Viagens ao Sub Mundo – Sobre Liberdade e Glória

Sobre liberdade e glória.

 

Saudades?

Mais uma vez, fora de decisões. Eliminados, estamos acompanhando com mais atenção os acontecimentos de outros times.

O último destaque positivo nosso foi a atitude de Rodrigo Caio. Que, ainda assim, foi contestada por variados motivos, todos embasados na natureza de quem a criticou.

Todavia, se fosse uma falta dentro da área que ele tivesse cometido, mas que o juiz tivesse dado fora, certamente ele não acusaria o erro. Ou posso estar enganado.

Indo além, se ‘tivéssemos tido’ capacidade para fazer os gols necessários e não sofrer os gols sofridos, Rodrigo seria considerado herói até pelos que tanto massacraram o jogador. Ou posso estar enganado².

 

Herói?

Felipe Melo é o bruto. O jogador que não leva desaforo pra casa. Que parte pra agressão, que ajuda na briga, que promete bater na cara, e bate.

Valentia. Marrento. Xerife.

Os uruguaios foram covardes. A confusão foi generalizada, com cenas que estão cada vez mais presentes nos campeonatos. Atitudes infelizes por todos os lados. Provocações compreensíveis, por causa do sangue quente, do calor do momento.

Punir?

Não seria melhor deixar como está? Segue o jogo. Punir como estão punindo ultimamente não tem dado certo, aparentemente. Jogador quebra a perna do outro e entra em campo pouco tempo depois, pronto pra quebrar a perna do próximo. Na televisão, os detalhes ricos dos lances cruéis. Os programas de ‘mesa redonda’ ficam lotados de assuntos assim. Parece ser interessante para as emissoras, pra imprensa em geral. O show de horrores tem chamado ainda mais a atenção e deixa o cidadão com os olhos fixados na tela, curtindo.

Ou vai me dizer que não tem gente que adora cenas violentas da vida real envolvendo a polícia, os vândalos, os trabalhadores, os torcedores, os cidadãos de bem, os jogadores?

Você pode não acreditar, mas tem gente que, do alto de seus sofás-tronos, ligam a televisão sedentos por mais e mais barbáries contra aqueles que torcem pro time adversário. É o calor do momento que faz você soltar aquele sorriso cheio de dentes quando o torcedor corinthiano vestindo camisa da Gaviões, com o filho nos braços, leva uma porrada com cassetete na perna e despenca vários lances de arquibancada (mas ‘falaram’ que ele estava há poucos minutos junto à organizada, depredando o estádio do rival, chutando o alambrado), ou quando você vê o policial (porco fardado) sangrando após uma explosão de morteiro acontecer em cima do seu capacete enquanto ele fazia parte do cordão humano que separava a torcida do seu time do espaço que ela se via no direito de ocupar.

Você tem o direito de se manifestar aplaudindo o sangue que escorre e urrando de satisfação nas redes sociais, nos bares, em sua própria casa, pedindo por mais e mais.

É a liberdade de expressão que te faz ser o que é.

 

E, se ser o que temos sido é bom, pra que melhorar?

Uma curiosidade que tem surgido é a respeito do que foi planejado pela nova diretoria.

Será que o plano é se classificar para a Libertadores do ano que vem?

Ou não cair para a segunda divisão?

Chegar nas oitavas do próximo torneio eliminatório?

 

Eliminatório.

Estamos fora dos campeonatos em andamento. Estamos sem jogar. Sinto saudades…

Saudades do São Paulo, ou de um time que, internamente, não se vê apto para ser campeão?

Saudades do São Paulo?

Vamos torcer por empates contra times grandes, contra rivais.

Porque nosso elenco está abaixo dos outros.

Mesmo que no final do campeonato estejamos atrás de times com folhas salariais que não paguem nosso trio de ataque, tudo será compreensível. É a tal da Fé, que nos fará acreditar em 2018.

2018 com Leco presidente.

Espera.. nem acabou o primeiro semestre ainda.

Tempo para mudar tudo isso é o que não falta.

Tempo para melhorar a forma de enxergar o presente é o que não falta.

