Os “velhinhos” sempre deram certo no São Paulo

Amigos tricolores.

A chegada de Nenê, até  certo, ponto, dividiu o time. Li em um dos grupos que participo no Facebook algo que me deixou com a “pulga” atrás da orelha e jogo aqui para, educadamente, debater com vocês. O que ouvi é que Nenê, sem dúvida é acima da média e ainda joga em alto nível no futebol brasileiro, mas que para o atual São Paulo, ele deveria ter sido contratado há 10 anos atrás, renderia muito mais. De fato, com 26 anos, Nenê tinha mais explosão e velocidade, mas não a mesma experiência de fazer a bola correr e não o jogador, coisa que o Muller fez brilhantemente quando foi ficando mais experiente em campo.

Mas uma coisa é fato: No São Paulo, os velhinhos, sempre tem uma vida diferenciada. Velhinhos, claro, é uma brincadeira, com os jogadores acima dos 30 anos, que hoje, estão em plena forma, mas em algumas épocas, eram considerados fora de jogo, acabados e em fim de carreira.

Hoje, com a tecnologia e até com a expectativa de vida maior que nos anos 40/50, os jogadores vão bem até perto do 40, claro, o Zé Roberto é uma grande exceção, mas vejo alguns jogadores que são atletas, logo, estão sempre se cuidando e jogam em alto nível acima dos 35 anos. O nosso M1TO, foi uma outra exceção, ao passar dos 40 em alto nível.

Leônidas da Silva

Há quem defenda que Leônidas jogou mais que Pelé. Eu não vi, infelizmente, nenhum dos dois em campo, mas quem viu, diz que o Diamante Negro, como era conhecido, foi melhor que Pelé. Uma discussão que nunca se chegará a uma conclusão, os tempos eram outros, mas trata-se, sem dúvida de um dos gênios do futebol mundial. Começou a jogar em 1929, chegou ao São Paulo em 1942, onde ficou até 1950, quando encerrou a carreira, aos 37 anos. Leônidas chegou ao tricolor aos 29 anos, mas na época, essa era uma idade avançada para o futebol. Ficou 1 ano sem jogar antes de vir para o São Paulo, isso hoje já seria motivo para desconfiança, imagina na época. Idade mais esse período sem jogar, fizeram com que a imprensa matasse Leônidas para o futebol. Por 200 contos de réis, uma fortuna, o Diamante Negro chegou ao tricolor. Ficou por 8 anos, ganhou 5 titulos pelo tricolor.

Antonio Sastre

Meia argentino chegou ao São Paulo em 1943, aos 32 anos. Se Leônidas, com 29 já era “velho” imagina um argentino de 32. A imprensa, como sempre, “acertando” e “nada” sendo saudosista para outros times, dizia que o jogador em fim de carreira, era na verdade o “Desastre”. Aposto que nas redações essa piada era ecoada aos 4 cantos. O São Paulo amargava alguns anos de fila e mesmo com a chegada de Leônidas um ano antes, nada tinha ganho. Era preciso trazer um jogador para dividir as atenções com o Diamante Negro. Dois meses depois da estreia, contra a Portuguesa Santista, Sastre fez 6 dos 9 gols do tricolor e comandou, ao lado de Leônidas, o rolo compressor ganhando 5 dos 10 titulos disputado na década de 40.

Gerson

Um dos grandes “lançadores” do futebol brasileiro, o papagaio, como ainda é carinhosamente chamado, Gerson, jogou ao lado de Pedro Rocha no São Paulo. O canhotinha de ouro chegou com 30 anos, logo após ser um dos protagonistas do Brasil no Tri Campeonato Mundial no México. Ficou no São Paulo só até final de 1971. Em 72 foi para o Fluminense, jogou mais 2 anos e parou. Gerson comandou o São Paulo no bi-campeonato paulista de 1970 -1971, tirando o São Paulo de 13 anos de fila, depois de entregue a nossa casa, o Morumbi – que é nosso e está pago!

Toninho Cerezo

Um dos grandes volantes do futebol na década de 80. Presente na maior seleção de todas, do mestre Telê Santana em 1982 na Espanha. Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico. Que meio campo era esse??? Não venceu, por isso, no Brasil não é reverenciado, mas fora, é a maior das seleções. Cerezo chegou ao São Paulo com 37 anos, depois de uma vitoriosa carreira na Europa, sobretudo, na Sampdoria. Chegou em 1992 para ajudar o tricolor. Foi campeão do mundo em 1992, Libertadores e mundial em 1993. Em 1995 voltou ao São Paulo, mas sem o mesmo brilho. Parou em 1997 atuando pelo time que o revelou, o Atlético-MG, aos 42 anos.

