Aguirre valoriza ponto fora de casa e vê São Paulo com “cara boa”

O empate por 1 a 1 diante do Fluminense, cedido aos 43 minutos do segundo tempo da partida disputada no Maracanã, na tarde deste domingo, não foi ruim para o São Paulo. A avaliação é do técnico Diego Aguirre, para quem o time paulista está evoluindo na temporada.

“Independentemente do resultado, que tivemos muito perto de ganhar, tenho que ver o rendimento do time. E acho que foi bom. Estivemos muito perto de ganhar. Não deu, mas estamos encontrando um caminho, e o São Paulo mostrou uma cara boa”, analisou o treinador uruguaio, em entrevista coletiva.

Com o controle da partida, o São Paulo abriu o placar aos 23 minutos do primeiro tempo, quando Éder Militão marcou gol chorado após cobrança de escanteio. Na etapa complementar, depois de rápido contra-ataque, Everton acertou o travessão e quase confirmou o triunfo paulista.

O castigo veio aos 43 minutos. Após cruzamento pela direita, o centroavante Pedro, do Fluminense, ganhou de Arboleda no alto e testou forte, sem chances para Sidão, decretando o segundo empate consecutivo do São Paulo no Campeonato Brasileiro – a equipe vinha de um 0 a 0 com o Ceará, no último final de semana, em Fortaleza.

“Estivemos perto de fazer o segundo gol para matar o jogo. Faltou uma finalização no último metro. Mas o time mostrou um bom jogo. Gostaria de ter ganho, mas não é ruim ter empatado fora. No Brasileirão, aprendi que não é ruim empatar fora de casa”, resignou-se Aguirre.

Com o resultado, o São Paulo segue na parte intermediária da tabela, no sexto lugar, com cinco pontos ganhos, apenas dois a menos que o líder Flamengo. O próximo compromisso é o duelo com o Atlético-MG, no sábado (5), às 19 horas (de Brasília), no Morumbi, pela quarta rodada do Nacional.

“Sinto que o time vai tomando uma identidade e teremos que continuar assim porque o Brasileiro é muito longo, O começo não é ruim, ganhamos em casa e empatamos duas fora. Estou contente com a atitude dos jogadores, estão querendo ajudar sempre e vamos ver o que acontece nos próximos jogos”, concluiu Aguirre.

GE

Anúncios

33 comentários

  1. Aguirre pensa pequeno, medíocre. Raí inseguro, montou elenco caro e meia-boca.
    Estamos torrando uma fortuna pra comemorar vaga pra Sul-americana.
    Evolução: ano passado era “ time grande não cai”

  2. Pra esse SPFC “com identidade de retranqueiro” dar certo precisa ter um goleiro decente e um atacante preciso. Se as pouquíssimas oportunidades dependerem de Diego Souza e Trellez a situação vai ficar bem difícil. Lá atras a zaga vai precisar ser perfeita pra garantir que nenhuma bola seja chutada no gol pq se for, entra.

    • Volantes que saem pro jogo também… chega de Jucilei e Petros, nunca dão um chute pro gol, não ajuda construir uma jogada… assim fica difícil.

  3. Não consigo valorizar ponto fora de casa depois de estar com os 3 pontos na mão

    Além do mais é quase impossível o São paulo ganhar todas em casa

    sempre deixamos escapar pontos em casa por isso era fundamental a vitória contra o Ceará. Foram pontos jogados no lixo

  4. Prova da pequenez do Aguirre:
    Se tivéssemos ganho do fraquíssimo Ceará, poderíamos até perder do Fluminense q estaríamos com mais pontos.

  5. Essa mesma mentalidade q acha ótimo empate fora de casa contra qualquer time, é a mesma q vai achar normal empatar no Morumbi os clássicos, assim como os jogos contra Grêmio , Cruzeiro e Flamengo.
    Pensamento, planejamento, futebol e ambição de time médio.

    • Vejamos, faremos 19 jogos no Morumbi, se conseguirmos 15 vitórias e dois empates está lindo, podemos não ganhar 4 jogos em casa que ainda faremos 47 pontos.
      Fora de casa em 19 jogos se ganhar 5 e empatar 8, podemos ter 6 derrotas que ainda faremos 23 pontos
      Chegaremos a 70 pontos e ficaremos com ctza entre os 4.
      Acho possível ambicionar isso. E se depois da parada pra Copa o nosso desempenho em campo melhorar, podemos até sonhar em melhorar tambem esses números e qm sabe brigar pelo título.
      Mas o chato é que mesmo com o técnico chegando a pouco, pegado um time sem alma, sem vibração, no meio de várias decisões, o povo acha q ele é milagreiro e vai fazer o time voar, em meia dúzia de treino e mudando 2 ou 3 jogadores.
      Ele está certíssimo em fechar a casinha, pq a qualidade dos nossos avantes não é muita, se jogarmos abertos não é certeza de fazer gol, muito menos vários gols, e aumentariam as chances de sermos vazados e perder jogos.
      Com a casinha fechada, vamos ganhando confiança na nossa zaga e melhorando o entrosamento, e com a melhora da confiança podemos ir soltando o time afim de melhorar o espetáculo.
      Enfim, o caminho é bom, tomara q dê certo!

