Manifesto ao Conselho Deliberativo do SPFC

Ao Conselho Deliberativo do S√£o Paulo Futebol Clube,

Conselheiros, criem vergonha na cara!

O S√£o Paulo Futebol Clube √© gigante. Enorme! Muito maior do que qualquer √≠dolo que tenha passado pela nossa hist√≥ria, muito maior do que as vontades e manias de um Presidente ou “cartola”; e infinitamente maior do que voc√™, Conselheiro.

N√£o se sinta dono do SPFC, meu caro. Ele n√£o √© seu. Ali√°s, se voc√™ for mesmo S√£o Paulino, ele √© seu, mas √© t√£o seu quanto √© meu e de outros 20 milh√Ķes de torcedores apaixonados espalhados pelo mundo.

Não vou me debruçar sobre a vida política do clube, até porque os Srs que aí estão, e fazem parte dela, conhecem muito mais os detalhes do que eu, que estou de fora. Mas não se esqueçam, além de conhecerem os meandros da politicagem do clube, vocês РConselheiros Рsem exceção, também são todos culpados pela situação atual do futebol do clube.

Ali√°s, s√£o os √öNICOS culpados, j√° que o clube vem sendo tocado como o brinquedinho de uma confraria de aristocratas h√° anos. Um clubinho fechado que sufoca qualquer tentativa de novas ideias, qualquer sopro do NOVO dentro do clube. Basta notar a quantidade de filhos, sobrinhos, genros e similares de conselheiros entre os membros mais recentes (e n√£o necessariamente jovens) do Conselho Deliberativo.

Pois bem, como criticar √© sempre muito f√°cil. C√° estou eu tamb√©m para sugerir solu√ß√Ķes para o NOSSO S√£o Paulo FC.

S√£o tr√™s pilares para direcionar o clube no processo de reconstru√ß√£o esportiva, financeira e administrativa, em a√ß√Ķes de curto, m√©dio e longo prazo.

Curto Prazo (Ainda em 2016)

1) Desistam de 2016

Esqueçam esse papo de título de Copa do Brasil ou G4. Esse elenco (des)montado por Leco, Gustavo Vieira e Ataíde Gil Guerreiro já fará um milagre se não rebaixar o clube no Campeonato Brasileiro.

Organizem um pacto financeiro (que parece ser o √ļnico motivador de boa parte desses jogadores) pelos 47-48 pontos para evitar uma trag√©dia maior do que as que j√° estamos vivendo. Terminem o ano com um m√≠nimo de dignidade.

2) N√£o estraguem 2017

A ambi√ß√£o pol√≠tica (e o comportamento covarde) t√™m marcado toda a carreira de Leco dentro do clube. Por favor Sr Carlos Augusto de Barros e Silva, n√£o estrague o ano de 2017 com bal√Ķes de ensaio e contrata√ß√Ķes pirot√©cnicas para tentar se reeleger.

Senhores Conselheiros, parem essa comiss√£o de estatuto (at√© porque a assembleia realizada em 06 de agosto de nada vale), adiantem as elei√ß√Ķes para dezembro e quem for eleito presidente (voc√™ ou outro) poder√° escolher seu departamento de futebol, elenco etc. sem ter o primeiro ano de gest√£o e o or√ßamento comprometido pela gest√£o anterior.

3) Figuras viciadas do fracasso recente no futebol

Independentemente de quem ven√ßa as elei√ß√Ķes, as √ļltimas quatro temporadas do SPFC contaram com a presen√ßa de Gustavo Vieira de Oliveira e Ata√≠de Gil Guerreiro no comando do Departamento de Futebol.

Eles s√£o a cara do fracasso recente do futebol do clube, portanto – mesmo se o candidato apoiado por grupos pol√≠ticos ligados a eles ganhe a elei√ß√£o – devem ser desligados do futebol Tricolor. Gustavo deve ser demitido e os integrantes do grupo de AGG t√™m que “largar o osso” do departamento de futebol.

