Muda tudo de novo? São Paulo tem o que aproveitar de outra eliminação

Em menos de um ano, passando exatos 339 dias, o São Paulo voltou a ser eliminado pelo Corinthians em uma semifinal de Campeonato Paulista. Mas, desta vez, a aposta da diretoria é que a queda diante do arquirrival tem mais pontos a serem aproveitados do que no ano passado.

Na manhã desta sexta-feira, o Tricolor se reapresenta depois da derrota por 1 a 0 no tempo normal e por 5 a 4 nos pênaltis, em Itaquera, na noite de quarta-feira – a quinta-feira foi de folga. E o LANCE! indica pontos em que o técnico Diego Aguirre pode se apoiar visando o primeiro jogo da quarta fase da Copa do Brasil, contra o Atlético-PR, na próxima quarta-feira, em Curitiba (PR), e a sequência da temporada.

Continuidade do time

No jogo decisivo da semifinal em 2017, Rogério Ceni escalou o São Paulo com: Renan Ribeiro; Wesley, Maicon, Rodrigo Caio e Júnior Tavares; Jucilei e Thiago Mendes; Pratto, Cícero e Cueva; Chávez. Na última quarta-feira, Diego Aguirre apostou em: Sidão; Militão, Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Petros e Liziero; Marcos Guilherme, Nenê e Tréllez.

Apenas Jucilei aparece nos dois times. E uma das apostas da diretoria para a sequência da temporada é dar continuidade na escalação. Todo o trabalho nas manifestações depois da eliminação em Itaquera foi para evitar caça às bruxas e pressão por mudanças drásticas. Raí, diretor executivo de futebol, e Lugano, superintendente de relações institucionais, mostraram até otimismo depois de mais uma frustração em campo.

A sensação é de que Diego Aguirre, contratado há menos de um mês, desperta uma tolerância muito maior do que tinha Rogério Ceni há 11 meses. A presença de ídolos como Raí, Lugano e Ricardo Rocha, coordenador de futebol, também dão uma segurança maior do que Vinicius Pinotti, diretor executivo de futebol em 2017 e figura central do departamento, colocando-se frequentemente em atrito com o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva.

Calendário não permite perder o embalo
Em 2017, quando foi eliminado pelo Corinthians, no Paulista, o São Paulo tinha caído na Copa do Brasil quatro dias antes, para o Cruzeiro. Mas o time mostrou evolução nas partidas que culminaram nas quedas (vitória por 2 a 1 em Belo Horizonte e 1 a 1 em Itaquera).

O Tricolor, porém, ficou 18 dias sem jogar e a sensação foi de que aqueles lampejos de embalo se perderam, tanto que a equipe teve uma sofrível atuação no 1 a 1 diante do Defensa y Justicia, time argentino que fazia sua primeira partida oficial fora do país, no Morumbi, e culminou em uma vexatória eliminação logo na primeira fase da Copa Sul-Americana.

Os resultados aumentaram a pressão para o Campeonato Brasileiro, no qual o clube jogou apenas para evitar o rebaixamento. Mas, em 2018, já tem o jogo contra o Atlético-PR na quarta-feira, pela Copa do Brasil, e a ida da Sul-Americana diante do Rosario Central, na Argentina, na semana seguinte, emendando com o início do Brasileiro. A expectativa é de que a melhora recente se confirme nessa sequência de partidas, sem a parada de 2017.

Motivação da Copa do Mundo
Dois dos principais nomes do elenco terão neste resto de primeiro semestre partidas decisivas visando o sonho de disputar a Copa do Mundo: Rodrigo Caio e Cueva. Se o peruano está praticamente garantido, contanto que não arrume mais problemas no São Paulo, como já o avisou o técnico da seleção, o zagueiro precisa mostrar qualidade para ser chamado por Tite.

Existe até uma expectativa de que ambos sejam negociados às vésperas ou durante o Mundial da Rússia, principalmente Cueva. Mas, até lá, a Copa do Mundo é um atrativo para que ambos rendam o suficiente para o São Paulo iniciar bem o Campeonato Brasileiro e se manter vivo na Copa do Brasil.

Janela mais fechada
Apesar de já ter chegado sem conseguir segurar Hernanes, que voltou ao futebol chinês, e atendendo o pedido de Pratto para ser vendido ao River Plate, Raí traçou como um dos principais objetivos ao substituir Pinotti não vender tantos jogadores. E uma das apostas para um 2018 mais promissor é exatamente essa blindagem aos jogadores, principalmente os mais jovens.

Atualmente, um dos mais fortes rumores entre os conselheiros no Morumbi envolve Liziero, recém-promovido ao time principal e aos titulares e na mira do Bordeaux, da França. Mas, por enquanto, a sua situação do meio-campista é tida como controlada, sem grande temor de perdê-lo. Militão também desperta o interesse de grandes clubes europeus, e Júnior Tavares foi observado recentemente pelo Rennes, da França. A princípio, a ideia é manter todos.

Novo espírito
A tão citada nova postura do time em campo é, sem dúvida, o principal motivo do otimismo da diretoria. A sensação é de que Aguirre conseguiu colocar na cabeça dos jogadores o que considera fundamental em um time de futebol: competitividade, determinação e atitude. A missão do uruguaio é colocar esse espírito também em partidas que não são decisivas para um Campeonato Brasileiro mais tranquilo.

