Renovar para vender vira solução para o São Paulo no “caso Militão”

“Está difícil, mas ainda é bem possível”. Assim o diretor-executivo de futebol do São Paulo, Raí, define a negociação para renovar com Militão. Mas não pense que essa esperança passa por ver o defensor jogando por mais anos pelo Tricolor. O clube paulista entende que a manobra possível para o momento é estender o vínculo do garoto para vendê-lo em sequência.

Isso tem uma explicação. Sair do São Paulo para a Europa é um objetivo claro para o atleta e, acima de tudo, seus representantes. Ulisses Jorge é seu empresário principal, com Giuliano Bertolucci ativo no trato da carreira do jogador de 20 anos. Houve um momento em que se acreditou em uma ruptura entre os agentes, mas o Tricolor já não crê nesse cenário.

E se não há perspectivas de contar com Militão esportivamente, a diretoria tenta uma cartada final para poder vê-lo render financeiramente. É possível oferecer um alto salário para negociá-lo rapidamente e ainda aumentar o repasse para o estafe do atleta. A ideia é não ficar de mãos vazias depois de tanto investir e apostar em um talento que passou por todas as categorias da seleção brasileira.

Curiosamente, Ulisses Jorge também é empresário de Helinho e, ao contrário do que acontece no “caso Militão”, houve um desfecho rápido para o meia-atacante renovar até 2022. Mas as conversas, apesar de velozes, também tiveram seus percalços. Isso marcou renovações anteriores do próprio Militão durante os tempos de Cotia. Até o momento, o São Paulo não recebeu nenhuma proposta pelo zagueiro, volante e lateral-direito. O Porto, de Portugal, tratou direto com os representantes do jogador, ainda em janeiro, para cogitar levá-lo no próximo ano. O Manchester City é outro que tem a promessa tricolor no radar, mas com a intenção de contratá-lo imediatamente, o que poderia implicar em algum ressarcimento para o time brasileiro.

Outros podem sair

Sobre Militão, Raí se limitou a falar a frase que abre esta reportagem. O dirigente, entretanto, tentou explicar as situações de Marcos Guilherme e Rodrigo Caio. O primeiro tinha acordo verbal para ficar até dezembro no São Paulo, mas o Atlético-PR recuou e quer o pagamento de multa para que ele fique no Morumbi. O valor seria de 3 milhões de euros, por 50% dos direitos econômicos. A indefinição tem tirado o jogador do sério.

“O Marcos Guilherme, a gente compreende a situação, que tinha ido emprestado para fora, voltou emprestado aqui, tinha um acordo até o final do ano, mas contratualmente já disse para ele há algumas semanas atrás que o que tem de contrato é realmente final de junho, mas que a gente está fazendo todos os esforços para tentar estender, ver alguma maneira, ter um valor para aquisição, que foi definido bastante alto, então, a gente vai tentar negociar e ver uma maneira, ter um valor para aquisição, que foi definido bastante alto, então, a gente vai tentar negociar e ver uma maneira de definir a situação dele”, ponderou Raí.

Já Rodrigo Caio afirmou à ESPN Brasil que a hora de sair do Tricolor está próxima. Raí entende o momento do zagueiro, que concorre a uma vaga na Copa do Mundo: “O Rodrigo Caio é um jogador que tem uma história aqui que tem de ser respeitada, a gente sabe do amor que ele tem pelo São Paulo. Se tiver alguma proposta e houver o desejo, é claro que a gente vai estudar, ele está se manifestando, mas se isso também não acontecer, ele sabe que a importância que o São Paulo tem e o que ele se dedica ao São Paulo, não vai ter nenhum problema, caso ele continue. Mas, é um jogador de nível de Seleção, está há muitas temporadas como titular do São Paulo, natural que surjam oportunidades e a gente vai estudar, ele está se manifestando, mas se isso também não acontecer, ele sabe que a importância que o São Paulo tem e o que ele se dedica ao São Paulo, não vai ter nenhum problema, caso ele continue. Mas, é um jogador de nível de Seleção, está há muitas temporadas como titular do São Paulo, natural que surjam oportunidades e a gente vai estudar junto”.

UOL

26 comentários

  1. Detalhe q o SPFC tem 100% dos Direitos sobre o Militão, e chances quase zero de renovar….mas quem sabe oferecer 20% desses direitos !!!

  2. Pois é, ter 100% dos direitos hoje em dia é detalhe mesmo….que se resolvam logo e vendam de uma vez. Uma coisa é certa, o Régis de lateral não dá, os melhores momentos dele foram no apoio usando a velocidade. Pra ser lateral term que marcar

  3. Sobre o jogo de ontem ainda, faz tempo que não reclamo de juiz, mas o de ontem ó… ´aquelas pequenas coisas que passam despercebido, quantas inversões de laterais, quanta faltas por trás dos jogadores do Rosario e nada.. até o Jucilei impedir um contra ataque, aí sai o primeiro cartão amarelo. Quantas faltas marcadas na intermediaria da grande areá do são paulo para cruzar a bola na área pro Rosário tentar um gol em bola parada…

    Fora que no momento da confusão, o jogador do Rosário meio que agride o quarto arbitro e leva um amarelo, Cueva leva um vermelho e Petros tbm… Menos mal que são esses dois jogadores. Mas e a estranha expulsão do Rodrigo Caio na Argentina? No fim de semana houve um lance parecido contra o Atlético MG e nem falta foi, a única diferença que o jogador não chegou a sangrar…

    E o pessoal reclama de Petros, Cueva, Aguirre, Rodrigo Caio (que fez uma falta danada sua qualidade na saída de bola, sobrecarregando o Jucilei, e facilitando o poder de marcação do meio de campo pelo Rosário)

  4. Com que time o Aguirre vai enfrentar o Bahia? Aposto que vai ser outro sufoco e , desta vez, voltaremos derrotados por 2 x 1. Fora Leco, Aguirre.

