São Paulo contrata Vinicius Mingotti do Novorizontino para reforçar a base

O São Paulo acertou nesta sexta-feira o empréstimo do atacante Vinicius Mingotti, de 18 anos. O jogador ficará na base do Tricolor até agosto. Ele é do Novorizontino.

A direção do time do interior optou por um contrato mais curto porque se o garoto não render bem no São Paulo, o Novorizontino terá a oportunidade de usá-lo na Copa São Paulo de Futebol Júnior.

GE

23 comentários

  1. É o rabo balançando o cachorro, no passado era o Tricolor que emprestava para o time do interior para o menino pegar experiência.
    Novos tempos, tempos de Leco

    • Você não entendeu. Não é menino da base sendo emprestado para o profissional. É o mesmo esquema que fizeram com Shaylon por exemplo, pegam emprestado e se render fica na base e depois sobe para o profissional.

      • Exato, Ícaro… Em tempos de perda de garotos para empresários e times europeus, já garimpa garotos semi prontos, sem a necessidade de altos investimentos por anos a fio.
        Se vingar, já fica em definitivo, com contrato estendido e que em pouco tempo poderá ser utilizado no time principal.
        Nossa legislação ferrou com os clubes e deu poder para os empresários, mais abutres do que qualquer um…
        Tem que se buscar alternativas e esse procedimento adotado está sendo positivo…

  2. Até no time de cima contratamos jogadores por experiência, agora vai vir o Regis, ontem Marcinho, Robson, Jean Carlos…, não temos um planejamento pra conquistas. Quem será o próximo técnico responsável por o “time cansado e o péssimo futebol”?

  3. Vi no outro post comentários sobre o Raí querer time ofensivo, jogando pra frente.

    Se for assim, já começa mal.

    Primeiro arruma lá atrás, acerta marcação, quem pega quem, quem faz cobertura…
    Acerta saída de bola, acerta quem fica plantado…

    Define um esquema de contra-ataque…

    Até mesmo os menudos do Cilinho começaram assim.
    No começo era aproveitar a velocidade do Muller e Sidnei nos contra-ataques.

    Depois, devido à grande qualidade técnica daquele grupo, a transição de time de contra-ataque para time que agride o tempo todo foi rápida e natural.

    Já o grupo atual não tem aquela qualidade toda.
    Não dá para já implantar um time que agride se não passou pelas duas etapas anteriores: primeiro, fechar a casinha; segundo, contra-ataque.

    Se já cisma de jogar pra frente logo de cara, perde a bola e não tem estratégia de defesa definida, acontece o que aconteceu contra o Santos. O adversário joga por uma bola e ganha o jogo.

    Se não tem contra-ataque, acontece o que aconteceu com o Palmeiras: fica na defesa tentando sair pro jogo e não tem atacante que saiba o lugar do campo que deve ocupar para fazer o que deve.

    Pegue todos os técnicos que passaram por aqui nos últimos dez, doze anos. Todos.

    Chegaram, falaram em títulos e já montaram um esquema para frente sem ao menos olhar se tinham jogadores para isso. Parecia um bando de índios.

    Todos, não! Menos um!

    Edgardo Bauza.

    Fez a lição de casa certinho. Montou primeiro um bom sistema defensivo. Jogava feio que dava dó.
    Mas perdia pouco.

    Não ficou tempo suficiente para fazer a transição para time de contra-ataque e depois para time de ataque.
    E, talvez, nem tivesse repertório para chegar a tanto. Mas começou por onde deve começar.

    Lembre-se, Diego Aguirre:

    Primeiro: acertar lá atrás! Vai empatar em casa com time pequeno, vai dar raiva no começo. Mas vai parar de perder jogo por uma única bola.

    Segundo: contra-ataque! Vai tomar sufoco, adversário vai ter mais posse de bola. Mas vai achar aquele espaço para surpreender o adversário e matar o jogo. É assim que se ganha clássicos na casa do adversário. A imprensa vai cair matando. Vai falar que isso não é SPFC. Vai ter torcedor que cai na pilha. Mas os gambás já cansaram de ganhar campeonatos jogando assim e a mesma imprensa os endeusa por isso.

