Meia volta de empréstimo mas São Paulo irá liberá-lo

A passagem do meia Daniel pela Ponte Preta teve fim nesta segunda-feira (30). O jogador, que pertence ao São Paulo, não teve o vínculo com a Macaca estendido e foi devolvido ao Tricolor Paulista, de acordo com GloboEsporte.com. Mas o atleta não deve permanecer no Morumbi, como já havia adiantado seu empresário.

Daniel tinha contrato de empréstimo com a Ponte Preta até este dia 30 de abril. A Macaca não arcava com os salários do atleta e para ficar com o jogador até o fim do ano a equipe campineira teria que pagar o salário integral do meia, algo que não vai conseguir.

Com isso, Daniel, de 24 anos, está de volta ao São Paulo, mas já deve tomar novo rumo na carreira. Em entrevista recente ao Estadão, Fernando Almeida, empresário do meia, revelou propostas de equipes da Série A do Brasileirão.

“Ainda não conversamos com o São Paulo sobre uma renovação. A Ponte não vai conseguir pagar o salário integral agora para a Série B, que era o combinado caso eles quisessem ficar com o jogador. Então, ele retorna ao São Paulo depois do feriado, e vamos conversar com a diretoria para ver se será aproveitado ou vamos emprestá-lo. Alguns clubes já o procuraram, o Sport, o América-MG, então pode pintar algo nesse sentido”, disse o agente.

Daniel chegou ao São Paulo em 2014 e não conseguiu ter uma sequência no clube por ter convivido com diversas lesões que o atrapalharam. São 16 jogos pelo Tricolor em dois anos. Sem espaço na equipe paulista, o meia já havia sido emprestado em 2017 ao Coritiba.

Torcedores.com

17 comentários

  1. Foi muito bem no Botafogo.
    Sofreu uma lesão, veio ao SPFC e nunca mais conseguiu repetir as boas atuações do ex-time.
    Perdeu uma grande chance de gol em sua estreia. Se tivesse feito, talvez tudo tivesse sido diferente.
    Uma pena.

  2. O negócio é armar uma zaga com Arboleda, Bruno Alves e Anderson Martins. Coloca o Regis de ala e continua procurando o LD. O Limitão na reserva só pra compor elenco.

    • Concordo. Jogamos num 4-4-1-1 contra o Fluminense. Na primeira linha de 4 tinha Militao, Arboleda, B. Alves e Liziero e na segunda Regis, Petros, Jucilei e Everton. Pq não posicionar os 3 zagueiros que já estavam em campo como zagueiros e dar mais liberdade a Liziero e Everton?! O Régis teria que marcar um pouco mais, mas o nosso lado esquerdo que é infinitamente superior poderia jogar mais com Liziero, Everton e Nenê.

      Talvez se o B. Alves pudesse sair mais para cobrir o Liziero, que sofreu bastante pra marcar, sem deixar um buraco na zaga, sofrêssemos menos pressão por aquele lado, o garoto não levaria amarelo e teria que sair pra não ser expulso e talvez o Everton pudesse aparecer mais nos contra ataques.

      Não entendo. Vira e mexe os técnicos treinam os 3 zagueiros. Chega na hora H a gente tá com aquele linha de 4 torta com um zagueiro na direita e um lateral sofrendo na marcação na esquerda.

      • Então, existem alternativas. Assim, elimina a dependencia desse ou daquele jogador. O Cueva apenas compoe o elenco e o Militão iria pelo mesmo caminho. Só usa quando necessario.

  3. Esse tem que renovar por 05 anos, com salário de 500 mil e multa rescisória de 100 milhos grandes de Euros, rs.

  4. Bom jogador. Falta a ele força mental.
    Auto motivação.
    Quando entrou foi bem mas falta aquele algo mais de quem entra disposto a comer grama.
    Não sei se insegurança por conta da contusão quando jogador entra com medo de se confundir novamente e alivia.
    Meia tem que saber usar o corpo para não perder posse de bola. Meia que tem habilidade mas perde facilmente a bola quando acossado acaba esquentando banco.

Deixe uma resposta para FabioM Cancelar resposta