Mais de 1.000 dias: São Paulo busca a quadra

“Alguém lembra aqui quando a gente ganhou três jogos seguidos? Mais de três meses? No São Paulo, isso não existe. Precisamos ganhar três, quatro, cinco seguidas, ganhando confiança para o adversário nos temer”. Esse foi o discurso de Rodrigo Caio para o elenco antes da vitória sobre o Bragantino, na semana passada. Às 21h30 desta quinta-feira, em Maceió, contra o CSA, o time busca o fim de um jejum mais longo: não vence quatro jogos seguidos desde 2015.

A última vez que o Tricolor embalou quatro triunfos consecutivos foi em março de 2015, sob o comando de Muricy Ramalho: pelo Campeonato Paulista daquele ano, fez 1 a 0 no São Bento, no dia 12, 2 a 1 na Ponte Preta, no dia 15, e 3 a 0 sobre o Marília, no dia 22, além de bater o San Lorenzo, da Argentina, por 1 a 0, no dia 18, pela Libertadores.

Entre o 3 a 0 sobre o Marília, naquele 22 de março de 2015, e a partida desta quinta-feira passaram-se exatos 1061 dias. Faz tanto tempo que Rodrigo Caio é o único que participou daquela sequência que continuou no clube – Hudson também estava presente, mas, de lá para cá, passou uma temporada emprestado ao Cruzeiro, no ano passado.

Mais do que acabar com esse jejum, a quarta vitória consecutiva é uma necessidade para o São Paulo. A partida contra o CSA, no estádio Rei Pelé, é a única válida entre os clubes pela segunda fase da Copa do Brasil. Classifica-se quem vencer e, em caso de empate, a decisão vai para os pênaltis. Mas avançar com sofrimento só pioraria a avaliação do início da temporada da equipe de Dorival Júnior.

Na atual sequência de três vitórias, o Tricolor conviveu com vaias em todos os jogos por conta de um desempenho irregular e pouco convincente. O protesto ocorreu tanto no triunfo por 1 a 0 diante do Madureira, em Londrina, pela Copa do Brasil, em 31 de janeiro, quanto no 2 a 0 sobre o Botafogo de Ribeirão Preto, no dia 3, e no 1 a 0 ante o Bragantino, no dia 7, sendo esses dois últimos disputados no Morumbi, ambos pelo Campeonato Paulista.

Essas reações negativas significam que simplesmente eliminar o CSA nos pênaltis não será suficiente para uma exigente torcida, que passou as duas últimas temporadas mais preocupada em evitar um rebaixamento inédito no Campeonato Brasileiro do que em brigar por título. Vencer o jogo desta quinta-feira é encarado quase como uma obrigação.

Para aumentar a pressão, no domingo, o São Paulo ainda tem um clássico, no Morumbi, contra o Santos, pelo Campeonato Paulista, em uma sequência que complica ainda mais qualquer tropeço. Por isso, em Maceió, ou o clube faz o que não consegue há mais de mil dias ou já pode se preparar para um ambiente de impaciência no fim de semana.

L!

29 comentários

  1. Eu só quero um pouquinho de futebol e alguns gols do meu tricolor …, em maior quantidade que dos adversários.

    Chega de comemorar fornecimento de materiais esportivos, contratos de marketing e “tropeços” de adversários.

  2. Não acredito que tenhamos dificuldades de vencer hoje. Dorival tá montando um time que vai ser difícil de ser batido mais pra frente.

  3. Vi ontem o jogo do grêmio contra o independiente… Os gaúchos jogaram com Cícero e Maicon no meio-campo: sofríveis ambos… Se o time argentino ñ tivesse tido um jogador expulso ainda no 1º tempo, o grêmio perderia feio esse jogo! O Cortez continua ruim e até fez um gol contra…

    • Mas o forte do Grêmio ano passado era o conjunto. Não faria questão de nenhum desses no São Paulo: Fernandinho, Évertom (cebola), Ramiro, Michel, Cortês, Maicon, Cícero… (só não cito o Edílson porque o SP ta ruim de LD kkk).
      Vejo potencial no Arthur, acho o Kannemann bom (pelo menos em boa fase), Groe muito bom, o Luan diferenciado e o Geromel é monstro.

  4. só espero que não tenhamos um novo vexame, tipo bragantino,penapolense, defensia y justica…..ultimamente fico com um pé atras nesses jogos…

    • Pois é. É o típico jogo que se a gente toma 1×0, fica tocando de lado sem saber o que fazer e não consegue virar. Desde 2012 o único time que eu lembro ser capaz de virar jogos foi o São Paulo do primeiro semestre do ano passado. Impressionante como o marasmo e os toquinhos de lado estão virando marca registrada do SP.

      Enfim, torço pra que já façamos 1×0 logo de cara e levemos o jogo no banho maria como temos feito nos últimos jogos

  5. O que esperar de um SPFC que só passa vergonha em jogos decisivos a anos? Fica difícil ser otimista, mesmo com o discurso de que o time está se formando, o que também ouço a anos. Será que veremos um bom futebol menso contra um time inferior ou veremos aquele futebol horroroso, sofrível, lastimável? Tomara que do meio para frente as coisas tenham se encaixado. Quero acreditar em uma boa partida e com vitória, mas fico com receio.

