Cueva revela bronca de Guerrero após polêmicas no São Paulo: “Xingou muito”

Cueva foi cobrado por toda a diretoria do São Paulo e também pela comissão técnica por conta do atraso na pré-temporada e consequente revolta por não ser escalado como titular. Mas o meia do Tricolor recebeu um outro puxão de orelha que o ajudou a se recuperar: o de Paolo Guerrero.

O atacante do Flamengo, que está suspenso por seis meses após ser flagrado no doping, também é peruano e joga com Cueva na seleção do país. O Peru, aliás, está de volta à Copa do Mundo após 36 anos e os dois estão entre os principais nomes do time comandado pelo argentino Ricardo Gareca.

– Ele me xingou muito. Primeiro ele ligou para me acalmar, para que pensasse nas coisas que não tinha mais que fazer. Depois, ele me cobrou. Conversei quase 45 minutos com ele. E realmente me serviu esse papo – contou Cueva, que chegou a ser barrado de três partidas do Tricolor.

Camisa 10 do São Paulo, Cueva voltou a ser titular na vitória por 1 a 0 sobre o Bragantino, na quarta-feira passada, pelo Campeonato Paulista. O peruano deve continuar com esse status na próxima quinta, em partida conta o CSA, em Maceió, pela segunda fase da Copa do Brasil.

Mais solto depois de fazer as pazes com diretoria, comissão técnica e elenco (ele pediu desculpas no vestiário a todos os companheiros), Cueva considera que a união que tem na seleção peruana o ajudou a aceitar bem os conselhos de Guerrero e seguir adiante:

– Somos amigos, companheiros. É isso que temos na seleção do Peru. A preocupação que há com um há com todos. E isso foi fundamental para nos classificarmos ao Mundial também. Cada um se sente responsável pelo outro, para que fiquemos focados e não cometamos os mesmos erros.

Cueva, por sinal, também se aproximou de Guerrero quando o atacante do Flamengo foi pego no doping e chegou a ser suspenso por um ano do futebol. Mais tarde, a pena foi reduzida para seis meses, e o atacante pode estar apto a disputar a Copa do Mundo pelo Peru.

– Todos ficamos tristes. Um momento muito difícil para ele, que precisava do apoio de todo mundo. O país todo o apoiou. A mãe dele, os companheiros… Ele tomou essa força. Guerrero sempre foi um jogador muito responsável, profissional, que me ensinou muito – completou Cueva.

Na Copa do Mundo, o Peru está no Grupo C, com Austrália, Dinamarca e França. A estreia será no dia 16 de junho, às 13h (de Brasília), contra a Dinamarca.

GE

10 comentários

  1. Inadimissível um treinador estar no clube há quase 8 meses e não dar se quer um formato ou planejamento de jogo, imperdoável, time totalmente bagunçado…….falta de ritmo, entrosamento é uma coisa, agora bagunça tática e substituições equivocadas mostra que o Dorival está perdido.

    Igual a enganação do tal Oswaldo de Oliveira, demitido do Corinthians e eles efetivaram o Carille, que com o mesmo elenco ganhou um paulista e o brsaileiro, agora o Atlético/MG o demitiu por empatar no Acre.

    Abram o olho diretoria, esse Dorival com seu filhinho não irão chegarão a lugar algum, mais um jogo suado na quarta com o CSA pela Copa do Brasil e mais uma derrota em clássico Domingo….

    • Treinador é fraco mesmo e o time de fato já deveria ter padrão de jogo, variação tática e jogadas ensaiadas.

      O jogo contra o CSA será nessa quinta-feira, e é bom mostrar alguma evolução, pois empate é pênaltis e, se chegar a isso, o goleiro Azulino é pegador de pênaltis.

      Santos está pior que nosso time, temos elenco melhor e chance de vencer bem. Difícil é acreditar num time treinado por Dorival Júnior.

    • O Pior é que esse treinador tá querendo que o SPFC contrate o Victor Ferraz por um milhão e meio e mais um jogador.

      Já não basta a história do Maicosuel que aquele outro indicou?

  2. Não é querer defender o Dorival, porque também não acho ele um grande técnico. Mas, se o clube tivesse mantido um elenco base durante esses 8 meses, então, dá pra dizer que o técnico teve tempo suficiente para dar padrão de jogo ao time. A entrada e saída de jogadores seria mais simples. Só que nesses 8 meses o elenco do SPFC mudou muito. Duas peças fundamentais saíram (Hernanes e Pratto) e chegou uma nova baciada que vai fazer o técnico mudar bastante o time que terminou 2017.

      • Alagoano, sairam os dois principais jogadores do time, as referencias. O terceiro foi o Cueva que esteve abaixo do seu nível durante quase todo o ano, além das ausencias por contusão e seleção peruana. O que se manteve foi sistema defensivo, que não está ruim, graças a sequencia dos 4 atrás, do Jucilei e do Petros. O problema continua a transição para o ataque: lenta e sem objetividade. Hernanes melhorou essa ligação que tinha perdido por causa do declinio do Cueva e da saída do Pratto. Bom ou ruim, ele era referencia lá na frente. Cabe ao Dorival fazer que essa transição funcione. Ele tem a dispocição mais jogadores que nunca nos dois últimos anos. Nene, DS, Cueva v.2, Valdivia, etc. Se desse mato não sair coelho, aí então eu reconheço o atestado de incompetencia do Dj.

    • Eu concordo com você Carlos, não acho o Dorival um grande treinador, mas a nível Brasil o que temos de melhor no mercado ???
      Saindo ele vem quem ? Jardine, para fritarmos ele depois de 3 partidas ?
      Temos que dar tempo, esperar um pouco, ainda que seja dificil, mas é preciso.

      Quanto ao Cueva, já é passado o que aconteceu, a melhor resposta ele tem que dar em campo, e nas suas atitudes de agora em diante.

Deixe uma resposta