Conselho de Administração do São Paulo discute separar futebol do clube social

Conselho de Administração do São Paulo discute nesta segunda-feira um projeto que recomenda a separação do futebol da estrutura social do clube. A reunião desta noite é uma etapa importante de uma longa tramitação até que o plano seja de fato implantado – o que não deve acontecer antes do prazo de um ano.

O projeto em discussão prevê a criação de uma empresa para administrar time profissional, o estádio do Morumbi, centros de treinamento, categorias de base, patrocínios, licenciamento e tudo o que estiver relacionado a futebol. Essa empresa seria 100% controlada pelo São Paulo Futebol Clube.

Sempre que o futebol der lucro, uma parte dos valores será devolvido ao clube social. Quando houver prejuízo, a empresa vai absorvê-lo. A inspiração, ainda que com mudanças e adaptações ao Brasil, é o Bayern de Munique, que criou uma empresa para cuidar do futebol, mas com controle acionário do clube.

Essa empresa, ainda sem nome, deve ter um conselho de administração formado por nove pessoas – cinco delas indicadas pelo clube e outras quatro vindas do mercado, mas também aprovadas pelo clube.

Quem ocupar cargo diretivo no clube social não poderá ocupar cargos na empresa que cuidará do futebol. Esse conselho de administração nomearia o CEO da empresa e os diretores de cada uma das áreas.

A tramitação

O projeto, elaborado a partir de um estudo da consultoria Deloitte, já teve um parecer favorável do presidente do São Paulo, Carlos Augusto Barros e Silva. Hoje é o Conselho de Administração, formado por nove pessoas, que vai analisar o projeto. Depois disso, o texto ainda vai passar pelo Conselho Consultivo.

Essas três instâncias – presidente, Conselho de Administração e Conselho Consultivo – opinam sobre o projeto. Os três pareceres serão então enviados ao Conselho Deliberativo, órgão soberano do clube, que tem a prerrogativa de arquivar o projeto ou de colocá-lo em votação numa Assembleia Geral de Sócios.

Antes dessa votação, o presidente do clube precisa promover entre duas e quatro sessões explicativas, para que os sócios tenham mais conhecimento do projeto antes de decidir se o implementam ou se o rejeitam.

GE

26 comentários

  1. Se bem administrado pode dar certo.

    Aí é que esta a minha duvida. A administração dessa gestão está longe de dar certo em alguma coisa.

    Mas eu gosto de pensar positivo e acreditar sempre no melhor

  2. Sobre o Cueva ser vendido . mesmo com os erros dele eu lamento . uns dos poucos que sabe jogar . acho que não e o primeiro jogador a dar problema no futebol . na verdade acho os jogadores de hoje . Não quero ofender as mulheres e só uma maneira de falar . São umas moças perto das gerações do passado . acham que o Müller ou outros jogadores nunca deram problema pro Tele . o Muricy sempre fala que tem coisas no futebol que cansa . Não e chegar e treinar e ir pro jogo isso e prazeroso . mais administrar pessoas . manter foco e trabalhoso . nossa crise e administrativa e reflete por todas as áreas do clube . parecem querer arrumar a casa afastando o Diego Souza . barrando o Cueva no começa do ano . Então passa de um ponto que se a diretoria e treinador for mole perde totalmente o controle sobre o jogador toque aconteceu com vários jogadores . ai o cara não corresponde só resta vender . mais e lamentável . o jogador chega no são Paulo hoje não e mais aquele impacto . Para os caras cair na real e se enquadrar . espero que mudem isso . Toque atrapalha um pouco e o time ser fraco os treinadores ficam com medo de afastar jogador . mais o grande ganho de apostar na base e claro em jogador bom . e ganho em empenho e ambiente .

  3. Vamos ver como vai ser feita essa separação clube/futebol, ou vai dar muito certo e vai ser nossa retomada no caminho dos títulos (o que eu espero) ou vai dar muito errado…

  4. Quem tiver curiosidade, pesquise o que ocorre no Figueirense …, especificamente no que tange à relação entre futebol e grupos de investidores …, no exercício de controle.

    Qualquer semelhança não será mera coincidência.

    Abutres sendo abutres e ratos sendo ratos …, fazendo do SPFC um mero joguete.

  5. Nada vindo desse bando de vermes pode parecer boa ideia… quando será que os verdadeiros São paulinos poderão guiar os rumos do nosso querido clube?