As Glórias do Passado não devem ser menosprezadas. Jamais! Elas são o significado do Hino, quando ele explicita a maravilhosa sensação de sermos o São Paulo Futebol Clube. Porque, queira você ou não, elas deixam claro que HOJE podemos ir além. Afinal de contas, as Glórias do Passado um dia foram PRESENTE. Acordar num futuro sem Glórias de AGORA é não ter razão para haver Hino.

Não acreditar que é possível HOJE é não se importar com o São Paulo Futebol Clube de AMANHÃ.

Mas você pode pensar diferente. Pode se contentar com as Glórias do Passado que já temos e achá-las o suficiente.

Você tem liberdade pra isso.

É o que você quer?

Ronnie Mancuzo – Sub


 

Sem jogos recentes para busca de vídeos sobre, me permiti compartilhar com o Blog do São Paulo um vídeo de uma apresentação magnífica de Belchior para um programa de televisão.

A legenda não mostra detalhes sobre data, sobre programa, sobre emissora.

Mas a música é Galos, Noites e Quintais, com um maravilhoso dueto de cordas.

Solo formidável de Diego Figueiredo. Solo que todo amante da guitarra, da música aplaude em pé.

Belchior… digito agora com os olhos marejados.. cantando muito mais.

 

Quando eu não tinha o olhar lacrimoso, que hoje eu trago e tenho.

Quando adoçava meu pranto e meu sono, no bagaço de cana do engenho.

Quando eu ganhava esse mundo de meu Deus, fazendo eu mesmo o meu caminho por entre as fileiras do milho verde que ondeia, com saudade do verde marinho.

Eu era alegre como um rio, um bicho, um bando de pardais.

Como um galo, quando havia… quando havia galos, noites e quintais.

Mas veio o tempo negro e, à força, fez comigo o mal que a força sempre faz.

Não sou feliz, mas não sou mudo.

Hoje eu canto muito mais.

Anúncios

38 comentários

  1. “Não acreditar que é possível HOJE é não se importar com o São Paulo Futebol Clube de AMANHÃ.”

    Bela frase. Resume muito o que tenho lido ultimamente aqui no blog, de torcedores que, no afã de provar seu ponto de vista (“não gosto do Ceni”; “não gosto do Leco”; “tomara que perca para que venha um técnico de verdade” – e nem sei se há este nome no mercado) se esquecem que este blog só existe em razão daquilo que nos une, mesmo sendo desconhecidos: o São Paulo.
    A fase é ruim, mas torcer contra ou não se importar é doer.

    Curtido por 1 pessoa

    • Obrigado por participar do assunto, Flávio.
      E você foi perfeito na colocação sobre não se importar.
      Sabe, o que assusta é quando percebemos a própria diretoria não se importando com alguns dos pontos da coluna, como a falta de títulos e a colocação final de campeonatos atrás de times financeiramente inferiores.

      Curtir

      • Exatamente, Sub, mas independente disso (ou deles), nós não podemos abandonar o São Paulo. Eles, eu, você e todos aqui passaremos e o São Paulo, espero, perseverará.

        Curtir

  2. Excelente lembrança, não só pelo grande Belchior quanto pela letra escolhida.
    Um clube como o nosso, que chegou aonde chegou, nunca será pequeno. Nem por decreto dos adversários nem do mais pessimista torcedor tricolor. “Não sou feliz, mas não sou mudo. Hoje eu canto muito mais.”

    Curtido por 1 pessoa

    • O refrão é justamente a parte que mais forte é entoada, cantada.
      E cantaremos muito mais.
      E ainda mais fortes com os títulos que tanto almejamos como torcedores.

      Abraço, Mario!

      Curtir

  3. Primeiro: Não deu para ler tudo! Muitos assuntos e um texto prolixo demais!
    Segundo: O SPFC e principalmente nós torcedores vamos continuar sofrendo pois essa diretoria incompetente e corrupta nada vai mudar, assim como o Brasil com esse políticos corruptos e esse Judiciário que é mais uma banca de advogados dos bandidos do que um judiciário para cumprir as leis!
    Terceiro: Não punir???? Que absurdo! Não sei porque perco meu tempo lendo essa opinião de bosta!
    É por isso que o nosso futebolzinho está falido e a Europa é o maior sucesso! Compare os espetáculos e veja quanto vale cada um! Tudo na Europa é acompanhado e punido exemplarmente quando se tem algum problema desses!
    RESUMO: Na hora do futebol vou arrumar outra coisa para fazer!