Reforços
?Apesar da insistente tentativa de dar força ao time, e da promessa de não repetir as seguidas reformulações no elenco feita sem 2017, a diretoria ainda promete reforços. Já chegou Régis, lateral que disputou o Campeonato Paulista pelo São Bento, e outros podem ser contratados, como admitiu Raí logo depois da derrota, na quarta-feira.

– É hora de pensar com calma. O importante é ter consciência de que saímos de uma temporada ruim, que o time teve um Campeonato Brasileiro muito abaixo do esperado, mostrou uma reação agora na segunda parte do Campeonato Paulista. É continuar nessa sequência e pensar com calma, analisar com a comissão técnica e a diretoria, juntos, para ver o que podemos fazer para incrementar essa equipe.

L!

24 comentários

    • Será que o mesmo time que vem jogando o estadual é o mesmo da copa do br?
      Eles não tem um esquema de usar outro elenco no estadual?

  1. São Paulo deveria traçar uma estratégia pros moleques da base e empresários, deveriam fechar com uns 5-10 empresários de confiança, que sejam minimamente éticos, e só aceitar que os moleques sejam empresariados por eles. Moleque não quer? Tchau… Poupa dor de cabeça lá na frente….

  2. Foi dito: “A sensação é de que Aguirre conseguiu colocar na cabeça dos jogadores o que considera fundamental em um time de futebol: competitividade, determinação e atitude.”

    Determinação, competitividade e atitude são elementos básicos. É o mínimo do mínimo.

    Se estão comemorando tais características, que sempre deveriam existir, é porque elas não haviam antes.

    E isso o quanto o tamanho do buraco no qual o SPFC estava afundado.

  3. A diferença para o ano passado é que o time foi eliminado jogando como bunda mole, bananas.

    RCaio bobão praticando fair play contra bandido.

    Pratique fair play contra traficante de morro no Rio pra ver se vc sobrevive na vida real.

    Trouxa. A semifinal deste ano mostrou quão trouxa é esse RCaio. Trouxa. Espírito de derrotado.

    Desse mata mata serviu pra separar joio do trigo, aqueles que têm sangue nos olhos e aqueles que são indiferentes, gente sem ambição na vida (DS)

    • Fagner jogou e ele ficou de fora.

      Acho q o Lugano explicou ao Aguirre o que aconteceu ano passado com o RCaio.

      Certeza que o Aguirre não quer jogador com esse tipo de mentalidade. No atributo moral, RCaio tem baixa pontuação. Fosse no Uruguai já teria sido dispensado nas categorias de base.

  4. Eh previsivel, desde a desclassificacao tem aparecido comentarios de neguinho que nunca deu as caras aqui, e NUNCA sao palavras de apoio.

    O oportunismo impera nessas horas.

  5. São Paulo deveria mandar seus diretores observarem o Fluminense. Garotos da base com multas altas e contratos longos e boas vendas.

  6. Boa tarde

    Pelo jeito Carneiro fechou. Apareceram alguns boatos sobre Willian, lateral que está na Alemanha.
    Depois está pedida do Nico Lopes pelo Aguirre.
    Será que poderemos ter um time forte para o brasileirao?

    O que vc acham desta troca Ds9 pelo Nico Lopes?

      • Kaka era experiente, multo campeão, tem garra, é tricolor e com certeza ganharia bem menos. Kaka contrato de 1 ano seria bom, ainda mais que o salário não seria problema.

        Ele ainda é da Adidas, teria sido bom

  7. O sistema de jogo defensivo apresentado pelo SPFC tem que ser o caminho daqui pra frente.

    Faltou por exemplo um Valdivia, pelo menos no Banco de reservas pra substituir o Marcos Guilherme quando o mesmo cansou.

    Faltou um Hudson pra entrar no lugar de um Nenê e soltar o Liziero na posição que o Nem estava jogando no segundo tempo.

    Faltou banco pro SPFC na quarta feira, tivesse ao menos essas 2 opções mais um Cueva voltando de seleção pra segura a bola no segundo tempo e o SPFC teria levado a classificação

    Temos um bom elenco, com a chegada de mais alguns reforços, vendendo somente Cueva e Rodrigo Caio pra equilibrar as contas teremos um elenco competitivo.

    É manter o sistema defensivo apresentado nos 2 jogos da semifinal do Paulista, aí é só aguardar o ataque, melhorar o contra-ataque e aprender a jogar no erro do adversário.

    Pela primeira vez em anos existe a esperança de um trabalho, de uma criação de identidade, no qual Aguirre vai começar e Jardine, no futuro, vai dar continuidade.

    Como disse Lucas Prato antes de sair é só o Leco, Ataíde, Natel e CIA não atrapalharem o SPFC.

  8. O problema é que no planejamento de pagamento dessas dívidas, o desmanche anual está sempre presente. Tem que se mudar esse ciclo vicioso no clube, em que as conquistas está sempre em segundo plano!

  9. Não muda tudo….mas tem de mudar muita coisa….decreto final Diego Souza e Jean foram péssimas contratações e devem ser usados como moeda de troca….precisamos de gente na frente que decida…gostaria muito de Calleri….mas na falta dele Pato e Gonzalo podem resolver…no meio insisto precisamos de Hernanes de volta e atrás sou totalmente a favor de buscar Gatito Fernandes para o gol.

Deixe uma resposta