Raí! Saudades de um meia assim…

Amigos tricolores

Um artigo tem como um objetivo expressar a opinião da pessoa que o escreve. Ele é publicado em algum veículo que tenha aderência ao assunto. Escrevo, também, sobre marketing digital, mas não nesse Blog, claro. Sou muito grato por esse quase 1 ano escrevendo para o blog que sempre me foi referência. O Zanquetta faz um trabalho brilhante, muito melhor que muito setorista de outros veículos de maior audiência.

Meus últimos 2 artigos, sobre Telê Santana e Muricy, tiveram ótimas repercussões, então, alinhei com o Zanquetta que vou soltar alguns artigos nessa linha mais histórica do nosso São Paulo. Nunca quis usar esse espaço para ficar promovendo o livro, por isso, sempre evitei um pouco falar do glorioso passado do São Paulo, minhas fontes – como varias vezes aqui disse – são as opiniões de torcedores, que trazia – e vou trazer ainda – para debates, sempre colocando a minha visão.

Meu coração é tricolor

Eu tenho 38 anos. Nasci São Paulino, herança do meu avô Severino, que passou para o meu pai, Mauro, que passou para mim, e claro, que passei para a minha filha. Na época dos “Menudos do Morumbi” – para mim, até hoje o melhor time que tivemos – eu era pequeno, torcia para o time que meu avô (falecido em 2014) e meu pai torcem! Minha mãe, bom, ninguém é perfeita, torce para o time da Lava Jato.

Eu já era um fã do São Paulo, vivia com o manto sagrado do time para tudo que é lugar, mas fui realmente entender o que era o São Paulo FC, um pouco mais velho, em 1989 naquela final do Paulista que ganhamos do São José. Ali, eu mudei de torço para o time do meu pai, para torço para o meu time, mudou apenas a percepção, mas não a paixão: São Paulo Futebol Clube!

Surge Raí

A introdução se deve ao fato de poder contar porque Raí, para mim, é o maior ídolo do São Paulo. As novas gerações elegem Rogério Ceni – com méritos – as mais antigas tem em Pedro Rocha, Roberto Dias, Leonidas da Silva, entre outros, como ídolos. Cada um teve seu momento, mas lembrando que ídolo vai além de craque levanta título. Foco nisso, pois hoje o Brasil está tão carente de ídolo, que qualquer “meia boca” vira rei no time ganhando 400, 500 mil reais.

Raí surgiu na época em que eu comecei a entender mais sobre futebol e o São Paulo FC. Ele foi o grande ídolo de uma geração. Eu vi Raí surgir no São Paulo, de irmão do Sócrates a comandante do São Paulo rumo a conquista do mundo! Era diferenciado, dentro e fora de campo.

Rei do Morumbi

Quando Raí chegou do Botafogo-SP, ele pouco foi utilizado, sendo emprestado para a Ponte Preta por um período. Raí era talentoso, mas ele tinha a sombra do irmão mais famoso – na época – e como ele, um grande craque do futebol, que quase jogou no São Paulo, mas infelizmente acabou indo para o lado negro do futebol. Seu jeito tímido impediu que ele explodisse no São Paulo logo que chegou. Sua passagem pela Ponte Preta foi curta, mas importante para ele amadurecer, porém, coube ao mestre Telê Santana dar o amadurecimento que o meia tanto precisava.

Raí, se tornaria em poucos anos o Rei do Morumbi, e por aquelas coincidências da vida, a virada de “irmão do Sócrates” para “Rei do Morumbi” se deu, em 1991, com 3 gols em uma final de Paulistão, em cima do time que o irmão era ídolo. E para dar inicio aquela goleada, Raí não fez um gol, ele fez uma pintura!

Daquele gol em diante, o São Paulo teria um camisa 10 a altura da sua história, algo que depois, foi muito raro acontecer. Leonardo, em 1993, o substituiu a altura, mas desde que Raí parou no futebol, passaram alguns que davam medo de ver com a camisa do São Paulo de tão ruins que eram! Um time que teve Sastre, Pedro Rocha, Zizinho, tinha que manter a altura, mesmo porque, Raí vinha para substituir Pita, um talentoso meia que fazia parte do melhor ataque que tivemos: Muller, Silas, Pita, Careca e Sidney!

