Convido os tricolores a buscar na memória, nem tão distante assim, algumas lembranças.

Fabio Simplício, indo defender a socos o escudo do São Paulo que estava sendo pisoteado em tom de chacota pelo meia Diego, após marcar gol pelo Santos. Ganhamos aquele jogo em um Morumbi lotado.

Cicinho vibrando ferozmente depois de tirar uma bola advers√°ria pra lateral na final da libertadores de 2005 onde nos consagramos campe√Ķes.

Lugano, saindo em defesa do Luiz√£o que estava sendo empurrado pelo zagueiro do Corinthians Seba ap√≥s vit√≥ria do tricolor no campeonato Paulista que mais tarde fomos campe√Ķes.

Nosso S√£o Paulo de hoje n√£o tem nenhum atleta que se encaixa nesse perfil. Nenhum jogador grita no campo, cobra o outro ou vai para cima do √°rbitro ou do advers√°rio pra disputar cada cent√≠metro do campo. Nesse √ļnico ponto concordo com nosso atual presidente que com esse time ‚ÄúSe ganhar t√° bom, se perder tamb√©m est√° bom‚ÄĚ.

Como a maioria, sempre tive orgulho do meu tricolor sempre apresentar um futebol bonito, uma técnica monstruosa e uma entrega absoluta. Mostramos isso nos 3 mundiais, nos 3 primeiros campeonatos brasileiros que conquistamos e especialmente na Libertadores da América, daí a paixão tricolor pelo torneio.

Mas de uns tempos para c√°, depois de dominarmos o Brasil com a Libertadores e o Mundial de 2005 e com o Hexa Brasileiro, nossos dirigentes resolveram tomar o clube de assalto. E digo assalto em todos os sentidos. Demitiram nossas refer√™ncias do Reffis, deixaram Marco Aur√©lio Cunha sem poder algum at√© que se afastou, brigaram com todos os rivais poss√≠veis pelos motivos mais idiotas, perderam a capacidade de fechar qualquer patroc√≠nio decente, e a lista vai longe… E claro, endividaram nosso clube at√© os tubos.

Quase nenhum jogador contratado vingou desde 2005, não colocamos mais ninguém na seleção brasileira, não conseguimos manter técnico algum no cargo, não assustamos mais os rivais e não ganhamos mais clássicos. Mata-mata então, todo São Paulino já entra com aquela cara de derrota estampada na cara.

E eu me pergunto, como mudar isso? Como ter esperança com um clube sem oposição e que os mesmos que derrubaram o tricolor ainda estão no poder? Alguém aqui acha o Leco diferente do Aidar ou do Juvenal?

A coisa √© mais complicada do que parece, mas mantenho minha f√© com esse clube que tantas alegrias j√° me proporcionou. Como? Tor√ßo por um t√©cnico cascudo e vibrante, que n√£o d√™ moleza pra jogador que n√£o honre essa camisa. Ali√°s, dentre todos os especulados, n√£o me agrada o Marcelo Oliveira. Apesar do bicampeonato com o Cruzeiro, com todo o respeito, Cruzeiro √© uma coisa, S√£o Paulo √© outra coisa completamente diferente. Gostaria de ter o Cuca de volta ao time, pela capacidade de montar elencos, pela forma que todos os seus times jogam, sempre pressionando e buscando agredir o advers√°rio. Levir Culpi √© uma boa pedida e Aguirre tamb√©m, mas acho que o √ļltimo foi muito esnobado pelo clube nessas duas √ļltimas semanas e n√£o acho que seria um bom come√ßo de rela√ß√£o. Mas a escolha do t√©cnico √© ponto essencial de partida para um 2016 melhor. Fora tudo isso, tor√ßo pela volta do nosso grande √≠dolo Lugano, ostentando al√©m da bra√ßadeira de capit√£o, toda ra√ßa uruguaia que sempre deu t√£o certo no S√£o Paulo. Apostaria ainda em um Cicinho ou √Ālvaro Pereira pra dar al√©m de seguran√ßa, experi√™ncia pra essa defesa t√£o vulner√°vel nos dias de hoje. E, com ou sem libertadores, tor√ßo por um time que brigue em campo em cada partida como se ali estivesse sendo decidido um campeonato. Um time que n√£o admita perder qualquer cl√°ssico e que comemore cada bola afastada pra lateral como um gol. Que n√£o troque camisas com o advers√°rio e que n√£o permitam que pisem em nosso escudo!!!

O resto, nossa camisa faz. Porque ela é pesada, ela tem história. Não à toa somos considerados o melhor time do Brasil e dane-se que a emissora dona do futebol torça pela hegemonia apenas de dois clubes, o meu São Paulo é Soberano, sempre foi. Mesmo antes dessa campanha de marketing propagada anos atrás. Somos soberanos porque temos uma torcida especial, que briga com a organizada se essa injustamente começa a pegar no pé de algum jogador. Somos soberanos porque fomos ao Japão três vezes como zebra e levamos o campeonato, colocando jogador mais caro do mundo para sentar no chão e chorar, vazando melhor defesa da Europa! Somos soberanos porque gritamos até hoje o nome dos nossos ídolos, como Telê, Lugano, Muricy.

Pode parecer um sonho saudoso de tempos áureos, mas queria muito ver como gerente de futebol ou alguma função parecida o Pintado. Queria ver o Raí no São Paulo. Aquela galera que muito aprendeu com o Telê Santana sobre comprometimento, sobre entrega. Acho que seria interessante.

Mas mesmo sem nada disso, nosso time vai se reerguer, apesar dessa diretoria nefasta, e a torcida vai apoiar se tivermos um time que sangre em campo.

Estou ansioso aguardando 2016.

Emmanuel Romanelli