Médio Prazo (A partir de 2017)

1) Reformulação da Comissão Técnica: estabilidade e método

O SPFC foi, por muitos anos, referência para os especialistas do futebol, tanto em estrutura quanto em profissionais. Os melhores médicos, melhores fisioterapeutas, melhores preparadores físicos, melhores fisiologistas. Fomos o espelho/meta para clubes que hoje nos ultrapassaram de longe, como Santos, Galo, Inter e até o Corinthians.

√Č preciso montar uma comiss√£o t√©cnica fixa nos cargos-chave, com metodologias e filosofias que norteiem o trabalho do departamento de futebol, independentemente de quem seja o Treinador, o Gerente de Futebol etc. Se necess√°rio, inclusive, o SPFC deve buscar de volta profissionais que perdeu para rivais por conta da arrog√Ęncia de Juvenal Juv√™ncio e Adalberto Baptista, ou mesmo “tomar” profissionais que estejam se destacando nos rivais.

2) Reformulação na Gestão do Futebol: busca pela vanguarda

O SPFC é gigante e como tal deve ser gerido, principalmente o vestiário e campo. Nosso time profissional não pode servir de estágio probatório para treinadores jovens (Doriva, Sergio Baresi, André Jardine e similares), por mais promissores que sejam.

Al√©m disso, sempre fomos vanguardistas nos m√©todos de trabalhar e – sendo assim – n√£o podemos tornar o clube um cemit√©rio de dinossauros e medalh√Ķes (Le√£o, Carpeggiani, Abel Braga, Paulo Autuori, Muricy e similares) que fizeram sua carreira num tempo em que talento individual e motiva√ß√£o ($$$ ou psicol√≥gica) superavam o trabalho coletivo e a organiza√ß√£o t√°tica.

Basta ver que, entre clubes e sele√ß√Ķes, a grande maioria dos t√©cnicos de sucesso, e que s√£o considerados os melhores do mundo, iniciou sua carreira de treinador j√° nos anos 2.000 e seguem em constante evolu√ß√£o dos seus conceitos.

O SPFC precisa de um trabalho sério, de pelo menos 2, 3 anos, para montagem de um time, assimilação de uma filosofia de trabalho e conquista/disputa de títulos.

Não importa se estrangeiro ou brasileiro (embora poucos nomes nacionais se mostrem capacitados), precisamos de um treinador moderno, antenado, capacitado, mas com tarimba. Com experiência na disputa/conquista de títulos, revelação de jogadores e com passagem por times grandes (acostumado com a pressão).

Exemplos? De cabe√ßa consigo lembrar de Fernando Jubero (Ol√≠mpia-PAR), Reinaldo Rueda (Atl√©tico Nacional-COL), Roger Machado (Gr√™mio) e Dorival J√ļnior (Santos).

3) Reformulação do elenco: comprometimento e potencial

Est√° claro que o(s) elenco(s) montado(s) por Gustavo Vieira e Ata√≠de Gil Guerreiro no(s) √ļltimo(s) ano(s) n√£o serve(m). Embora possamos identificar bons valores e tamb√©m jovens com potencial ali no meio, √© n√≠tido que – no geral – a grande maioria desses atletas n√£o deu e n√£o dar√° certo no SPFC.

Portanto, a nova comiss√£o t√©cnica e o novo treinador devem ter total apoio e autonomia na reformula√ß√£o do elenco. Nada de apadrinhados, jogadores amigos de diretores/conselheiros etc. no elenco. O importante n√£o s√£o os nomes, mas sim que a sua escolha respeite crit√©rios t√©cnicos e n√£o de “business”.

Longo Prazo (no decorrer do mandato do próximo presidente)

1) Novo Estatuto: Modernidade

N√£o s√£o 120 dias de ‚Äúdiscuss√£o e sugest√Ķes‚ÄĚ que v√£o definir um novo Estatuto que v√° corrigir anos e mais anos de atraso no feudo montado por Juvenal Juv√™ncio e sua trupe.

