Irm√£os tricolores,

Diante de todo o exposto pela Opera√ß√£o Lava Jato e pelo esc√Ęndalo da FIFA onde at√© mesmo o presidente foi destitu√≠do, nossa diretoria tem o dever de agir.

Ficou claro para todos que o Est√°dio do Morumbi, nossa ‚Äúcasa sacrossanta‚ÄĚ foi retirado da Copa do Mundo por interesses¬† obscuros (vamos tratar com um pouco de eufemismo) da FIFA, do ex-presidente Lu√≠s In√°cio Lulla da Silva, Odebrecht, CBF, Prefeitura , Governo do Estado e Cor√≠nthians.

Vamos aos fatos:

FIFA: designava as empresas que deveriam fazer os projetos, e todos os fornecedores que deveriam ser contratados na construção do estádio. Certamente havia algum tipo de comissão para tanto interesse.

Para a Federa√ß√£o Internacional¬† seria muito mais vantajoso a constru√ß√£o de um novo est√°dio do que a moderniza√ß√£o de um antigo. Desta forma reprovou todos os projetos encaminhados pelo SPFC, solicitando cada vez mais obras e culminando com a inviabilidade econ√īmica.

Lulla: De acordo com a delação premiada da Odebrecht, o Itaquerão foi um presente para o ex-presidente, que curiosamente, em um passe de mágica, apareceu logo após a eliminação do Estádio do Morumbi, o que nos faz crer que tudo isto já havia sido ajustado anteriormente.

Odebrecht: Para receber vantagens de obras estatais no Brasil e no exterior, aceitou  a construção do Estádio e assinou o contrato sem qualquer garantia do Corinthians  Que empresa no mundo faria isso?

Beneficiou-se ainda das artimanhas do Governo no caso do desvio da tubula√ß√£o da Petrobras que passava por baixo do Est√°dio, da aprova√ß√£o do financiamento por bancos estatais sem a garantia necess√°ria, dos¬† famosos CIDS do Sr Kassab, que at√© hoje s√£o contestados pelo Minist√©rio, P√ļblico, etc.

CBF: O S√£o Paulo Futebol Clube sempre teve uma postura independente em rela√ß√£o √† CBF, mas ap√≥s o Tricampeonato brasileiro, eu diria que o nosso falecido presidente, Juvenal Juv√™ncio, foi no m√≠nimo, infantil, ‚Äúbatendo de frente‚ÄĚ com uma ‚Äúraposa felpuda‚ÄĚ experiente como Ricardo Teixeira.¬† Neste momento o projeto Morumbi ruiu.

Prefeitura e Governo do Estado: Desde o an√ļncio de que o Brasil seria sede da Copa do Mundo, nossos governantes sempre propagaram que n√£o haveria um centavo de dinheiro p√ļblico e n√£o foi isso o que aconteceu!

A Prefeitura concedeu ao Cor√≠nthians terreno p√ļblico que j√° deveria ter sido devolvido √† Administra√ß√£o por falta de cumprimento de diversos deveres. A constru√ß√£o do est√°dio j√° deveria ter sido realizada d√©cadas atr√°s, assim como benfeitorias.

N√£o bastasse a doa√ß√£o, nosso ex-prefeito¬† possibilitou √† Odebrecht a viabiliza√ß√£o de certificados, os famosos CIDS que vendidos no mercado poderiam ajudar a empreitada em cerca de 400 milh√Ķes de Reais.

Já o nosso querido governador, ajudou o Corinthians  na aquisição das arquibancadas móveis entre outras benesses.

O mais vergonhoso disso tudo é que o lema do Estado de São Paulo é NON DUCOR DUCO, o que significa, não sou conduzido, conduzo!

Se nossos governantes fossem firmes e peitassem esta ação da FIFA/CBF, a população não teria gasto um centavo e o Morumbi seria aceito.

N√£o haveria Copa sem S√£o Paulo, seria um retumbante fracasso! Governador e Prefeito n√£o tiveram coragem de pagar para ver!

Corinthians: no seu papel de prejudicar o co-irm√£o como sempre.

Na primeira oportunidade de construir o seu est√°dio, o Sr Andres Sanches, n√£o se preocupou nem ao menos em fazer contas de padeiro para verificar que toda aquela ostenta√ß√£o sairia por mais de 1 Bilh√£o. Quando ele alegava que seria 450 milh√Ķes, eu j√° havia escrito uma coluna neste blog de que n√£o sairia por menos de 1 bilh√£o. Hoje, as estimativas com juros est√£o na casa de 1,5 Bilh√£o de Reais.

Portanto, o Estádio Cícero Pompeu de Toledo, por manobras ilícitas, e interesses que certamente não são os da população de São Paulo, foi excluído da Copa do Mundo.

Alguns v√£o dizer: ‚ÄúFoi √≥timo. Assim n√£o ficamos mais endividados!‚ÄĚ

N√£o! Isso nos custou muito!

A começar pela linha Amarela e a linha Ouro do Metropolitano.

Se estas linhas fossem entregues conforme o plano estrat√©gico de transportes para a Copa do Mundo, ter√≠amos uma esta√ß√£o em frente ao est√°dio, o que no m√≠nimo agregaria um p√ļblico da ordem de 30% a mais em cada jogo, refletindo nos cofres do clube.

Haveria tamb√©m o estacionamento! Quanto isso poderia agregar de p√ļblico? Jamais iremos saber….

O estádio receberia a tão aguardada cobertura, e isso daria mais conforto à torcida e certamente aumento de arrecadação.

√Č claro que tudo isto teria um custo, mas n√£o seria absurdo se o projeto inicial fosse aceito e as empreiteiras brigariam para toc√°-lo tendo em vista a visibilidade e a regi√£o.

Todo este cenário seria excelente, porém, o que nos restou de toda esta celeuma foram pagamentos milionários para projetos que jamais seriam executados  e a queda vertiginosa de uma das nossas principais rendas que sempre foram os Shows para o Allianz Parque, que aproveitou-se da questão da modernidade para deixar o Morumbi para trás.

Se tiv√©ssemos a esta√ß√£o S√£o Paulo-Morumbi da linha amarela, a Esta√ß√£o Est√°dio do Morumbi da linha Ouro, estacionamento e cobertura, com uma capacidade muito maior de p√ļblico, o Morumbi continuaria soberano tamb√©m nos shows e¬† n√£o perder√≠amos este tipo de renda para o rival.

Bem, colocados todos estes pontos, de acordo com as provas produzidas pela justi√ßa, e tamb√©m pelo caso FIFA, caberia ao nosso querido Leco, ingressar com a√ß√Ķes na Justi√ßa mensurando tudo o que o S√£o Paulo Futebol Clube gastou nesta empreitada e tudo o que deixou de ganhar, inclusive com as finan√ßas fragilizadas, pois √© p√ļblico e not√≥rio que tudo n√£o passou de artimanha para construir outro est√°dio na cidade.

Comprovada a ilegalidade de todos estes atos, o São Paulo Futebol  Clube, maior prejudicado, tem que fazer valer seus direitos!

Quem ganhou com toda esta operação tem que nos ressarcir! Seja m partidos, governantes, Odebrecht, ou seja lá quem for!

Eduardo Ribeiro