  6. Não entendo algumas ações do SP.
    Negociar Junior Tavares para deixar esse Edimar.
    Sidão no gol, não passa credibilidade alguma, já tá na hora de dar sequencia ao Jean.
    Meu time:

    Jean
    Régis-Arboleda-Anderson Martins-Reinaldo
    Lizieiro-Jucilei
    Nene
    Valdivia-Diego Souza-Everton

    Nesta formação estou prevendo as saídas de Cueva/Rodrigo Caio/Militão, que hoje não fazem diferença alguma para o time. E ainda teríamos, Carneiro/Lucas Fernandes/Petros/Trélez, boas opções para o segundo tempo.
    E acredito que essa “fase” do Diego Souza passe, é ele fazer um gol que deslanxa.

    • Gosto do que o Aguirre vem buscando, mas tiraria o Regis e colocaria o MG ou o Valdívia. Também usaria o DS como alternativa a Nenê, não ao Trellez.

      4231
      Militão, Arboleda, Bruno Alves, Liziero
      Juciliei, Petros (Reinaldo)
      MG (Valdívia), Nenê, Everton
      Trellez

      variando pra 361
      Militão, Arboleda, Bruno Alves
      Juciliei, Petros (Reinaldo), Liziero
      MG (Valdívia), Nenê, Everton
      Trellez

  7. Uma dúvida: se a postura e futebol é de time médio ou pequeno, por qual motivo investiram como ninguém na montagem do elenco?

  8. Estou gostando do SPFC do Aguirre.

    O caminho é esse fazer ganhar em casa e trazer ponto de fora.

    A defesa que há anos foi uma mãe para os adversários, hoje começa a se desenhar uma defesa sólida.

    É importante que o SPFC tenha uma defesa sólida.

    O ataque falta as peças certas talvez Carneiro de boa liga com Nenê e seja justamente o que falta pro SPFC conseguir os resultados.

    Se Militão sair Hudson com Régis a sua frente pode ser o caminho pela direita nas 2 linhas de 4 do Aguirre.

    Estamos no caminho certo!!

  9. Jogo dos travecos ate aqui já se passou um tempo e……..já deu pra perceber o método do Aguirre e a forma de jogar,substituir e todo tecnico é teimoso e não muda o estilo.Ou seja vamos ver esse “jogo bom” vai ser assim contra times melhores e jogando em casa que vai ter que propor o jogo.Vamos ver se a bola parada salva o time todos os jogos.Me lembra o time do Paton,inoperante ofensivamente ,marcava bem e tinha garra mas com uma diferenca ,aquele time tinha um craque de Lampejos que era o Ganso,esse time nem tem isso cheio de jogador mediano supetvalorizados e outros jogadores com problemas físicos.Vou aguardar os próximos jogos,pois a tabela dos rebaixados já passou.

    • Aguirre começou bem. Já ganhou um clássico complicado em casa, se continuar desse jeito, outros serão ganhos. Ganhar clássicos não é problema pra ele. A preocupação dele deve estar sendo, achar a melhor formação e entrosar o time.

  10. Mas não acredito que nossa proposta seja fazer um e se fechar, isso parece ser mais um questão da atitude da equipe mesmo, do momento do jogo e do clube.

    Estamos mudando um pouco nosso estilo de jogo, daquela troca de passes lenta e horizontal para buscar jogadas mais rápidas e verticais e isso leva tempo.

    Quando estiver mais aprimorado vamos parar de tomar sufoco.

  11. Esses pontos perdidos por escolhas erradas farão falta lá na frente, eu acho. Ceará e Fluminense eram jogos pra ganhar ou ganhar.

    Contra o primeiro quase perdemos (contra ataque do Felipe Azevedo no final do jogo) e contra o segundo nós fizemos o gol no começo e no segundo tempo tomamos um atraso com duas bolas na trave (certo que colocamos uma na trave do Flu tb) e o gol no fim do jogo.

    Queria ser mais otimista como alguns colegas aqui são, mas não vejo evolução no time nem defensiva, pois desde o Dorival tomávamos poucos gols, nem ofensiva, porque também com Dorival tínhamos a bola parada como principal fonte de gols.

  12. Esses empates aumentam a responsabilidade do time em casa. Pela lógica do bom resultado, a vitória é o único resultado esperado contra o galo. Mas a longo prazo na competição, o time vai aprender a jogar jogos como contra o fluminense e vencer. Vai ter que aprender a ganhar da Chapecoense no Morumbi, não perder fora de casa para os rivais, e superar outros tabus. Pelo menos é um caminho que talvez não agrade a muitos, mas é um caminho.

  13. A tigrada daqui que paga pau para o Tite é o mesmo que critica o Aguirre por adotar a mesma filosofia.

    O rei dos empates é adorado pelos gênios, mas o Aguirre não pode empatar fora de casa.

    Afinal, Tite é gênio e Aguirre não passa de um retranqueiro, não é verdade?

    A tigrada daqui precisa arrumar um emprego, ou uma mulher, ou ambos.

    Porque o futebol está fazendo mal para a cabeça de alguns.

    • Tite ta há quinze anos nesta brincadeira. Um monte de títulos no cv. Não da pra comparar ne. Talvez Aguirre consiga nos fazer vencedor de novo mas vai demorar um pouco.

  14. É o tipo de pensamento de treinador de time pequeno, e um dos meus medos no Aguirre, não é questão de jogar fora ou dentro de casa, pois é praticamente impossível ganhar todas em casa, vc tem que olhar jogo a jogo e o fato é, empatamos com um time que certamente vai brigar contra o rebaixamento e ontem não se pode deixar empatar um jogo como aquele, tem jogo que claramente da para ganhar, faz cera, faz catimba faz substituições no fim do jogo.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!