Sauda√ß√Ķes tricolores,

2016 acabou. Sim, acabou. Esqueçam fórmulas matemáticas, desempenho surreal ou qualquer chance de algo além da permanência na Série A do Brasileirão. Não, esse time não vai brigar por G4. Já nos iludimos demais por 2016, por favor, não cogitem isso. Se escapar da degola tá bom demais, sério. E mesmo com doses variáveis de emoção rodada a rodada, a tendência é que tenhamos êxito em evitar um vexame AINDA PIOR.

Independente do que aconteça daqui até dezembro (entenda-se rebaixados ou não), o elenco PRECISA de mudanças significativas se quiser SONHAR com um 2017 minimamente promissor.

E l√° vem text√£o, preparem-se:

Antes de come√ßar a analisar nomes e posi√ß√Ķes, importante ter em conta e sermos realistas que nosso elenco √© fraco e o time √© m√©dio. E m√©dio n√£o serve. Isto posto, precisamos uma espinha dorsal nova, o que nos obriga a mexer em TUDO.

GOLEIROS: Denis provou por A+B porque não serve para o SPFC. Não como titular. Ele é, para se dizer o mínimo, ZICADO. Quando vai bem, toma um gol escroto. Quando vai mal, falha grotesca e sucessivamente. Dá sustos constantes. Vive de defesas elásticas que dão ao torcedor a falsa impressão de que é confiável ou coisa que o valha. Goleiro precisa ser estável, uma coisa meio Dida, que fazia poucos milagres, falhava raramente e tudo isso se justificava pelo posicionamento, que tornava a intervenção algo simples. Entregar a 1 ao Renan Ribeiro seria, outra vez, pisar em terreno instável, embora ele tenha correspondido bem quando chamado. E Léo, pelos anos dedicados ao SPFC, até mereceria uma chance, mas se não a teve até agora, algo fica no ar quanto a sua capacidade. Logo, precisamos de um goleiro para ontem. Experiente, seguro e que se imponha perante os adversários. Se possível, gringo, já que a atual safra nacional da posição não está boa. Meus alvos seriam Armani (Atletico Nacional) e Barovero (ex-River Plate, atual Necaxa).

LATERAIS: Ter laterais ruins ou abaixo da cr√≠tica √© uma regra velada no futebol brasileiro. A quest√£o √© como fazer com que eles comprometam POUCO. O lado direito conta com Buffarini (mais completo e regular) e Bruno (experiente, tal e coisa, mas uma l√°stima na defesa. Sobrevive da ajuda no apoio que o faz um dos l√≠deres em assist√™ncias do elenco). N√£o vejo necessidade de mudar algo aqui, a menos que seja algu√©m melhor do que j√° temos. (Auro. Auro. Auro. At√© testado mais adiantado foi e n√£o vingou. N√£o serve.) J√° a lateral-esquerda…bom, temos Mena, Carlinhos¬† e Matheus Reis. Mena n√£o sabe apoiar, cruza mal, mas entende como fechar o seu lado ao defender. √Č limitado? √Č. Mas tamb√©m √© experiente, n√£o treme em embates truncados e realmente est√° fechado com o grupo. Carlinhos dribla e ataca como ponta mas n√£o possui f√≠sico para ir e voltar tantas vezes raz√£o pela qual seu desempenho defensivo beira o MEDONHO. Mas, doa o que doer, √© uma alternativa diferente. Seja l√° qual dos dois seja premiado com a dispensa do SPFC (lembrando que Mena t√° emprestado do Cruzeiro), √© fato que aqui precisamos de algu√©m. Sobre Matheus, o garoto poderia ser mantido para aprender mais ou ser emprestado, tanto faz. (S√≥ me lembrei de um potencial alvo, n√£o muito animador: Fabr√≠cio, encostado no Palmeiras.)

DEFESA: No pior cenário, perderemos Rodrigo Caio no final do ano. Com isso teríamos Maicon, Lyanco e Douglas. E Lugano. Se esse Douglas aí for um Fabão da vida, ótimo, podemos fechar o grupo com mais um zagueiro da base. Agora, se for uma cópia mal tirada do Luiz Eduardo, precisaremos de mais um. Se esse mais um será o Breno, só o tempo dirá, mas não é saudável criarmos expectativas sobre ele. Seja como for, a defesa não é o maior dos problemas.

