1992, vivíamos um dos nossos auges.

Tinhamos acabado de conquistar a nossa primeira Taça Libertadores.

J√° faz bem mais de 20 anos.

Antonio Carlos, até então, zagueiro titular tinha acabado de ser contratado pelo futebol espanhol.

Era o começo de sua decadência profissional em alviverdes e alvinegro de menor expressão.

O tricolor precisava se reforçar para o Mundial.

Naqueles tempos conquistá-lo demandava enfrentar forças como o Barcelona e Milan.

Após se destacar no alvinegro carioca, onde foi vice campeão brasileiro, Válber fora contratado.

V√°lber Roel de Oliveira, carioca, nascido em 31 de maio de 1967.

Na verdade, no √ļltimo campeonato nacional, jogara como meio campista e lateral esquerdo.

O Mestre Telê, no entanto, identificou que ele poderia se dar melhor na zaga.

E l√° foi V√°lber.

Foi uma quest√£o de tempo.

Passou a ser titular absoluto.

Uma habilidade descomunal.

Um defensor que desmarcava o advers√°rio, sem dar carrinho.

Acho que sequer sabia o que era isso.

E, para mim, um irrespons√°vel dentro da √°rea rs rs.

Diblava atacante dentro da sua √°rea defensiva.

Trazia a bola para o meio dela e saia jogando.

N√£o dava chut√£o.

Algo inacredit√°vel, que jamais vi sequer quando tivemos a maior dupla de zaga de todos os tempos do futebol mundial, Oscar e Dario Pereyra.

Este jogador genial, tinha sua fraqueza, “seu fora de campo”.

Eram frequentes seus sumiços após um grande jogo.

Juntamente com Muller, passou a fazer parte dos maiores pesadelos do Mestre Telê.

Quando n√£o era um, era outro.

Ou at√© mesmo os dois…

Parece que combinavam.

Isso acabou por abreviar sua carreira em alto nível.

No tricolor foram 160 partidas, com 81 vitórias.

Marcou 5 gols, o primeiro deles em 13 de outubro de 1992, em goleada frente os alvinegros santistas, por 4 a 1: https://www.youtube.com/watch?v=Bu2JV456WyA

José Renato Santiago