  6. A ideia é boa, as condições para colocá-la em prática são obscuras!
    Já q será uma empresa, pq não totalmente desvinculada do social?
    Não sei se a longo prazo seria o ideal, mas essa “empresa” poderia até ser gerida por um Sheik, como acontece na Inglaterra. Arrendariamos a “empresa” por 15 anos, com a obrigatoriedade do investidor de modernizar o Morumbi e investir “x” milhões no time. O lucro com jogadores contratados seria de 85% do investidor e 15% seria fundo da empresa, jogador da base o percentual se inverteria.
    Sairiamos desses 15 anos com estádio novo e um bom dinheiro pra investir novamente.

  7. Já to até prevendo as brigas internas pra ver quem será um dos 9 integrantes, para assumir um dos cargos nessa empresa, quando chegar a hora, vai ser uma fofocaiada na mídia, um querendo puxar o tapete do outro, só pra ter mais mamata e comi$$ão, para o bando da naftalina

    Se futebol hoje já é secundário para eles, imagina na hora que essa empresa for criada com o intuito de dar lucro, temo pelo pior para o SPFC na mão dessa gente, eles não conseguem nem cumprir o atual estatuto direito, descumprem na cara dura, e os responsáveis que deveriam cobrar pela profissionalização se fazem de cegos.

    Se o SPFC já é um balcão de negócios sendo amador, imagina quando virar profissional e cair em mãos erradas de pessoas que só visam o lucro, aqui não é Europa, aqui é América do Sul, somos meros exportadores de matéria prima, nesse caso, humana.

  8. Sei la Só Acho que tem torcedor que questiona demais algumas situações do clube. chega ser interessante, pois eu chego a pensar que essa pessoa que questiona tanto, tem algum conhecimento do que esta de fato acontecendo la dentro. Eu posso ate estar errado, mas eu Torço pro São paulo Fc , aquele que entra em campo de quarta e domingo, Não me preocupo com questões internas, até pq eu não vou poder fazer nada mesmo

    • Só isso? E aquele que entra de quinta e sábado ou até mesmo segunda feira, como é que fica, rs?

      Também acho que não vale a pena se apegar aos detalhes de bastidores, como quem é o empresário de jogador, quanta comissão foi gerada. O pessoal se incomoda com a presença de certos empresários, mas quem entra em campo são os atletas. Se eles forem bem, que mal tem? Se o Bertolucci trazer o CR7 e o Messi, alguém vai reclamar?

      • Só ficamos nos apegando a esses assuntos porque estamos nessa seca de títulos,se estivéssemos ganhando tudo como já ganhamos,ninguém estaria dando tanta ênfase a esse assunto,até porque pouco ou nada podemos fazer em relação a isso.

  9. Sem maiores informações não dá para ter uma opinião. Aguardo análise de alguém com conhecimento técnico desse modelo e sem partidarismo.

    • Só pela formatação do negócio já dá para ter uma idéia.
      100% controlada pelo clube, com 5 dos 9 membros do conselho vindos do clube, e os outros 4 de foea mas escolhidos pelo clube. Mais ou menos como o nosso atual conselho de administração.
      Ou seja, continua tudo nas mãos desses que estão aí.
      se abrirem para fora, profissionalizando de fato, eu acredito, mas desse jeito, tendo o nosso sistema político viciado e falido como lastro e base, é uma tragédia anunciada.

      • Exatamente. O “novo estatuto” foi um ótimo modelo pra todo mundo entender como será essa “empresa’. No final, quem fizer parte do esquema será situação e os que forem excluídos (mas que queriam ser escolhidos) serão oposição.

        • Simples assim.
          A nova “empresa” continuará servindo como ferramenta de negociações políticas.
          Toma lá da cá.
          O que precisa mudar é o SPFC, não exatamente o futebol. Uma é consequência da outra.

  10. Enquanto esse presidente estiver no SPFC, tudo que se faça para mim será pautado na politica, nos interesses dele e de terceiros e na suspeita. O item “pensar no SPFC” vai passar longe dessas reuniões.

  11. entendi…. então será oficial uma empresa que visa lucro através do futebol, dahora heim.

    só terá mais espaços para nego pilantra que vai ter cargo/função subjetiva com mega salario e que caga para o futebol.

    eu sou leigo no tema mas tanto se fala em clube e futebol… como se o “clube” spfc tivesse alguma relevância fora do futebol… como se alguém se importasse com algo fora do futebol…

    se esse é o caminho esse spfc que já foi tão glorioso e respeitado caminha para a extinção virando apenas um lugar de negócios.

Deixe uma resposta