Dorival Jr afirma não se preocupar com a “grife” de reforços e sim com jogadores dispostos e focados

O São Paulo teve dificuldades para encontrar peças de reposição que mantivessem o padrão de jogo da equipe ao longo da última temporada. Apesar disso, o técnico Dorival Jr garantiu que não faz questão de contar com jogadores renomados, reconhecendo que a função do treinador é fazer o time render o máximo com aquilo que tem em mãos. Ainda assim, o clube do Morumbi tratou de se movimentar e trouxe jogadores tarimbados, como Diego Souza, além da compra de outros atletas que defenderam o Tricolor por empréstimo em 2017, casos de Jucilei e Edimar.

“Não exijo nomes. Apenas quero jogadores dispostos e que estejam focados no dia a dia para abraçar o conceito de jogo. Isso está acontecendo aqui e já caminhamos a passos largos para encontrar uma equipe ideal. Queremos passar confiança ao nosso torcedor”, afirmou Dorival Jr.

Apesar de o Campeonato Paulista estar prestes a começar, a tendência é que Dorival Jr não utilize o que tem de melhor em todas as partidas da competição. A intenção do treinador é mesclar a experiência de seu elenco com a juventude dos meninos promovidos recentemente das categorias de base do clube.

Mesmo com a variação que deverá ser apresentada pelo São Paulo ao longo do torneio, o treinador da equipe não esconde que o Campeonato Paulista é uma grande oportunidade para o clube retomar a rotina de títulos. Sem vencer o Estadual há 12 anos, o Tricolor pode bater o recorde de anos sem erguer a taça do Paulistão caso isso não aconteça em 2018.

“Com certeza é o torneio regional mais difícil e equilibrado do país. Dizem que é uma competição sem importância, mas eu valorizo, sim, e sei o quanto é fundamental alcançar um grande resultado com o São Paulo. O clube busca isso. Será um campeonato especial, e farei o máximo possível para vencer”, concluiu Dorival Jr, que conquistou o Paulistão de 2016 com o Santos.

GE

6 comentários

  1. Exemplo tem aos montes no futebol brasileiro onde a grife muitas vezes atrapalha pela “obrigação” do treinador em escalar independente da produtividade do jogador para o time. É claro que além de disposto e focado o atleta tem que ter algum talento. Em campeonato de pontos corridos o que vale é o equilíbrio de toda a equipe.

  2. Tomara que esta confiança chegue logo,
    junto com futebol.

    “Grife”, disposição e foco …, ajudam.

    Mas se faltar futebol, não ganharemos nada …, tanto quanto há anos deixamos de conquistar.

    Ajuda aí, Dorival.

    • Espero que o Leco não venda algum dos meninos que subiram, pois aí seria nadar contra a correnteza. Se for pra sair esse ano que seja algum com substituto a altura e com ciclo de valorização terminado, Rodrigo Caio por exemplo.

  3. No paulista, só dois times começam o ano a frente do SP. Dependendo dos cruzamentos no mata-mata e se estiverem mais preocupados com a Libertadores, pode ser que cheguemos a final mais facilmente ainda.
    O Brasileiro vai ser mais ou menos a mesma coisa. Alguns times podem estar mais entrosados ou com elenco melhor, porém se preocupando com outras competições. São Paulo só precisa mostrar continuidade no trabalho. Se for para sair alguém, que saia quem já tem reposição.

Deixe uma resposta para Marcelão Cancelar resposta