O nosso maior goleiro de todos os tempos, Zetti.

Sim, pois no tricolor temos goleiros de todos os tipos, inclusive um arqueiro goleador que est√° fora de qualquer quest√£o, afinal, religi√£o n√£o se discute.

Saído de uma equipe de menor expressão da capital, onde tinha quebrado a perna, Zetti veio para ser reserva do goleiro Gilmar.

Era quase um recomeço.

A concorrência foi grande, e Gilmar acabou apelando.

Partiu para imprensa e começou a destratar publicamente Zetti.

Resultado, o bigodudo goleiro logo precisou ir atr√°s de outro clube.

O Flamengo o recebeu de braços abertos.

Quanto a Zetti…

Assumiu o gol tricolor, onde ficou até resolver jogar em equipes de menor expressão.

No tricolor, Zetti foi um ‚Äúmonstro‚ÄĚ.

Suas atua√ß√Ķes nas conquistas de Libertadores e Mundiais foram irretoc√°veis.

Estava lá na decisão por pênaltis na Taça Libertadores de 1992.

Defendeu o p√™nalti decisivo… gol de Zetti.

Para mim particularmente, no entanto, sua maior defesa aconteceria na final do ano seguinte.

Por mais que o placar final, 5 a 1, para o tricolor, passe a imagem de uma partida fácil, na verdade o jogo foi bem complicado no começo.

O Universidad Católica tinha um grande time.

Ainda no primeiro tempo, um zagueiro tricolor recuou uma bola, sem ver a posição de Zetti.

A bola foi forte em direção ao gol vazio.

Zetti em desembalada carreira partiu em dire√ß√£o da bola…

…para mim, que estava atr√°s do gol oposto… demorou quase uma hora rs rs

Com um toque de m√£o, mandou a bola para escanteio.

Mais um gol de Zetti.

Pouco minutos depois…

L√° estava Zetti defendendo uma bola a queima roupa…

Outro gol.

Por fim, anos depois, fez o que realmente é para poucos, algo digno apenas dos maiores.

Formou seu sucessor e no caso, que sucessor!!!

A maneira digna como saiu do São Paulo para abrir espaço a Rogério Ceni é uma das mais belas páginas da história do futebol.

Digno, não fez qualquer referência contrária aquele que iria substitui-lo.

Ali√°s, muito pelo contr√°rio, saiu pela porta da frente.

E sempre estará entre nós, tricolores.

José Renato Santiago