√Č preciso discutir seriamente isso durante os tr√™s anos da pr√≥xima gest√£o presidencial, pois o novo estatuto dever√° nortear t√≥picos importantes da gest√£o Tricolor, dos quais falo a seguir.

2) Sócios devem votar

Chega das elei√ß√Ķes viciadas dessa confraria de aristocratas que se tornou o nosso Conselho Deliberativo, sempre decididas na base da troca de votos por cargos do que com base na plataforma de governo e dos planos para o clube.

√Č preciso definir um modelo para que S√≥cios do Clube e tamb√©m os S√≥cios Torcedores possam votar nas elei√ß√Ķes presidenciais. N√£o importa se seja um modelo de elei√ß√Ķes diretas ou indiretas, os S√≥cios t√™m o direito de participar e decidir o processo.

3) Separação Social e Futebol Profissional

Os caminhos do futebol n√£o podem ficar amarrados √† reforma de piscina, novas churrasqueiras ou a uma quadra de biribol. Essa “massaroca” de interesses s√≥ favorece a politicagem em detrimento de uma administra√ß√£o profissional.

4) Profissionalização da Gestão

Mais uma vez a busca pela vanguarda. O futebol movimenta muito dinheiro e m√°s decis√Ķes (ou m√°s inten√ß√Ķes) podem jogar pelo ralo dezenas de milh√Ķes. Assim como os neg√≥cios no entorno do esporte (marketing, TV, contratos de imagem etc.) se profissionalizaram, a gest√£o esportiva precisa ser feita por profissionais orientados e cobrados para apresentar resultados, esportivos e financeiros.

Chega desses supostos abnegados e amadores administrarem o clube sem qualquer responsabilidade ou consequência por atos irresponsáveis.

Precisamos de uma estrutura executiva na gestão do clube de futebol, com CEO > Diretores > Gestores e Coordenadores > Analistas e Assistentes. Todos remunerados, trazidos do mercado, com metas a cumprir, constantemente auditados e Рo principal Рsem qualquer apadrinhamento político.

A partir da√≠, a estrutura eleita (Presidente e VPs) passaria a compor um Conselho Administrativo que vai orientar, aconselhar, acompanhar e dar suporte aos executivos, mas que n√£o tomar√° mais as r√©deas das decis√Ķes di√°rias e sim cuidar√° de definir metas e objetivos de longo prazo para o clube, avaliar a gest√£o executiva e servir de ponte entre a gest√£o executiva e o Conselho Deliberativo.

Governança corporativa e gestão executiva profissional urgente!

5) Enfrentamento da Dívida

Anos e anos de gest√Ķes amadoras levaram diversos clubes brasileiros (e do exterior) ao caos financeiro, quando n√£o √† completa bancarrota. Com o SPFC n√£o √© diferente. Estamos endividados e – por incr√≠vel que possa parecer – a d√≠vida cresceu quase que na mesma medida em que as receitas aumentaram (consideravelmente) durante a primeira d√©cada dos anos 2.000.

A próxima gestão (e o final dessa atual) devem manter o compromisso de não ampliar a dívida, renegociar pendências, controlar empréstimos, juros bancários e não adiantar receitas para preparar o terreno ao enfrentamento da dívida atual pela gestão executiva vindoura.

Conclamo os Conselheiros do clube a se mostrarem s√£o paulinos de verdade. Dispam-se de vossas vaidades e coloquem o S√£o Paulo em primeiro lugar.

Parem com essa sede doentia por poder, por querer aparecer e lutem para mudar o clube nos próximos três anos. Atacando firmemente os problemas atuais, mas Рprincipalmente Рpavimentando o caminho para voltarmos a crescer e vencer num futuro próximo.

Ainda há tempo, mas ele está acabando e muito em breve acabaremos entrando num looping 1ª e 2ª Divisão, como muitos outros (ex)grandes do País.

Senhores Conselheiros, criem vergonha na cara e lutem em prol do S√£o Paulo, n√£o pelo poder no S√£o Paulo.

Atenciosamente,

Danilo P√°dua

Jornalista, 31 anos, s√£o-paulino