    Curtido por 1 pessoa

  4. Acho que até o Natal termino de ler tudo.

    Mas me lembro da letra de ‘Como Nossos Pais’, que ele escreveu: “Viver é melhor que sonhar”… “Já faz tempo”…. “Minha dor é perceber que apesar de termos feito tudo, tudo, tudo”; e apesar “de tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos…”.

    Esse Belchior foi demais! Parece até que estava falando dos nossos dias de hoje.

    Curtido por 1 pessoa

    • Pedro.. feriado de 1º de maio e eu digitei como um louco aqui um monte de letras… acredita que ainda tive que dar uma enxugada?
      rsrsrs

      Passei o final de semana todo ouvindo Belchior… como costumeiramente faço.
      Ele escrevia sobre tudo, como se não houvesse interferência do tempo.
      Atemporal.
      Obrigado por comentar.

      Curtir

  5. Ainda de Post Anterior:

    Joaquim e Juliano (parece dupla caipira… Rsss):
    Meus caros, eu não disse que o Dario era igual ao Miranda ou muito menos igual ao
    Lugano, eu apenas usei um termo de comparação (mas guardadas as devidas
    proporções) e usei 2 ídolos do clube que são mais atuais e conhecidos para a
    maioria dos colegas aqui do Blog para passar uma idéia de que o Dario tinha técnica
    e elegância além de raça e liderança, e para aqueles que não o viram jogar, apenas
    isso…
    E concordo com vc, Joaquim, pois Dario era especial mesmo. Tanto que vários
    jornalistas diziam no início dos anos 80 que era uma pena o Dario não ser brasileiro
    pois se fosse era titular absoluto na zaga da Seleção, tamanha sua categoria e
    liderança em campo.
    Eu me lembro inclusive de uma época em que meu pai comparava a dupla de zaga e
    dizia: “Oscar é o que chamo de craque, mas o Dario, não, o Dario é um cara bem
    acima da média, é o chamado Fora-De-Série, está acima do craque. Ele sabe encarar
    uma situação durante o jogo, antever e saber fazer a leitura certa naquela jogada,
    intervir de forma certeira e sair jogando…”
    Dos zagueiros pela esquerda ou quarto-zagueiro (como falava-se na época), Dario foi
    o melhor que vi no SP. Depois dele, foram o Ricardo Rocha e o Valber.

    Marcio
    E temos que agradecer muito ao Carlos Alberto Silva por resolver improvisá-lo na zaga
    e ter “descoberto” um dos maiores zagueiros da história.

    Jac_Tricolor
    Verdade!
    Dario veio para ser o novo meia armador substituindo o lendário Pedro Rocha.
    Depois de contundir-se e em seu retorno gradual, num jogo do SP o Carlos Alberto Silva
    improvisou ele na zaga, e nunca mais saiu! E fez história!

    Curtir

  6. Ainda de Post anterior:

    ppedroso
    Naquele time de 80 que tinha o Dario Pereyra e era chamado de máquina, mas uma
    máquina com peças falhas: Airton, Almir e Heriberto. Em 81 chegaram Marinho
    Chagas e Mário Sérgio e Everton, mesmo assim não deu pra faturar um Brasileirão,
    mas o Mário chegou depois da final do BR-81.

    Joaquim Paulino
    O Almir era mais o menos o que é o Hudson , um poco melhor talvez. O longuinho
    ( heriberto) como meia era dose. E o Airton era fraco também. Agora, Marinho Chagas
    foi o melhor lateral-esquerdo que o SPFC já teve, superior inclusive a Serginho.
    Everton era um jogador voluntarioso, de bom chute, mas inferior a um Cueva, por
    exemplo

    Jac_Tricolor
    Opa!
    Marinho Chagas foi espetacular, mas Serginho não pode ser considerado abaixo dele.
    Em minha opinião, Marinho Chagas, Serginho, Leonardo e Júnior estão todos mais ou
    menos no mesmo nível. Não dá para colocar nenhum deles como muito mais ou muito
    menos que o outro, não…
    E cito ainda o André Luiz, que inclusive atuou algumas vezes como Meia, assim como
    o Leonardo.