Telê e Rai. Que dupla!

Por mais que pudesse parecer, Raí e Telê não eram grandes amigos, mas se respeitavam demais. Raí, me confidenciou em entrevista para o livro, que Telê o ajudou muito a ser quem era e quem é. Os conselhos do mestre até hoje moldam a forma dele viver. Raí, em campo, representava o que Telê queria: futebol bonito, para frente e sem firula. Raí era assim, não era um jogador que pegava na bola e driblava 4 ou 5, como Denilson por exemplo, mas tinha uma visão de campo, inteligência, bom passe e um poderoso chute. Dominava a bola como poucos, tratava dela “com carinho”. Um craque! O São Paulo teve duplas sensacionais como Oscar e Dario Pereira ou Muller e Careca, mas nenhuma foi tão vencedora como Raí e Telê. Saudades do eterno mestre.

Ídolo não foge

Telê chegou ao São Paulo em 1990, no final daquele ano. Deu tempo de pegar o São Paulo mal na tabela e colocar o time na final, mas infelizmente perdemos o título. Em 1991, veio Paulista e Brasileiro. No Brasileiro, Raí, não marcou o gol do titulo, coube a Mário Tilico o fazer, mas depois, Raí marcou os 3 gols da final do Paulista. Em 1992, um ano memorável, Raí marcou gols nas 3 principais finais, sendo que na Libertadores e Mundial, o São Paulo marcou 3 gols (1 na Libertadores e 2 no Mundial) e se lembra quem fez os 3 gols? Raí! Ele ainda deu um show na Espanha marcando gols contra Real Madrid e Barcelona onde o São Paulo fez “apenas” 4 gols, em cada um dos times, em suas casas. Ainda naquele ano, foi responsável por 3 dos 6 gols que o São Paulo marcou na Sociedade Esportiva Crefisa, na época, Parmalat, na final do Paulistão.

Em 1993, Raí marcou apenas 1 dos 5 gols do São Paulo na final da Libertadores. Logo na sequencia, ele foi embora para desfilar sua elegância no Paris Saint Germain. Em resumo, sempre que precisamos de Raí, lá estava ele, até, em 1998, quando ele voltou apenas para jogar um jogo, e marcou um dos 3 gols do São Paulo sobre sua principal vitima: o time da Lava Jato, fora o passe milimétrico que ele deu para o França fazer o 2o gol do tricolor. Sim, meus amigos, bons tempos…

Ídolos também erram

Raí perdeu 2 penaltis contra “Os Lava Jato” e isso marcou demais. Até hoje, tem torcedor desse time que ousa a tirar sarro do Raí por causa daquele jogo, se esquecendo de que o ex-meia marcou 4 gols em 2 finais contra eles. Pelé perdeu pênalti, Zetti tomou frango histórico, Michael Jordan já errou diversas cestas decisivas, Senna perdeu corridas por bobeira. Não há pessoas perfeitas, todos erram, mas é importante salientar que errando ou não, Raí jamais fugiu de campo, nunca se escondeu atrás de zagueiros e mesmo que tenha “apenas” 128 gols, sendo o 11o maior artilheiro do São Paulo, muitos desses 128 gols foram decisivos e nos deram títulos, por isso, um recado aos mais novos: Ídolo traz título, ídolo ganha jogo, ídolo não é aquele que faz uma jogada bonita e vira “gênio”.

Raí, o dirigente

Raí está preparado para trazer o São Paulo de volta a elite. A marca São Paulo é gigante, nenhum time ganhou mais títulos importantes do que nós – ao menos em campo – e isso faz o São Paulo enorme. A camisa do tricolor quando veste é algodão, quando enfrenta, é – ou deveria ser – chumbo!

Raí tem tudo para trazer de volta o São Paulo da sua época. Tem educação, é inteligente, foi o grande ídolo de uma geração. Campeão no Brasil e França e até dizer que ele é tri campeão mundial, já que ganhou jogando pelo São Paulo em 1992, pela Seleção Brasileira em 1994 e porque não lhe dar os créditos em 2005 que ele estava na comissão do Tri? Ele merece.

Raí, uma pena que a idade chega para todos e que você parou. Falta craques como você no São Paulo!

*Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Coordenador do MBA de Marketing Digital e do MBA de Gestão Estratégica de E-commerce da Faculdade Impacta de Tecnologia. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br – facebook.com/plannerfelipe e @plannerfelipe

 

 

62 comentários

    • Para dar essa nota, você deve ser alto executivo de alguma multinacional ou holding de empresas.

      Ou simplesmente um curicano qualquer….

        • Te desafio a encontrar um único comentário meu que detone o clube, ou qualquer ídolo, ou o time, ou qualquer assunto que se refira ao SPFC.

          Já que você tem tempo de sobra (afinal, as torcidas com maior índice de desempregados são Palmeiras 16% e Corinthians 15%), tem comentários desde 2010 que foi quando comecei a comentar aqui.

          Argumento pífio o seu.

  1. Rai ao meu ver jogava um futebol técnico e com simplicidade , movimentava muito bem e finalizava com perfeição , não precisava mais que um toque na bola pra fazer jogada , tipo de jogador que não existe mais , O Ceni foi mito , mais o Rai foi brilhante , dois mostro .

  2. Ele poderia ter feito 02 gols na final de 1990 e feito 01 só em 1991. Eram três gols em finais contra o TSC e com um título a mais pra gente e um a menos pra ele. Aí inverteria, o placar de 07 a 06 seria favorável a nós.

      • Naquele tempo era o Ronaldo no gol ainda. Esse fato que você citou foi o da semifinal do brasileirão de 1999, onde o Raí fez um golaço de fora da área, mas perdemos por 3×2.

        • Foi triste mesmo, o Rai parou por 2x no Dida, era para bater os penaltis alto…já que o goleiro era pegador de penaltis.

          • Discordo respeitosamente. Não foi triste, 1999 foi momento. Em 2000 meses depois o São Paulo passeou contra esse mesmo Corínthians na semi do paulista. E em 1998 Raí acabou com o Corínthians na final.

            Triste é hoje: só dá os caras! Toda decisão. Antes era pau a pau. 97 deu os caras no paulista por um empate. 98 fomos campeões, 1999 deu corínthians nas 2 semi, blz. 2000 São Paulo campeão Paulista.

  3. Raí como meia era diferenciado, conduzia o time com elegância e era decisivo pra nos dar alegria!, Raí como diretor compara-se ao Adalberto Baptista, não precisa ir além.

    • Não. Ainda não.

      Adalberto em pleno brasileiro inventou excursão caça níqueis que estourou time. Ao voltar ao Brasil time teve que jogar jogos adiados jogando 3 jogos por semana. Com isso chegou a cortejar a Z4 pela primeira vez em varios anos.

      Enquanto time cortejava a Z4 aqui e em crise ele disputava corridas de formula Porche na Europa.
      Para chegar a Adalberto Porche falta muito.

      Temos que ser justos mesno tendo raiva dos resultados.

  4. Sobre um post anterior, concordo com muitos que os problemas políticos do clube não são temas muito interessantes de debater, claro, se comparado ao desempenho do time em campo. Mas igual que outros, acho que tudo o que acontece em campo é reflexo direto das decisoes tomadas no terreno político/administrativo do clube. Muitos acordos que acontecem na moita, envolvendo negociaçoes de jogadores, e que na maioria dos casos desconhecemos, depende diretamente deles. Provavelmente, JJ e presidentes anteriores usavam dos mesmos artificios e, inclusive, tiveram algum ganho nada desportivo. Com o Aidar, as negociatas vieram a público, com os famosos 20%, Cinira, Jack, Maidana, etc. O Leco só segue a escola que aprendeu e os resultados são essas aberraçoes de negócios sem pé nem cabeça e a presença de jogadores com qualidades questionáveis no clube. A informação é o caminho para tomar decisoes. E a denúncia é uma maneira de pressionar quem decide. Fechado entre quatro paredes, sem ninguém para fiscalizar, continuará sendo um clube de amigos que compartilham os lucros. Ou os “inimigos” pensam no clube, denunciam e mudam as regras do jogo ou continuarão agindo como urubús, à espera da carniça.

    • É moleque, tá chateado por não render ainda, mas ele também tem que ter paciência. O erro foi subirem do sub-17 pro profissional simplesmente por uma matéria do Globoesporte mostrando seus números (ninguém em Barra Funda conhecia ele até entao). Se a diferença do profissional pro sub-20 é enorme, imagine do profissional pro sub-17…

    • Não concordo.

