Amigos tricolores

Frequentemente, graças a essa época de má fase do São Paulo, uma época que espero ser bem passageira e que já esteja no final, sou questionado, sobre como seria atuação do mestre Telê Santana no São Paulo atual.

Escrever um livro, sobre o mestre no S√£o Paulo entre os anos de 1990 e 1996, foi sem d√ļvida, um dos maiores prazeres que eu tive na minha carreira. N√£o sou um escritor profissional, j√° escrevi livros sobre marketing digital, que √© a minha profiss√£o, sobre o S√£o Paulo √© a minha paix√£o.

Imortalizar o grande mestre nas p√°ginas do livro

(ao Mestre com Carinho. O S√£o Paulo FC da era Tel√™ – Editora Inova) foi sem d√ļvida um grande presente que recebi de alguma for√ßa divina, talvez at√© do pr√≥prio mestre, pois quando comecei a escrever, em 2011, ele j√° n√£o estava mais entre n√≥s, pois faleceu em 2006.

A primeira pergunta que eu respondo, sobre o que Tel√™ Santana faria se estivesse no S√£o Paulo atual √© que hoje ele nem viria para o S√£o Paulo. Tele estava cansado do futebol principalmente da imprensa esportiva, que tanto o criticava e o chamava de “p√© frio” uma vez que ele foi o treinador nas Copas de 1982 e 1986 e mesmo com time recheado de craques como Zico, S√≥crates, Falc√£o, Cerezo, Muller, Careca, J√ļnior n√£o conseguiu trazer as Ta√ßas para o Brasil, mas essa fama era injusta, uma vez que Tel√™ foi campe√£o em praticamente quase todos os times que ele passou. E vale lembrar, que Tel√™ Santana s√≥ treinou times grandes como: Fluminense, Atl√©tico Mineiro, Gr√™mio, Flamengo, Palmeiras e S√£o Paulo. Saiu do S√£o Paulo em janeiro de 1996, s√≥ treinou o time por 15 dias e em apenas um jogo. Ele tentou um retorno ao Palmeiras, por√©m ficou apenas dois dias e a sua sa√ļde o tirou do futebol.

Telê quase não treinou o SPFC!

Como estava dizendo, Telê Santana realmente quase não veio para o São Paulo pois graças às críticas da imprensa ele estava de saco cheio do futebol, então quando me perguntam como seria Telê Santana no São Paulo hoje, eu já digo que ele nem viria, pois se ele já estava de saco cheio do futebol naquela época imagina hoje com as Redes Sociais e o quanto a torcida do São Paulo é cada vez mais crítica, por exemplo, me lembro de alguns torcedores reclamando que o Raí nada havia feito em menos de uma semana de trabalho do nosso novo diretor de futebol. Em 1994, depois de perder a Libertadores, a torcida pediu Luxembrugo no Morumbi. Isso mesmo, meses depois do Bi Mundial, a torcida pediu Luxembrugo no lugar de Telê!!!! Por mais que Luxa fosse um grande técnico na época.

Mas se por acaso Tel√™ estivesse hoje no S√£o Paulo, com certeza jogadores descompromissados nem estariam treinando. Esses jogadores que chamamos de ‚Äúmimimi‚ÄĚ, passariam a quil√īmetros de dist√Ęncia do CT da Barra Funda. Jogadores sem talento e sem garra, jamais estariam nos no elenco do S√£o Paulo. Tele n√£o trabalhava apenas com jogadores talentosos, ele transformava jogadores em atletas que tinham vontade de vencer prova disso √© Ronald√£o, um limitado lateral-esquerdo que se tornou zagueiro de Copa do Mundo.

Jogadores mimados!

Hoje, o que vemos s√£o jogadores que n√£o tem a menor vontade e muito menos uma mente campe√£. A √ļnica coisa que os preocupa √© o seu sal√°rio no banco. Passam horas fazendo tatuagem, escolhendo carro, saindo com todas as mulheres poss√≠veis, fazendo cortes diferentes no cabelo, colorindo e descolorindo, em lojas escolhendo roupa de marca, √≥culos de marca, perfumes, n√£o saem de Twitter e Instagram, mas n√£o passam um minuto a mais no treino para aprimorar um chute um drible um dom√≠nio. Esse tipo de jogador, com Tel√™ Santana n√£o jogaria, entretanto, √© o tipo do jogador brasileiro, hoje dificilmente voc√™ v√™ um jogador que n√£o passa por essas caracter√≠sticas.

Tel√™ Santana trabalharia muito para aprimorar os jogadores, mas que com essa gera√ß√£o, derrubaram o t√©cnico em menos de um m√™s, pois esses jogadores, dessa nova gera√ß√£o o que muitos chamam da ‚Äúgera√ß√£o perdida‚ÄĚ n√£o podem ouvir n√£o ou cr√≠ticas, n√£o podem ser corrigidos ou ficam nervosos e abandonam, isso ocorre muito em faculdades e empresas.

No futebol é mais fácil fazer birra, pois o jogador nunca é culpado. Sempre é o técnico ou a diretoria. O jogador, que é quem entra em campo, erra passe, erra gol, não acerta um lançamento, não dá um drible, não acerta um cruzamento, falha na marcação, toma um gol bobo, uma bola defensável, mas as críticas vão para o técnico, que acaba pagando o pato de tudo, e o jogador se preocupa com duas coisas: salário e fama, e ao que parece, alguns só jogam futebol, pois é uma forma de aparecer na TV.