    Curtir

  7. As glorias do passado com certeza mostram que para o são paulo tudo é possível , não espero menos do são paulo do que lutar por titulos é o minimo para um clube dessa grandeza , que nunca perdeu uma final de mundial , mesmo lutando contra barcelona , milan e liverpool . duvido que outro clube brasileiro consiga essa façanha , conquistamos tudo isso não de graça mais trabalhando duro pra isso , mais infelizmente a soberba tomou conta de nossos dirigentes , que se mostraram despreparados para gerir um clube dessa grandeza , ouvi uma vez na época do Juvenal depois de demitirem o Muricy , que o são paulo não precisava de um grande tecnico , que qualquer um ganhava no são paulo , depois disso os treinadores não tiveram mais exito no clube e não pararam mais de 1 e meio no clube , eu não concordo com a visão de que entramos no brasileirão para lutar no máximo por uma vaga na libertadores , isso não mostra uma analise realista do futebol brasileiro , por parte dos nossos comandantes , pode se dizer que palmeiras e flamengo tem elenco melhores , mais não estão jogando em um nível acima dos demais times em que é impossível competir , alias no futebol brasileiro é tudo nivelado por baixo , oque explica uma final com corinthians e ponte , dois times que realmente estariam de quarta força do estado , dai pra baixo , mais parece que oque importa é o trabalho que é desempenhado e não o bla bla bla , que temos elenco , somos um grande time .

    Não surpreende a reportagem do Tiago Mendes , falando que os jogadores ainda não compreendem o esquema e filosofia de jogo do Rogerio Ceni , isso é visível e não é só ele , é nítido o time não compreende , pra mim isso explica as desorganização to time no segundo tempo das partidas não só pelo cansaço , falamos que os volantes tem que aparecer mais , que falta proteção a zaga , pra mm não é só filosofia e esquema de jogo que fizeram o time do barcelona , mais a capacidade técnica dos jogadores aliada capacidade dos jogadores compreender o esquema de jogo ,desempenho , pra mim um profissional um técnico de futebol ele tem que usar a seu favor o conhecimento futebolistico sim , sobre tática e esquemas e filosofia , mais tudo isso é adaptado ao um contexto , capacidade do jogador , pode sofrer variação , pra mim oque mais podia ajudar o Rogerio é o conhecimento do futebol brasileiro , diferente de outro treinador que viesse de fora como foi o Bauza , eu com certeza no lugar dele implantaria a mesma filosofia de jogo que esta implantado , mais faria um transição me preocupando em implantar essa filosofia , sem abrir mão da qualidade de jogo e a responsabilidade de ganhar que uma camisa como a do são paulo pede . tendo em vista o nível de atuação das outras equipes , pra mim tem jogo que você tem que se preocupar em entrar pra ganhar independente de filosofia caso a coisa complique , e vc não pode abrir mão disso , e tem outros que vc pode aproveitar para desenvolver seu jogo .

    Curtido por 1 pessoa

  8. Parabens pelo comentario mauricio,
    O murricy uma vez disse que no futebol o que importa é o resultado, o parreira tambem acha isso, o felipão, o mano, carrile, abelão e muitos outros…não é fácil ser diferente disso ter outro pensamento,

    Não , não. não …… pra mim futebol é outra coisa eu não vejo o barcelona não porque eles tem messi, neymala ou suares..eu gosto de ver o time deles jogarem pela filosofia de jogo, domínio e preenchimento dos espaços no campo de futebol….ganhar, perder isso nos sabemos bem o que é …esqueçam as derrotas pois a vitorias virão mas não de qualquer jeito por acaso, sem construção de jogadas, triangulações, jogadas ensaiadas….isso leva tempo pra construir não é em 3 meses que vai estar pronto….eu não sou torcedor de vitorias eu sou torcedor de bom futebol …porque quando se joga bem a vitoria sempre estará mais próxima…ou quase sempre…pois futebol não tem muita logica….

    força Ceni a luta está apenas começando eu prefiro esperar o final dessa partida pois o que você está construindo será duradouro….assim como foi com o Telê.

