e convertido por Nenê. “A torcida joga contra o próprio time”, concluiu.

Antes de sair para a ‘intertemporada’, portanto, o São Paulo enfrentará o Vitória, na próxima terça-feira, às 21h30 (de Brasília), no Morumbi. A preparação para este último compromisso antes do Mundial da Rússia começará na manhã deste domingo, no CT da Barra Funda.

GE

22 comentários

    • Quebrou nada! Sidão continua passando insegurança e falhando (só que nem sempre se transforma em gols). E como o Nenê bate mal pênaltis… ainda vai nos prejudicar num jogo grande. A duas última entraram por puro acaso…

      Fom foommmmmm

      • Isso não e ser corneta, é ser realista.

        O que chateia a gente é você entrar no blog pra “torcer junto” e ver os comentários na hora do jogo e ver a galera falando: “técnico covarde, desse jeito não vamos ganhar”, “Quero apoiar, mas com essa escalação não dá”

        Quem vê a revolta da galera parece que o Araruna colocou o Messi no banco para o jogo, mas não, estão bravos por que queriam o Liziero hahahaha

  1. Precisamos muito ganhar o próximo. Teremos 23 pontos em 12 rodadas, muito próximo da média de 2 pontos por jogo q é a média necessária para campeões brasileiros….

    Sim, é ano de reconstrução e o título pode não vir, mas temos q sempre almejar isso… 😀

  2. Tipo do jogo que da moral! Eu não vi uma grande partida técnica do time mas foi fantástica tecnicamente. Alguns jogadores como o Reynaldo e Sidão não tem nível para jogar no São Paulo mas hoje todos estão de parabéns!!

  3. Nenê é nosso Hernanes versão 2018.

    Tem classe, é fominha no bom sentido, raçudo, se incomoda em sair e em perder, é o retrato do torcedor em campo.

    E parabéns ao Hudson, tomou conta do meio campo.

    Se conseguirmos fazer um bom mercado, nos livrando dos inúteis e com contratacoes pontuais, podemos almejar voos ainda maiores.

  4. Time conseguiu uma vitória que ninguém acreditava possível, estão de parabéns, se não são um primor técnico em contrapartida dedicação física e tática é excepcional.

  5. Contando com o jogo de hoje, contra o paraná, o flamengo fez 5 de 6 jogos no Rio de Janeiro… Fazia tempo que eu ñ via uma tabela ão escandalosamente favorável pra um time brasileiro.

  6. Particularmente fiquei muito feliz com a quebra do tabu. Mas a bem da verdade o Atlético PR é um time bem mediano. Nunca entendi o porque desse tabu, confesso que esperava ter quebrado bem antes. Pra mim é a birra do Petraglia de não poder mandar jogo na arena da baixada na final da libertadores de 2005, que deu gás pra uma rivalidade sem tamanho contra o São Paulo. Todo mundo ganha lá!

    Houve um tempo que o Atlético PR chegou a ser um time de destaque nacional, vencendo o Brasileirão de 2001, sendo vice da libertadores de 2005, revelando bons jogadores e mostrando boa estrutura (isso até hj).

    Mas de um tempo pra cá tem frequentado bastante a segundona e até mesmo o último time que fez grandes campanhas em 2013 (vice da Copa do Brasil e G4 do Brasileirão), nem o presidente botava fé e afirmava que montou um time “pra ficar entre os 10 e não cair”.

    • Acho o atl-pr um time pequeno rs…chorão…a cara do seu maior dirigente. O sp nunca ganhou lá pq de fato nunca teve esta ambição. O detalhe é que em 2005 acho que apesar da regra dos 40000 torcedores e tralala da conmebol, o jogo poderia ter sido lá. Era o estádio mais moderno do brasa na época, além de que acho que não mudaria em nada pra agente. Nosso time estava muito encaixado.

      Agora a próxima arena a derrubar é a dos gambás..a dos porcos só ano que vem :p

      Abs!

Deixe uma resposta