  6. Do Post anterior:

    Ronaldo Godoy
    Um colega disse aí em cima que “o correto seria o Dorival criar uma rotina
    de treinos”.
    Na verdade, os grandes batedores de pênaltis e faltas da história sempre
    treinaram por conta. Há relatos de que técnicos tentavam até diminuir a
    quantidade de batidas de falta e pênaltis de Marcelinho carioca e Zico,
    com medo que eles se machucassem por treinar demais.
    ———————————————————————————————–
    Bem lembrado.
    Um certo goleiro que se tornou artilheiro (por uma mesma equipe) treinava,
    por conta própria, e na maioria das vezes sozinho, fizesse chuva ou sol,
    frio ou calor, até meia hora ou 40 minutos após o treino, quando todos já
    tinham tomado seu banho e ido embora…
    E um certo técnico que se tornou Tricampeão Brasileiro consecutivo (por
    uma mesma equipe) observava o garoto (ainda naquela época), e foi dele
    que partiu a autorização para o dito menino passar a ser o batedor de
    faltas da equipe…

    O resto é História…

  7. E reforçando o que já escrevi no Post anterior sobre o time de 77:

    Marinho Chagas veio para o SP no início de 81 e ficou até final de 82.
    O LE do SP em 77 era o Antenor, um jogador forte, vindo se não me
    engano do Amazonas, e que bateu e converteu o 2o dos 3 gols de
    penalti que o SP precisou para obter seu título Brasileiro de 77, mas
    disputado em 05/03/78, um domingo chuvoso…

    Até me emociono de lembrar: meu falecido pai abraçando o meu irmão
    caçula com apenas 2 anos à época, enquanto eu mais meu outro irmão
    e 2 primos pulávamos gritando, felizes, em frente à TV, na sala de casa.
    Partimos depois para a Paulista para ver a festa da Torcida Tricolor…

    Bons tempos…

    Ah: E hoje vencemos de 3×1. Sem necessidade de disputa por penaltis.
    Mas, se acontecer, temos que estar preparados também nesse quesito.
    Então, por favor, deixem de reclamar tanto de tudo!!

    • Casagrande falou muita besteira aí.
      Não tem química com o Cavani? Os dois são os artilheiros do time. Fazem uma campanha histórica no francês, possuem o ataque com mais gols de todo o futebol europeu.

      Essa imprensa brasileira é uma merda. Baseiam uma temporada inteira em um jogo. Vejo muito perdido detonando o Neymar, sendo que toda jogada perigosa do PSG saiu do pé dele. Ngm comenta do penalti infantil e da falha do goleiro. Somente focam no Neymar.

      É até covardia isso que fazem.

      E esquecem que do outro lado era o Real Madrid.

      Dinheiro não compra história e muito menos tradição. PSG amassou o quanto pode, mas o Real venceu.

      A camisa, ainda que pensem o contrário, pesa.

      • Só no segundo tempo o Neymar poderia ter chutado 2x mas preferiu deixar o Mbappe e o Daniel Alves na cara do gol. O passe poderia ter sido melhor, mas ele tentou. E ele tocou pq viu ambos em melhor condição de fazer o gol e não pq estava prestes a perder a jogada. O Casagrande fala muita bobagem e generaliza muito. No começo da partida ele já tinha dito que o neymar era egoísta pq tentou umas 2 jogadas ao inves de passar a bola e aí levou isso até o final do jogo e pelo jeito vai levar até o fim da vida rs

      • O Neymar jogou bem mas fica claro a diferença entre ele e o CR7 ou mesmo o Messi. Várias jogadas ele driblava demais e perdia a bola e em outras que tinha que driblar não driblava. Pelos menos 2 jogadas foi egoísmo explicito.
        Parece que só ele quer aparecer e jogar.

    • Acho melhor a análise da ESPN de que o Neymar tem problemas na tomada de decisão.
      Não que o Casagrande esteja errado, mas ele muitas vezes mistura o fato de não gostar do Neymar com uma análise mais real. É sabemos que ele nem de longe tem a melhor análise.

      • Ontem eu assisti o jogo com atenção sempre focado no Neymar e realmente ele toma decisões erradas. É extremamente talentoso, é rápido, aquele drible curto dele mata qualquer marcador mas ele realmente parece ser egoísta ao extremo, só passa para o companheiro se realmente não tiver chance de finalizar. Isso é péssimo. Toda hora o Messi serve alguém, driibla meio time e dá um passe açucarado.
        Gostei da parte dos comentários do Casa onde ele fala do René Simões. Esse é um cara que eu respeito pena que se afundou como técnico mas o comentário dele sobre ‘estamos criando um monstro” é ótimo e pertinente. É exatamente isso que o Neymar é.

      • No fim quem ganhou foi o time grande, que sabe jogar pressionado, e o time pequeno se assustou quando poderia ter matado o jogo, deram chance e o time grande foi fatal. E o Neymar sonha em ser melhor do mundo quando Messi e CR7 se aposentarem, mas essa vaga já está sendo tomada, de pouco a pouco, pelo Asensio, aquele que o Barcelona queria comprar parcelado e acabou tendo que se contentar com o Douglas Melher di tutti.

Deixe uma resposta