    Curtido por 1 pessoa

    • Você não entendeu oque eu quis dizer ou eu não expliquei direito , eu disse que implantaria a mesma filosofia de jogo que o Rogerio , mais fazendo uma transição , sem abrir mão do resultado , porque temos condições de jogar de igual para igual contra qualquer time , em nenhum momento defendi o futebol feio ou de resultado , eu disse que em alguns jogos ,tem que se abrir mão da filosofia e saber analizar o jogo ,e ver oque é melhor para time sair com a vitória e não simplesmente ficar amarrado a filosofia , hoje esta jogando o real madrid , olha o ataque deles , são jogadores fortes , de explosão e bons no mano a mano e nas jogadas de áreas , tanto o zidane quanto o ex técnico o Ancelloti exploravam isso , as jogadas diretas e movimentação desses jogadores e as jogadas de lado com eles na área , o Ancelloti foi pro Bayer e não ficou preso a isso ou tentou mudar tudo de uma vez , joga como o Guardiola jogava com poucas mudanças , aproveitando a característica do time e dos jogadores que estão lá agora , ou seja sabem de responsabilidade de ganhar o jogos , e sabem ver oque é melhor para a equipe , pra mim o barcelona do guardiola foi perfeito , mais o Bayer eu gostava mais como jogava entes do Guardiola chegar lá o time que foi campeão da liga , sem tanta posse de bola , com apenas dois volantes , o time do Bayer que foi campeão da liga .

      Curtir

  9. Parabéns Sub. Admiro muito seu “ser humano”. Quebra às vezes o clima ruim que alguns adoram construir aqui no blog.

    Bem lembrado pela boa homenagem a esse “cara” Belchior…”mito”. Eu já tive o prazer de me sentar com ele e tomar uns goles de vinho e ouvir suas piadas…”sem graça”, mas que ele mesmo achava tanta graça que eu até ria com ele…rsrsrsrsrs. Pessoa interessante ele era. Mas suas canções não entrou em muitos ouvidos quanto deveria. Que vá cantar e encantar em outro mundo que lhe dê valor. Abraço Sub.

    Curtido por 2 pessoas

  10. policial (porco fardado)???
    Como assim?

    Não é porque acho as colunas deste “cidadão” fraquíssimas que venho aqui dizer que o colunista é um B@#$%.
    Respeito ao próximo não faz mal a ninguém. Deveria ser moderado esse tipo de coisa.

    Curtir

    • Boa noite, Rafa…

      Só percebi isto agora, lendo seu comentário.
      Não digo moderação, pois os colunistas são livres para se expressar.

      Mesmo não sendo de nossa autoria e responsabilidade, pedimos sinceras desculpas a você e/ou outra pessoa que possa ter se sentido atingida por este fato.

      Curtir

    • Boa noite, Rafa.
      Por respeito ao Blog e aos demais frequentadores, me vi na necessidade de te explicar esta parte que você apontou.
      Aqui a transcrição do parágrafo:

      “Você pode não acreditar, mas tem gente que, do alto de seus sofás-tronos, ligam a televisão sedentos por mais e mais barbáries contra aqueles que torcem pro time adversário. É o calor do momento que faz você soltar aquele sorriso cheio de dentes quando o torcedor corinthiano vestindo camisa da Gaviões, com o filho nos braços, leva uma porrada com cassetete na perna e despenca vários lances de arquibancada (mas ‘falaram’ que ele estava há poucos minutos junto à organizada, depredando o estádio do rival, chutando o alambrado), ou quando você vê o policial (porco fardado) sangrando após uma explosão de morteiro acontecer em cima do seu capacete enquanto ele fazia parte do cordão humano que separava a torcida do seu time do espaço que ela se via no direito de ocupar.”