    Finalmente: cumpridas as etapas anteriores, os adversários vão passar a respeitar, vão ver que aqui não é a casa da mãe Joana. Aí, com as peças certas, talvez dê para começar a mandar nos jogos.

    Aguirre, não caia nessa de chegar aqui e achar que com uma semana de trabalho já dá para encarar qualquer time de igual para igual. Não caia nessa de time jogando pra frente a todo custo.

    Uma coisa de cada vez.

    • Muito lúcida a sua explanação. Apesar de sofrer muito com o muricybol, hoje eu adoraria ver o Bauza de volta no SPFC. Organização acima de tudo e jogo controlado todo o tempo.

    • Boa análise, cara o Felipão e o Tite são isso, fecha a casinha e ganha de 1×0… erra pouco, não tem repertório mas são treinadores que ganharam tudo. Eles vão até a fase 2 muito bem, a terceira já não conseguem que é martelar os adversários. Aí no Brasil só o Telê soube fazer isso.

      Sobre o Bauza deixou uma boa imagem aqui por causa da libertadores e ganhar do galo como ganhou, mas deu para perceber que chegou no limite. Pela Argentina passou vergonha. Não sei, posso estar errado mas acho que se ele voltar perde essa boa imagem.

      Mas eu acho que o São Paulo

    • Então contrataram o tecnico certo. O Aguirre monta times muito fortes defencivamente e com muito volume de jogo… é time no “220” o tempo todo. Medida as proporções, o estilo é muito parecido com o do Simeone.
      Espero de verdade que ele dê certo e nps traga bons resultados na temporada.

    • André,
      Como afirmou o Ronaldo, seu comentário foi muito lúcido… Só que tem o seguinte: segundo falaram do Aguirre, o mesmo tem por característica, justamente, armar o time a partir de um sistema defensivo sólido.
      Ou seja, independente do que disse Raí, creio que Aguirre, se confirmado mesmo (ouvi de um pessoal aí que Felipão e Luxa ainda correm por fora…), deve trabalhar inicialmente o sistema defensivo mesmo.
      SDS

  4. Está certo. Temos que tentar identificar novas promessas e contatar por um preço baixo. O problema é fazer o time de cima manter esses jogadores depois. Temos em nossa base jogadores melhores que Edimar, Bruno, Hudson, etc etc.

  5. Nem vou comentar. ..boa sorte se é que vai conseguir se firmar no B e subir para o A….e no A não vai ter medo como a maioria dos jogadores do sp que sobem tem.
    Rodrigo Caio, Brenner, Militao

  6. O Jardine deveria trocar um dos volantes! O Hudson é reserva imediato do Jucilei, mas o Petros não tem mobilidade e poder de marcação pra formar dupla, nem tão pouco buscar bola dos zagueiros, pra iniciar a armação . Acho que Liziero facilmente faria essa função que o Hernanes teve que ocupar pra Petros e Jucilei funcionar, é nesse setor que começa a criação das jogadas.

  7. Amigo, ninguém lá naquele Conselho e diretoria tomam as dores no clube não… são todos parças da imprensa… nosso querido presidente é chamado de Bambi e dá risada… time leva de 6 e diretor da entrevista dando risada… melhor coisa é não perder tempo assistindo isso, ou se trombar um verme desse na rua encher de pancada.

  8. Pessoal se engana que acha que o Aguirre joga pra frente, não é bem assim não gente, vcs estão enganados

    eu já vi alguns jogos por times treinador por ele, e não tem nada de ofensivo !

    ele tbm não é retranqueiro, acho que é um meio termo, acredito que foi por isso que contrataram ele, o Raí acha que ele é parecido com o Jardine, que arruma a defesa mas faz marcação em linha alta, quem gosta do estilo do jardine vai reparar que o Aguirre geralmente faz algo parecido

    mas os times dele não é “louco” igual do Osório rsss… ele sabe sim fechar a casinha, pelo menos nos jogos que eu vi foi assim.

  9. Teve uns jogos do San Lourenzo e do atlético mineiro quando ele treinou, que ele jogou totalmente lá atrás só no contra ataques, quando os times adversários eram superiores que o dele

    algumas vezes ele se deu bem, em outras não !

Deixe uma resposta