Leonardo

Em 2001, aos 32 anos, Leonardo teve sua 3a passagem pelo São Paulo, mas essa muito menos vitoriosa que as passagens de 1991 (Campeão Brasileiro) e 1993 (Campeão do Mundo).  Ficou apenas 1 ano, com uma série de contusões não conseguiu ajudar o time a ganhar nenhum título, mas não faltou luta para o meia que mesmo sendo carioca e ter surgido no Flamengo, tem uma grande identificação com o São Paulo.

Vamos sonhar….

Esses são alguns exemplos que dão um panorama positivo para o nosso São Paulo. Algo que me chamou a atenção foi a chegada de Sastre. Ele, “velho” chegou ao São Paulo, com outro “velho” Leônidas. Ajudou o São Paulo a sair de uma fila de alguns anos. Diego Souza e Nenê chegaram esse ano para serem os protagonistas do São Paulo em campo. Que fique claro que não comparo jogadores, pois estamos falando de Deuses do futebol (Leônidas e Sastre) X Jogadores acima da média (Nenê e Diego), mas comparo a situação e espero que ocorra o mesmo que na década de 40, que a dupla seja protagonista e tire o São Paulo dessa incomoda situação: Fila de títulos, chacota da mídia, saco de pancada de rivais. Somos o São Paulo, somos o maior time do país, o que mais títulos mundiais tem!

Espero, sinceramente, que eles se encaixem no time. Nenê diz ser tricolor desde a infância, logo, esperamos o “algo a mais”, aliás, esse algo a mais sempre esperamos de quem é diferenciado e entrega. Que eles, ao lado de Jucilei e Petros dominem o meio de campo, sejam criativos e façam gols! Que ajudem o ataque a ganhar jogos e que assumam a responsabilidade. Vamos São Paulo, vamos São Paulo, vamos ser campeão!!!!

*Felipe Morais. Publicitário, apaixonado pelo São Paulo Futebol Clube. Sócio da FM Planejamento, Palestrante sobre marketing digital, comportamento de consumo e inovação. Coordenador do MBA de Marketing Digital e do MBA de Gestão Estratégica de E-commerce da Faculdade Impacta de Tecnologia. Autor dos livros Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva) e Ao Mestre com carinho, o São Paulo FC da era Telê (Ed Inova) – www.livrotele.com.br – facebook.com/plannerfelipe e @plannerfelipe

 

 

63 comentários

  1. Apenas 5 exemplos, sendo que um é “Ficou apenas 1 ano, com uma série de contusões não conseguiu ajudar o time a ganhar nenhum título”

    Esse texto não faz sentido nenhum..

  2. Leco, Natel, Manssur, Pupo, Médicis, Jacobson, Ataíde, Aidar et Caterva …, velhinhos tricolores que tiram-nos o direito de sonhar.

    Eu quero ser feliz também no futebol.

    Devolvam o SPFC aos seus legítimos donos, aos seus verdadeiros torcedores.

  3. Com Excessao do Palmeiras, nenhum time contratou tão bem quanto o São Paulo, tá cheio de entendedor de futebol aqui … criticam um time remontado com 1 mês de trabalho, sendo que juntos esse time “titular” só jogou 3x, São Paulo não atrasa mais salarios, montou uma diretoria de futebol de respeito, com quem sabe o que faz … HÁ MUITA ESPERANÇA

  4. Nos primeiros 30 minutos do jogo contra o Bragantino eu vi um SPFC envolvente.

    Fato é que DS, Nene e Cueva sabem jogar. Na hora que entrosar, no mínimo, daremos trabalho!

    O problema é que todo mundo acha que ganhar dos times do interior é o mesmo que bater em bêbado, isso não é vdd!

    • A queda foi muito acentuada (claro que tem uma questão física também) e a deficiente leitura de jogo (ou preferência aos mais velhos em detrimento da base) fez com que as alterações não melhorassem o rendimento, ao contrário, o time escapou de levar gols e sair derrotado.

    • Fabio, eu acho que o problema nem é placar, passar perrengue pra ganhar de time do interior e afins.
      É o fato do time apresentar, desde o ano passado, as mesmas deficiências táticas, a mesma falta de padrão de jogo e o técnico estar inerte a isso.
      Se na quarta, no fim do primeiro tempo, onde ja tinhamos caido de produção, Dorival tivesse voltado sem um dos volantes, feito substituições para mudar o panorama do jogo e tentado algo alem do que nos ja estamos vendo, sem nenhuma mudança, alem desse esquema tatica usado, acho que muitos de nos estariamos menos .
      Mas oq foi visto foi extremamente preocupante. So agravando oq andamos sentindo sobre a comissão técnica

    • Quando entrosar, e quando o condicionamento físico estiver melhor, principalmente o dos velhinhos. Depois dos primeiros 30 minutos o time caiu de produção pq o físico pesou. Foram só duas semanas de pré temporada e depois jogos todo o meio e fim de semana direto, e se levar em conta que Cueva teve mal e mal uma semana de pré temporada e Diego Souza e Nenê chegaram depois, já explica essa oscilação dentro da partida.