VOLANTES: Aqui t√° o ponto mais CR√ćTICO. Sim. O Denis falha, a defesa bate cabe√ßa vez ou outra, mas a vol√Ęncia do SPFC √©, para usar termos adequados, HORROROSA. A meu ver, o melhor volante n√£o joga. Jo√£o Schmidt marca, desarma e passa a bola, no m√≠nimo, OITOCENTAS VEZES MAIS que o Hudson e o Mendes JUNTOS. Sobre Hudson, cara, obrigado pelas temporadas vividas, mas chega. √Č um marcador aguerrido por√©m nada que agregue valor √† equipe. N√£o chega bem no ataque, n√£o distribui o jogo com intelig√™ncia, enfim √© muito pouco pra um volante do SPFC. Thiago Mendes e Wesley devem beber √°gua no mesmo copo. Mendes √© r√°pido, voluntarioso, mas tamb√©m sofre do mal de marcar pouco, se apresentar pouco para arremates ou organiza√ß√£o do jogo. E, Wesley, apesar dos recentes ACEIT√ĀVEIS minutos em campo, n√£o d√° mais. N√£o vou falar do menino Artur, n√£o tenho como avaliar os poucos instantes em campo que nada mostraram. Mas √© EVIDENTE que precisamos de NO M√ćNIMO dois volantes. Um mais t√©cnico, outro com o selo SANDRO GOIANO para ambos ajudarem Schmidt, pe√ßa-chave da nossa nova meia-cancha em 2017.

MEIAS ‚Äď Daniel do pouco que jogou nada diferenciado surgiu, sem contar sua predile√ß√£o por atividades junto ao REFFIS. Michel Bastos de sa√≠da. Sobram aqui Cueva e Lucas Fernandes (est√° vivo, apenas machucado). Chegou um cidad√£o a√≠ da S√©rie B, por√©m, sejamos claros: um meia √© necess√°rio. (At√© entendendo que o Cueva pode ser esse cara centralizado. Ele tem capacidade de se transformar num D‚ÄôAlessandro, num Conca da vida. Que vem de tr√°s, se enfia na √°rea, organiza o time, chega batendo de fora da √°rea, chama a responsa nos p√™naltis, etc. e tal.¬† Mas precisa de mais um ali para ajud√°-lo numa situa√ß√£o mais extrema). Com Fernandes ainda verde, enfim, um meia meio D√ĀTOLO pode ser muito √ļtil.

ATACANTES ‚Äď Pelo menos um nome ser√° indispens√°vel. Vamos l√°: Kelvin. √Č r√°pido, boa gente, obediente. E s√≥. Cruza maomeno, finaliza desgra√ßadamente mal, ou seja, renovar porque ajuda na composi√ß√£o defensiva √© um erro crasso de FUN√á√ÉO SOCIAL do jogador. Atacantes, embora precisem seguir diretrizes t√°ticas, precisam ser efetivos no ataque e Kelvin n√£o √© esse cara. Ele fez o que? Dois gols? Suas assist√™ncias geralmente vieram de escanteios, ou seja, cria muito pouco. N√£o √© um mal jogador, mas √© aquilo que falei. M√©dio n√£o serve. Gilberto e Ytalo definitivamente n√£o merecem vaga no time titular. E mesmo na reserva s√£o pouco confi√°veis. Tchau. Luiz Ara√ļjo √© r√°pido e muito habilidoso. Se parar de cismar em querer fazer fila e pensar mais objetivamente √© uma excelente op√ß√£o ao Kelvin, tem talento ali. (Sem contar que ele at√© consegue levantar a bola na √°rea na altura da cabe√ßa dos nossos jogadores! N√£o vi nenhum cruzamento baixo dele). Sabe-deus quem, o que come, como vive e como joga esse Robson. No √ļnico lance dele que notei contra o Figueirense ele tentou correr atr√°s da bola e se jogou ou caiu ou ambos, sei l√°. Ch√°vez √© um cara bem limitado mas fazedor de gols. Pode jogar aberto ou centralizado, logo, precisa de uma companhia mais inteligente por perto. Nilmar? Calleri? Quem se habilita?

T√ČCNICO ‚Äď Os resultados s√£o mais culpa do elenco tosco que do t√©cnico. No entanto, n√£o vejo em Ricardo Gomes a C√ĀTEDRA necess√°ria para recolocar o SPFC na rota dos t√≠tulos. Embora tenha colocado um FIO DE AZEITE em um time bastante limitado, sua estranha obsess√£o com Wesley e a falta de recursos para mudar taticamente a equipe dep√Ķem contra ele. Ademais, o SPFC, hoje, precisa de algu√©m mais en√©rgico e energ√©tico. Notoriamente os t√©cnicos brasileiros est√£o desvalorizados. Ent√£o, voltemos √† f√≥rmula sudaca que estava dando certo. Rueda? Coudet? Gallardo? (Gallardo seria minha primeir√≠ssima op√ß√£o, vejam a hist√≥ria desse sujeito).

Assim, se você chegou até aqui, viu que uma nova base surgiria para 2017:

GOLEIRO, Buffarini/Bruno, Rodrigo Caio, Maicon e LAT.ESQUERDO. VOLANTE, Jo√£o Schmidt e Cueva. ATACANTE, Ch√°vez e Luiz Ara√ļjo. T√ČCNICO

Ou

GOLEIRO, Buffarini/Bruno, Rodrigo Caio, Maicon e LAT.ESQUERDO. VOLANTE, Jo√£o Schmidt e MEIA. Cueva, Ch√°vez e ATACANTE/Luiz Ara√ļjo. T√ČCNICO

Que tal?

Sempre a cornetar,

Gabriel Casaqui