      No início do parágrafo, está colocado o apontamento que vai reger o restante do contexto, que expõe a ideia de que existem pessoas que buscam saciar a sede particular de violência contra aqueles que elas consideram inimigas.
      Ao ser inserido o termo ‘porco fardado’, a intenção foi justamente adicionar entre elas aqueles que pensam que o policial efetuando seu trabalho digno é merecedor de adjetivo tão ofensivo e repugnante.
      No contexto da coluna, ao utilizar ‘você’, na parte ‘é o calor do momento que faz você soltar aquele sorriso cheio de dentes quando o torcedor corinthiano…’, conforme anteriormente foi apresentado, existe o questionamento sobre ser realmente importante deixarmos de nos atentar para a gravidade dos pensamentos de ódio que infelizmente surgem nas pessoas.
      Ao ser colocado entre parênteses, primeiramente, a ‘desculpa’ dada para que o pai torcedor que segura o filho seja merecedor da agressão que o faz cair lances de arquibancada, também foi colocado entre parênteses o tipo de pensamento esdrúxulo de que policial (uma das mais nobres atividades do ser humano) é um porco fardado.

      Se em todo o texto existe uma crítica aos pensamentos tristes de ódio que estão proliferando bastante nos últimos dias, não haveria razão para que na coluna houvesse qualquer tipo de ofensa a qualquer pessoa, inclusive aos que nutrem o ódio.

      Também quero deixar minhas considerações a você, que por algum tipo de acidente (tanto meu, por não deixar clara a ideia, como da interpretação do leitor) acabou se vendo ofendido e respondeu da forma que achou correta. Peço humildes desculpas.

      Curtir

      • Olha… Infelizmente, escrever verdades sobre o “povo” e o “país” em certos momentos… tem que ter muito cuidado para expor o assunto mano véio. Muitos leem com os olhos e não com a mente “aberta” e coração “manso”. Interpretação é uma dádiva e o dom está em poucos aqui nesse “brasil”.

        Eu entendi perfeitamente seu texto. Sinto por aqueles que não usam os óculos do conhecimento, que vislumbram o horizonte de uma forma tão…tão…sei lá…nem posso dizer, porque é tão belo e infinito que meus olhos do corpo turvam meus “olhos” da alma. Se “eu” não consigo entender a essência das palavras, melhor nem comentar então não é mesmo meu amigo???

        Fica a dica… se usarem ” ” ( ) // ** são ferramentas que tem o poder de transformar palavras. rsrsrrs.
        Abraço pessoal.

        Curtido por 1 pessoa

        • Valeu, Ronagom.
          Assusta esse tipo de atitude do rapaz. Felizmente, ele mostrou que não gosta dos textos que lê nas colunas que escrevo e, portanto, não teve o mínimo de esforço para compreender todo o contexto.

          Curtir

          • Se no dia Internacional de liberdade da imprensa, um articulista precisa vir a público explicar ou desculpar-se por um determinado contexto de seu texto …, desencanta Ronnie.

            Tem gente que só quer complicar …, ou finge não entender.

            Em caso de déficit intelectual, o sujeito poderá procurar no Google um curso intensivo de interpretação e figuras de linguagem.

            Ou o que é melhor: deixe o sujeito com dúvida eterna martelando seu cérebro.

            Em época de intolerância, nem sempre o diálogo é alternativa.

            Curtido por 1 pessoa

  11. Infelizmente há tempos somos motivo de gozação por parte dos demais torcedores paulistas, pois as várias conquistas do nosso querido tricolor serviram para que a soberba e a empáfia de alguns gestores do clube achassem que a estrutura por si só nos manteria na liderança por muitos anos (ledo engano).
    Quando estatuto e a história do clube foram rasgados e jogados literalmente na lata do lixo com a prorrogação do mandato do falecido JJ começamos a ficar para trás dentro e fora de campo.
    Hoje somos a 4a ou 5a força do futebol paulista, nosso estádio está ultrapassado e obsoleto para os padrões atuais e entra ano sai ano somos eliminados de forma vexatória em torneios mata-mata.
    Dos grandes paulistas o nosso tricolor é o mais jovem, portanto talvez sirva de alento para um novo futuro para esse time de futebol que passei a amar e idolatrar há muitos anos.

    Curtir

Comente aqui, Tricolor!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s