    • Eu acho que vai colocar o mesmo esquema e não vai perder do Bahia.

      Vai manter a invencibilidade. Jogo feio é verdade. Mas empatite foi campeão paulista, brasileiro, libertadores e mundial. Imagine a história se mudassem técnico pos Tolima ?

      • Vitrine e segurança em caso de contusão.

        Luisão foi vendido para a Alemanha e fez menção de jogar até o último jogo antes do fim do contrato.

        No último jogo se contundiu seriamente e contratação dependia de exame médico e não foi concretizada. Os travecos que eram donos do passe não renovaram e o jogador ficou abandonado. Teve que fazer tratamento particular. Sem salario antigo e sem salario novo. Sonho da Europa não aconteceu nessa época.

        São Paulo era um dos poucos clubes que quando jogador contundia, renovava até o jogador se recuperar, além de terem equipe médica que cuidava bem da recuperação dando todo o apoio.

        Empresário faz jogo duro mas em caso de contusão séria duvido que banquem.
        E se tem contrato e for colocado para jogar tem que jogar.
        Embora essas coisas ocorram em treino.

        Um acordo agora seria o mais seguro.

  5. Não tem como fechar o elenco. Se saem RC, MG, Limitão e Cueva no meio do ano, SPFC vai ter que contratar. Não sei qual foi a contusão do Martins, mas ele joga uma e fica fora 3 ou 4. Enão, além de um lateral direito, vai precisar de mais uns 2 zagueiros, além de volante e atacante. 2018 continua sendo ano de reformulação.

  6. Esse é o caminho faz tempo. Todo mundo sabia.

    Se o Militão e seu estafe pensam que o problema é o bolso, são burros demais. Porque ganhariam muito mais com um percentual de venda e continuando no SP do que com luvas sem contrato.

    Ou acham que clube europeu vai vir pagando 50 milhões de luvas pra jogador brasileiro inexperiente??
    Bobos somos nós…

  7. O pessoal fala que se o Éder Gabriel Militão sair no final do contrato, ele teria direito a 100% da multa ou dos direitos econômicos. Mas será que vão oferecer 50 milhões só de luvas pro cara além dos salários?

  8. Se o Porto está tratando diretamente com os representantes do Militão e está todo mundo sabendo, por que o SP não aciona o time na FIFA por aliciamento? Não configura?

  9. Comentei nessa semana, muita coisa pode acontecer nesse caso.
    Mas a diretoria tem que ter em mente que vai precisar valorizar o jogador muito mais do que o especulado.

  10. Se o São Paulo olhar só para o seu umbigo perde o jogador.
    Vai ter que entender que vai ter que abrir mão de algo para não perder tudo, e parece que estão nesse caminho.
    Começo a achar que o maior problema vai ser salário.

    • Mas a partir de qual patamar salário seria um problema?
      Que renovem pagando 400 mil de salário, paciência. Vende daqui 7 meses e cobre a grana…
      Aliás, pagamos isso pra muita pereba já, só pra treinar inclusive.

  11. Compensar as luvas que o jogador ganharia com uma parte dos direitos é a parte fácil.
    Duro seria competir com uma oferta de, por exemplo, 150 mil euros

  12. O problema aqui é a mídia e a própria torcida.

    A falta de Cueva e Petros foram diferentes das que SÓ o Liziero sofreu no começo do jogo?

    Bateram logo no menino pra amedrontar e não receberam nem amarelo.

    Rodrigo Caio já foi expulso injustamente, mas era o Rodrigo Caio, né? A torcida já quer o coro dele, aproveita e cai na pilha. Assim como Cueva, Petros, Luis Fabiano, etc.

    O ruim disso é que um árbitro desse parece que sabe até pra quem faz.

    Fosse um Miranda ou Lugano, era capaz de dar rolo, mas ele faz para aqueles que a gente não morre de amores e a mídia aproveita para babar o dos gringos.

    Pode pegar e assistir o jogo de novo. Liziero levou várias faltas fortes, uma até no estilo da que o Petros fez e foi direto expulso.

    E sobre o Cueva, ele levantou o pé, mas recolheu. Dá pra ver.

    Sobre o Petros, foi por ruindade mesmo, assim como o gol que ele perdeu, óbvio que ele não quis perder.
    Na falta parece que ele tentou acertar a bola e não conseguiu.

    Nenê levou uma pancada maldosa que nem amarelo deram.

    Calleri lá na Bolívia apanhou sem fazer nada e foi expulso. Luis Fabiano só por falar pegou 4 jogos (e aí o Ademilson perdeu um caminhão de gols que LF não perderia no primeiro jogo contra o Atlético MG e o resto é história).

    Sempre roubam na caruda e não acontece nada. Porque a mídia e a torcida parecem querer dizer: “viu?! É ruim. tem que ir embora”.

Deixe uma resposta