      • cara entao a gente vai pra onde desse jeito? essa desculpa de fisico e tals, nada a ver, ou os caras jogam bola ou o time perde e cai amigo, demite o departamento medico pq esse ai ja demonstrou que e ruim faz tempo, e fala pros caras jogarem bola que é so isso que eles fazem na vida, sao atletas, 1 mes ( de ferias, que nem foi 1 mes inteiro ) nao pode acabar com o preparo de anos.

  5. Raí para de ficar penteado o cabelo e vai buscar o Ganso que está rescindindo o contrato com o Sevilha.
    Acorda jogador sem custos o cueva vai embora e nenê não aguenta a temporada inteira……ou vai perder igual o Scarpa.

  6. Usar o termo “sempre” é um baita exagero.
    Tenho absoluta certeza de que a maioria não vingou.
    Citar um da decada de 40, outro da decada de 70, outro de 90 é muito pouco.

        • Cesar Sampaio sim.
          Rivaldo mal jogou.
          Os outros, chegaram antes dos 35. Não sei se os colocaria como “velinhos” mas é algo a se levar em conta, pois jogaram muito.

    • Sem falar que hoje, nos últimos 10 anos pelo menos, o futebol se tornou muito mais dinâmico e intenso, exigindo mais da parte física dos jogadores. Ou seja, se por um lado a preparação física está melhor, o auge físico de um jogador não é mais 26 e 27 anos, mas 29 e 30, se este jogador for um atleta e não um boleiro. No entanto, após os 32, 33 anos, o declínio é muito acentuado, salvo algumas exceções, e então os jogadores saem da Europa e vem para mercados periféricos.

      Para nível Brasil acho q o ideal pode ser ter um e no máximo dois jogadores considerados velhinhos, desde q tenham ainda boa dinâmica de jogo, do contrário o imenso fica frouxo.

    • Sem falar da qualidade do velhinho. Hernanes é um que agrega. Nenê e DS vamos ter que pagar pra ver.
      Já disse aqui e repito, ao contrário do passado, nosso campeonato é de pontos corridos. Nao tem mais fase de grupos. Para ser campeão hoje em dia não pode escolher jogo para ser intenso.

  7. GMC, bom dia.

    Concordo com vc que não temos evolução tática, porém o time mudou o jeito de jogar com as novas contratações.

    Veja que o quarteto faz um rodízio no decorrer do jogo, mudou do 4-3-3 pro 4-1-4-1 e isso leva tempo para se treinar.

    Infelizmente vivemos sempre em recomeços, mas agora com Rai acredito que será diferente e temos que ter paciência para termos a devida continuidade que foi quebrada em 2017.

    • Bom dia Fabio. Td bem?

      Eu concordo que há uma pequena variação no decorrer do jogo, que as peças se alteravam de posição e que isso toma tempo. Por isso eu gostei do primeiro tempo. Alem disso, tivemos mais jogadas trabalhadas pelo meio e pela esquerda. Nao dependemos dr cruzamentos e do MG prla direita.
      Eu, particularmente, estou sem esperanças no Dorival, mas concordo que ele tem que ter mais tempo neste ano.
      Deixaria ele, pelo menos, ate o final do Paulista. Podemos ser desclassificados, obviamente, mas se tivermos uma boa melhora e uma mudança no patamar, otimo. Deixa ele lá.
      Caso contrário, acho que a diretoria ja tem algo alinhado com o Jardine

  8. O maior problema é adequar o jeito de jogar. Se a proposta for de jogo compacto, posicionado e todos se esforçando pra isso, funciona. Se quiser jogar com linhas mais espaçadas, obrigatoriamente vamos precisar de jogadores mais velozes para recompor rapidamente. Vamos ver o que o Dorival vai arrumar com : Cueva, Nene, Diego Souza, Petros e Jucilei.

  9. Sempre acreditando na volta do Sao Paulo multicampeao!! Qurero ver esse trellez jogar, falam que é bom e outros que é pé duro. Nao conheço, mas com um meio de campo como nene e DS acho q pode dar certo. Cenas para o proximo capitulo.

