E aí, pessoal, tudo certo?

E pra quem estava com saudade do tempo que zagueiro √© zagueiro, meia √© meia, lateral √© lateral, rod√≠zio bom √© o de churrasco….

Apoio total ao novo comandante, mas que Doriva não se torne Doricy (todo crédito ao PH e ftricolor).

Os√≥rio se foi. Talvez ganhasse t√≠tulos por aqui, talvez, fosse apenas uma promessa…

De espólio, fica a lição de tentar, se arriscar. Mas, até aqui, as falas são de renegação do espólio em busca de filosofia de trabalho diferente.

Coragem Doriva! Não tenha medo de dar continuísmo à um trabalho que não era seu, mas que pode agregar, e muito, em seu currículo.

E j√° que ontem foi dia dos professores, deixo aqui meu abra√ßo ao Profe Osorio, que em pouco tempo, conquistou uma grande parte da nossa torcida. E olha que somos √†s vezes t√£o chatos e dif√≠ceis de agradar…

ESSE ERA PROMESSA

E já que o assunto do momento no tricolor é dinheiro, quem ganhou comissão, quem foi comprado por valor superfaturado, vamos falar de um jogador que não tem problema financeiro:

rico spfc

Leandson Dias da Silva, ou simplesmente Rico (tudo bem, admito, a piada foi péssima)

Pernambucano, destro, meia atacante, Rico iniciou sua carreira no CSA de Alagoas, depois transferiu-se para a equipe da cidade de √Āguas de Lind√≥ia, seguiu para a Portuguesa Santista e, com suas boas apresenta√ß√Ķes, logo despertou a aten√ß√£o do S√£o Paulo, que contratou o jogador em 2002.

Rico disputou posição com Kaká, Renatinho, Luiz Fabiano, Reinaldo (o bom, não o lateral esquerdo) e não teve muitas chances. Em 2003, foi emprestado para a equipe da Portuguesa Santista.

No campeonato paulista de 2003, a Lusa Santista foi a surpresa do campeonato, com Rico jogando muito por l√°. Acabando o campeonato, voltou ao tricolor, que aproveitou a descida da serra para trazer mais 2 jogadores: Adriano e Souza.

Em sua reintegra√ß√£o, formou dupla de ataque com Luis Fabiano, marcando 7 gols durante o ano, mas novamente viu a concorr√™ncia pela vaga titular ser amea√ßada por 2 jogadores que vinham da base e tamb√©m eram promessa: Kl√©ber (que virou gladiador quando foi para o Palmeiras) e Diego Tardelli (que, √†quela √©poca, era o jogador que ‚Äúum dia vai explodir‚ÄĚ, mas n√£o aconteceu durante sua passagem pelo tricolor).

Em 2004 foi vendido ao Gr√™mio, mas, novamente, sofria a concorr√™ncia e foi reserva de Cl√°udio Pitbull, artilheiro do Gr√™mio no campeonato brasileiro, que culminou com o rebaixamento da equipe ga√ļcha. Durante sua passagem pelo time tricolor ga√ļcho, Rico ganhou fama de pol√™mico, tendo sido expulso de treino e rebaixado para a equipe do Gr√™mio B, por defici√™ncia t√©cnica.

De rebaixado em 2004, Rico foi campe√£o catarinense em 2005, atuando pelo Crici√ļma, mesmo sendo reserva, jogando apenas 4 partidas e n√£o fazendo nenhum gol.

No mesmo ano de 2005, Rico foi para o futebol do Bahrein, onde houve a grande virada em sua carreira. De coadjuvante e pol√™mico, virou protagonista e astro na equipe do Al-Muharraq, ganhando inclusive o t√≠tulo de melhor marcador da Copa dos Campe√Ķes da AFC de 2008 com 19 gols marcados.

Segundo o site Futebol Interior, em uma entrevista com o jogador em 11/03/2010, apurou que, até aquele momento, em 127 partidas disputadas, Rico havia feito 117 gols, média de 0,92 gols por partida. Como comparação, Messi tem uma média de 0,82 gols por jogo e Cristiano Ronaldo, 1,04.

A ressalva √© que foi no Bahrein e n√£o na Espanha…

Após 7 anos no futebol bareinita, e com o país em grande revolta, praticamente uma guerra civil, Rico cumpriu integralmente seu contrato e se transferiu para o Náutico, que tentava sua contratação há tempos, mas esbarrava na alta multa rescisória do atleta.

Com 31 anos, metade da carreira no futebol do Bahrein, e disposto a apagar a fama de polêmico, disputou com Kieza e Araujo a condição de titular. Sua passagem foi curta e Rico acabou sendo dispensado da equipe pernambucana por ato de indisciplina, marcando apenas um gol e tendo pouquíssimas chances.

Ainda em 2012, ap√≥s ‚Äúchap√©u‚ÄĚ na equipe do Santa Cruz, o Am√©rica do Rio Grande do Norte o contratou. Jogou o restante do ano de 2012 e 2013, de onde tamb√©m foi dispensado devido dificuldade financeira para continuar com o jogador, apesar de ser o artilheiro da equipe no Nordest√£o 2013.

Com status de artilheiro no nordeste, Rico foi jogar no modesto Alecrim-RN, que montou um projeto ousado com jogadores conhecidos, como Rico e Ruy Cabeção. Foi artilheiro por lá, saindo por problemas financeiros e transferindo-se para o Vila Nova de Goiás no início de 2014, ano que o Vila foi rebaixado no estadual e no brasileiro.

Em 2015, voltou ao Bahrein, pela equipe do Al Hidd Club, da cidade de Al Hidd, e, mesmo com o país ainda em guerra, Rico tenta voltar à seus dias de fama.

 

S√ďCIO TORCEDOR

Facebook do programa ST: https://www.facebook.com/sociotorcedor

Twitter do programa ST: https://twitter.com/ST_SPFC

Youtube: https://www.youtube.com/user/SocioTorcedor1999

Instagram: https://instagram.com/st_spfc/

Telefone: 0800-0929305

 

RAPIDINHAS DOS ESPORTES AMADORES DO TRICOLOR

 

FUTSAL

Liga Nacional

Classificado entre as 8 melhores equipes do país, o tricolor joga contra a equipe de Carlos Barbosa, pelas quartas de final da competição. O primeiro jogo será domingo, às 11h, no ginásio Adib Moisés Dib, em São Bernardo.

Copa Paulista

Uma vit√≥ria contra o Jaragu√° na pen√ļltima rodada. Falta apenas uma rodada contra o √ļltimo colocado do grupo, o Itapeva, jogo que acontece em 23/10. Uma vit√≥ria nos classifica. Dependendo da combina√ß√£o de resultados, at√© uma derrota nos classifica.

 

V√ĒLEI MASCULINO

Duas vitórias fáceis contra o São Bernardo, agora o tricolor pega a equipe do Brasil Kirin (Campinas), nos dias 20 e 24/10/2015, pela semi final do campeonato. Em caso de uma vitória e uma derrota, haverá um terceiro jogo.

√Č o tricolor mandando bem demais nas quadras!

D√ļvidas, sugest√Ķes e contato: futsaltricolor@gmail.com

Por: Cleiton de Farias