      Puxar garoto de 17 anos e deixar 2 a 3 anos treinando sem jogar é o problema.
      Moleque precisa jogar. Senao regride.
      Mas não da para ser titular no adulto.
      Aguirre chegou nos mata matas, só jogo decisivo. Não dava oara colocar nas costas do garoto nesse modelo de jogo fechado.

      Acho essa solução boa.
      Só não pode rebaixar. Mas precisa jogar.
      Vai levar de 2 a 3 anos oara se firmar.

  5. Raí como jogador: foi caro, não rendeu o esperado no início, time insistiu e teve retorno.

    Raí como diretor: em 4 meses já é o pior diretor do mundo.

    Torcida: não aprende nunca, não tem respeito com ídolos.

    Eu: também sou injusto às vezes, acho que o Raí errou em algumas coisas e acertou em outras, o que não quer dizer que ele não pode melhorar.

  6. Má fase de um clube não diminui crescimento de sua torcida, mas super exposição em boa fase faz aumentar. Flamengo e Corinthians tem a super exposição a seu favor.

    • A pesquisa da folha começou em 1993. Talvez alí dê para confirmar isso que você fala, principalmente, com respeito ao SPFC na década de 90.

  7. Do Raí ídolo, não tem discussão. Do Raí dirigente, podemos até questioná-lo pelas decisoes tomadas. Mas, em só quatro mes não dá para avaliar um projeto que tem um prazo mais longo.

  8. Boa tarde nação. Vejo alguns torcedores reclamando do Rai como diretor , não consigo ver o real motivo , pois ele esta no cargo a poucos meses e não tem qualquer culpa de estarmos tanto tempo sem ganhar titolos .Todos que chegam no São Paulo (inclusive jogadores da base ) tem que arrebentar em 15 dias caso contrário já começa a fritura .Temos que dar tempo para os profissionais trabalharem , jogadores , diretores , técnicos , não são maquinas .Trabalhar pressionado e dureza ..

  9. Por sorte o Leco não vai conseguir queimar os meus ídolos. Consigo critica-los ou elogia-los nessas novas funções sem me esquecer do quanto eles foram marcantes no SPFC quando eram jogadores.

    Vai uma sugestão para a diretoria que mandou o Brenner jogar com o sub20 pra pegar ritmo de jogo: Coloca o Diego Souza no time sub23 e faz jogar contra o sub20 pra pegar ritmo.

  10. Raí como diretor fatura, segundo alguns sites e blogs, 150 mil por mês. Já está na hora de mostrar serviço, novidades, avanços. Já são 750 mil de salários. Por enquanto é uma decepção total.

  11. Ainda sobre a pesquisa do Datafolha, encontrei alguns dados interessantes em outra página:

    Em 1983 (Gallup/Placa5)
    1º Flamengo (RJ) 31,9 %
    2º Corinthians (SP) 17,5 %
    3º Palmeiras (SP) 9,3 %
    Vasco (RJ) 9,3 %
    5º Santos (SP) 7,2 %
    Atlético (MG) 7,2 %
    7º São Paulo (SP) 6,2 %

    Em 1993 (Datafolha)
    1º Flamengo (RJ) 17 %
    2º Corinthians (SP) 10 %
    3º São Paulo (SP) 7 %
    4º Palmeiras (SP) 5 %
    5º Vasco (RJ) 4 %

    Em 2003 (Datafolha)
    1º Flamengo (RJ) 16 %
    2º Corinthians (SP) 13 %
    3º Palmeiras (SP) 7 %
    São Paulo (SP) 7 %
    5º Vasco (RJ) 5 %

    Em 2014 (Datafolha)
    1º Flamengo (RJ) 15,95 %
    2º Corinthians (SP) 13,75 %
    3º São Paulo (SP) 7,86 %
    4º Palmeiras (SP) 5,57 %
    5º Vasco (RJ) 4,46 %

    Fonte: https://www.rsssfbrasil.com/miscellaneous/torcidas.htm

    • Ok. Todos nós tricolores precisamos saber diferenciar o ídolo, do treinador, do diretor etc.
      Por mim tá encerrada essa discussão acima.

  12. Boa tarde

    Raí, o maior ídolo do tricolor junto com Tele.