  10. Ainda sobre o jardine,

    De duas uma ou estão tentando acertadamente fazer a transição do jardine para o profissional ou a batata do senhor Dorival está indo pra lareira.

    Só resta saber se o dormi val concorda em escantear o seu filhinho em detrimento ao jardine ou vai pedir pra sair.

  11. Alguém aqui pode me ajudar a ir no Morumbi? Onde posso deixar meu carro?
    Moro em Curitiba, vou visitar meus pais no interior de São Paulo e quero ir a algum jogo, mas não conheço nada lá, quando o tricolor vem aqui em Curitiba, na Arena da Baixada, deixo o carro num shopping que fica a uns 20 minutos a pé do estádio, quando é no Esgoto Pereira, deixo nas ruas, pois é residencial e na Vila Capanema vou de ônibus, o que me indicam?

    • Rafa, pra ir de carro, eu acho o melhor lugar pra deixar é onde o PB falou. No estacionamento do shopping.
      Apesar da caminhada chata, principalmente na volta se o time perder, é o local mais barato e seguro pra deixar.
      Mas, cuidado ao deixar o carro lá. Em dias de jogos, fica um rapaz na entrada do estacionamento direcionando os carros que irão para os jogos. Lá eles cobram mais caro. Você pode parar no estacionamento normal do shopping, sem ser pra onde ele está indicando.
      Da ultima vez que fui, o periodo total deu 8 ou 9 reais.

      • Obrigado PS, Allan, FabioM e GMC, é realmente um sonho ir em um jogo no Morumbi, nunca fui, mas nunca por falta de vontade, todos o jogos que tem aqui eu vou.
        Se puderem me ajudar mais um pouquinho, qual um bom setor pra assistir os jogos? São por cores né? Procuro um lugar no 2º ou 1º anel, com um preço mais acessível e boa visão.

        • A melhor visão é do anel mais alto, no meio.
          Os aneis medianos geralmente são mais baratos, são um pouco mais próximo do campo, mas você não tem a melhor visão do lado mais longe do campo(nada que influencia tao negativamente em ver o jogo).
          Por consequencia, o primeiro anel é ainda mais proximo do campo, mas a visão do lado oposto fica mais prejudicada, já que vc está num angulo mais plano.
          Vai muito de gosto e vontade de gastar. Eu, particularmente, gosto dos aneis medianos. Procure sempre ficar no centro, a visão sempre é melhor (mas ai é de qualquer estádio né)

        • Se for com camisa so clube e na area se torcedor eles enfiam a faca. Se for na area de cliente fica bem mais barato.

          O bom do shopping é que se chegar antes pode “shoppear”.
          E na saida, se tiver muito trânsito da para ficar na praça de alimentação aguardando transito diminuir. Isso nos fins de semana. Durante a semana gecha as 22hrs.

  12. Se acima dos 30 já for velhinho, tem uma lista enorme de jogadores que deram certo e deram errado… Cada caso é um caso e os exemplos citados são de décadas atrás, muito coisa mudou em questão fisiológicas, tática e técnicas no futebol…

  13. O Gérson chegou em 1969, um ano antes de se sagrar campeão mundial com a seleção. Muita gente dizendo que o time atual é fraco; não acho, O que é fraco é o treinador. Vamos dar um tempo pra ele, só até o final desse Paulista. Tem clubes que trocam de treinadores e se dão bem. Dorival já deu provas que está perdido. Perdido no Espaço.

  14. Acho que essa notícia do Jardine ser auxiliar é uma forma da diretoria dizer que não planejava a demissão do Dorival Jr, quando o mandarem embora. Daí o Lecão vai dizer algo como: “Era uma forma de tentar mesclar as duas filosofias de jogo, mas, infelizmente, não deu certo. Enquanto isso, iremos deixar o Jardine como técnico interino até acharmos um nome no mercado”.
    Uma forma de dizer (mas não querendo dizer abertamente) que o Jardine será seu substituto.

  15. Vamos ser realista! O Nene com 26 anos tava ou na Espanha ou no PSG, e hoje com 10 a menos estaria ainda na Europa. Sim os jogadores melhoraram o condicionamento físico, mas o nível do futebol nacional e tao baixo que um jogador totalmente fora do mercado da europa e rei por aqui, O Nene, nao joga nem no terceiro escalão na Europa, aqui e jogador do primeiro escalão. Scarpa / L Lima são casos, jogadores comuns na Europa, jogariam em times de terceiro escalão da Europa ( Betis. Sporting, Fiorentina, Bordeaux ) aqui são fora de serie, ganhando fortuna na S. E Crefisa,

Deixe uma resposta