Futebol bonito sempre!

Tel√™ Santana jamais defenderia ou aprovaria o estilo de jogo que alguns times jogam hoje principalmente o nosso rival da Marginal sem n√ļmero: o futebol burocr√°tico, o futebol de 1X0, o futebol que prioriza a defesa. O jogo feio, com erros de passe inacredit√°veis, os jogadores que n√£o sabem dominar uma bola, mas possuem 38 tatuagens. Vale refor√ßar que n√£o tenho nada contra tatuagens, inclusive tenho uma, mas falar das tatuagens personifica o que hoje √© o jogador de futebol: muito mais vaidade do que talento, e talvez, a √ļltima fase de jogadores realmente talentosos no Brasil foi a fase em que Tel√™ Santana era o t√©cnico do S√£o Paulo, afinal, hoje n√£o temos Ra√≠, Muller, Djalminha, Alex, Edmundo vestindo a camisa de um grande time. Nosso √≠dolo, Neymar, sem d√ļvida √© um craque, e talvez at√© melhor do que os jogadores citados, mas dificilmente mais profissional, mas atleta, Neymar hoje, √© uma celebridade n√£o um jogador de futebol. Tel√™ jamais aprovaria algo assim.

Penso que se hoje Telê estivesse vivo, ele jamais seria técnico.

N√£o por falta de capacidade muito menos por estar desatualizado. Capacidade ele tinha de sobra, n√£o √© √† toa, e para muitos, inclusive para mim, foi o maior t√©cnico do pa√≠s e talvez um dos cinco maiores t√©cnicos da hist√≥ria do futebol mundial. Ele era um estudioso, n√£o tinha medo, poderia jogar contra qualquer time que n√£o tinha medo o time advers√°rio que se adaptar-se ao fim do seu time. Essa √© uma filosofia de Tel√™ Santana, modificada hoje para uma filosofia mais defensiva do que estudar o advers√°rio para como diz Muricy Ramalho agredir o advers√°rio, ir para cima, tentar o gol. Hoje, como Parreira disse, o gol √© um mero detalhe, ali√°s como disse Dorival J√ļnior, t√©cnico n√£o faz gol. Tel√™, talvez at√© concordasse que t√©cnico n√£o faz gol, mas √© ele que tem que armar o time, escolher as pe√ßas, armar jogadas e treinar a exaust√£o para que em campo o time fa√ßa gol.

Telê nos bastidores

Telê hoje seria um grande comentarista, conhecedora fundo do futebol, seria um comentarista odiado pelos técnicos, pois como foi o melhor, seria uma referência, como é atualmente, mesmo 12 anos após o seu falecimento, Telê ainda lembrado como um técnico diferenciado, que gostava do futebol bem jogado e bonito, para frente em direção ao gol. Diferente do que os técnicos de hoje em dia, preocupados em segurar o seu cargo, fazem com seus times. Telê seria um grande crítico desse futebol e talvez, se tivéssemos seguido a sua cartilha de bom futebol, o 7X1 não teria ocorrido.

O mestre hoje, não duraria em muitos times por muito tempo, graças aos jogadores cada vez mais mimado, dirigentes cada vez mais despreparados e torcedores cada vez mais críticos, usando as suas Redes Sociais como canal para desabafo, críticas e xingamento, o que na minha modesta opinião, de nada vai mudar, pois, os diretores e presidente dos times não leem esses comentários em Redes Sociais, grupos de WhatsApp ou blogs sobre o São Paulo.

Tel√™, se vivo estivesse, estaria nos bastidores do futebol. Tony Ramos, ao me ceder a entrevista para o livro, levantou essa bola, de que tele n√£o estaria mais no banco, n√£o teria mais est√īmago para treinar times, mas se n√£o fosse um dos grandes comentaristas do pa√≠s, em uma grande emissora, com certeza estaria como diretor de algum grande time, o que seria p√©ssimo para qualquer t√©cnico ter a sombra de Tel√™ Santana diariamente, mas para aqueles talentosos t√©cnicos, teria visto como uma escola, na qual eles poderiam aprender diariamente.

Telê comentando

Como sempre digo nas entrevistas ou quando me enviam mensagens pelo Facebook ou Twitter, eu n√£o acho que Tel√™ Santana conseguiria treinar os times de hoje gra√ßas ao a quantidade de jogadores mimados que temos, entretanto, com certeza o grande mestre ainda estaria nos ajudando, a resgatar o futebol brasileiro, defendendo o futebol arte com dribles, jogadas de p√© em p√©, jogadas ensaiadas e gols maravilhosos. O que temos hoje no futebol, √© um ‚Äúcatad√£o‚ÄĚ de jogadores mimados, que vestem camisas, que na d√©cada de 90, s√≥ as vestiriam se compraz em uma loja, que n√£o tem a menor condi√ß√£o de representar os grandes times, mas que por falta de talento l√° est√£o.

 

 

 

 

 

*Felipe Morais. Publicit√°rio, apaixonado pelo S√£o Paulo Futebol Clube. S√≥cio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inova√ß√£o. Coordenador do MBA de Marketing Digital e do MBA de Gest√£o Estrat√©gica de E-commerce da Faculdade Impacta de Tecnologia. Autor dos livros Planejamento Estrat√©gico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o S√£o Paulo FC da era Tel√™ (Ed Inova) ‚Äď www.livrotele.com.br – facebook.com/plannerfelipe e @plannerfelipe