    Como diretor:
    Pós 😁
    Teve coragem para assumir a pressão
    Trouxe Hudson de volta
    Trouxe Reinaldo ”
    Contratou Regis, Nenê, A. Martins
    Trouxe Everton
    Trouxe Valdivia
    Trouxe Carneiro
    Renovou Liziero, Perri, Helinho, Brenner
    Fixou Jardine ( não perdeu para outro time)
    Baixou ingressos, concerto o erro
    Não se esconde
    Trouxe Adidas
    Trouxe Jean * é jovem, promissor

    Contra 👎
    Trouxe Diego Souza muito caro
    Perderá Militao ( meia culpa)?

    🐒Na dúvida
    Trellez
    Aguirre

    * Se formos considerar que são apenas 3 meses de trabalho, está indo bem. Claro, tem erros… Mas qualquer um de nós erraria. Se permanecer acho que tem tudo para levantar nosso clube.

    • Militão não é culpa do Rai ou de qualquer outro dirigente. O jogador se uniu ao empresário para ganhar mais dinheiro. Viu que estava se destacando e resolveu não renovar para tentar ganhar luvas altas e um contrato em euros.

      DS na posição correta tem tudo para render. Povo imediatista demais. Coitado do Rai se tivesse chegado ao tricolor agora como jogador.

      Trellez ainda não se adaptou mas tem qualidades.

      Aguirre, retranqueiro demais (até medroso), mas muito superior a Dorival Júnior. Portanto, houve melhoria nesse ponto.

      • Notícias falam que ele pediu entre 300-350 mil pra renovar. Se isso for verdade, acho erro do Raí não pagar. Já pagamos muito mais por cada encosto. Ele tem futuro na seleção a nao ser q dê azar com lesões ou bote fogo na própria casa. Mas é tudo especulação…

        • Abre precedente ruim. Valorização na marra.

          Lullinha fez isso, conseguiu grande contrato oir 5 anos e virou mico.

          Valorização tem que acontecer quando deaempenho acontecer não na marra.
          Deveria ter gatilhos de aumentos vinculados a desempenho, convocações pata selecoes de base e principal. Tem que ter esses gatilhos e revisões.
          Avaliações e valorizacoes na frequência adequada.

      • Exato… não vai acertar sempre e não tem acerto 100%… e tem que ter paciência, pegou terra arrasada e está colocando nos eixos…

  13. Nosso elenco não é ótimo, mas bem superior ao do ano passado. É verdade que gastou, mas se tivesse ouvido Dorival imaginemos o time hoje:

    Gabigol – 7 milhões por empréstimo ;
    Robinho – 1 milhão mensal
    Copete
    * poderia estar pior;

    Contratar pode dar certo ou errado, temos os casos de : daiverson, capixaba(cor), Lucas Lima, traições,… Por aí vai

  14. Referente ao Raí ele teve erros e acertos, como qualquer outro teria. Futebol é complicado mesmo e não há 100% de acerto nunca.

    Raí não depende desse cargo, não depende desse salário e não precisava assumir um cargo difícil, numa gestão pífia e extremamente mal vista. Se ele se dispôs a ajudar, devemos ser gratos a ele, pq do jeito que estava é que o clube não ia mesmo pra frente.

    Deixa o cara trabalhar em paz.

  15. Se tivéssemos ido pra final do Paulista, passado do Atlético PR e liderassemos o BR com a vitoria contra o Fluminense, sera q iriam criticar o Rai?

    – Ele teve culpa de levar um gol aos 47 do segundo tempo?

    – Teve culpa do rapaz la do Fluminense empurrar o Arboleda aos 44 do segundo tempo?

    – Teve culpa do Liziero…. Liziero hein… Q todos gostamos… Ramelar 2 vezes contra o Atlético PR?

    Calma… Pouco mais de calma… Imputar ao Rai o fracasso de anos…é no mínimo injusto

  16. TRI! CÔ! VÔ! 🇾🇪

    @tricovo
    1h1 hour ago
    More
    Rumores que Trauco não deve seguir no Flamengo. Segundo Oswaldo Pascoal (Fox), lateral-esquerdo foi oferecido ao São Paulo, sem custo de transferência. Provável próximo clube do atleta deve apenas assumir com os salários.

Deixe uma resposta