Acho legítimo sua vontade de dirigir uma seleção em uma Copa do Mundo, antes dos 60 anos.

O M√©xico precisa de algo novo, para mudar seu status no Futebol Mundial.¬† E n√£o tenho d√ļvidas que voc√™ √© a pessoa certa.

Mas, nos brasileiros e não só os são-paulinos, também precisamos de você.

Lembro de sua entrevista ap√≥s o jogo contra o Corinthians, em que disse: ‚ÄúEu acho que o futebol brasileiro √© admirado em todo o mundo, mas voc√™s pensam que deve mudar. Acho que uma coisa que pode e deve mudar √© dar melhor espet√°culo, atacar mais, ir pra frente”‚Äô

Infelizmente no futebol brasileiro, não temos mais técnicos que pensam como você, e não temos no jornalismo esportivo, pessoas como o Sr. Armando Nogueira.

Esse jornalista, era um estudioso como o senhor e pregava o Futebol-Arte, e defendia que o Futebol era espet√°culo! Para ele o gol n√£o era um detalhe! Era o objetivo principal!

O Futebol é cíclico, só que para que ocorram os ciclos, é necessário um agente de mudança.

Confesso que at√© sua chegada, eu estava conformado que o futebol de resultado, de t√©cnicos como Muricy, Tite, Autuori e Felip√£o, era a √ļnica forma de conquistarmos o mundo novamente.

Mas, vou usar uma brilhante disserta√ß√£o de 1998, feita por LUCIANO VICTOR BARROS MALULY (FIAM/SP), intitulada de ‚ÄúO futebol-arte de Tel√™ Santana no jornalismo esportivo de Armando Nogueira‚ÄĚ para que voc√™ entenda sua import√Ęncia como agente de mudan√ßa (ou resgate de nossa cultura) nesse momento. Perceba as semelhan√ßas com o que nos deparamos h√° 20 anos atr√°s:

“Durante o ano de 1993, Armando Nogueira deparou-se com dois acontecimentos que iriam marcar o cenário esportivo no Brasil Рa participação do selecionado nacional na disputa das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos da América, e a conquista do Bicampeonato Mundial Interclubes pela equipe do São Paulo Futebol Clube, em Tóquio.

A Seleção brasileira de futebol mostrava um estilo de jogo voltado ao Futebol-força, em que se privilegiava a marcação e o vigor físico dos atletas, sem que a criatividade do jogador fosse observada.

O time nacional procurava manter o resultado a qualquer custo, com faltas e pouca ofensividade, negando ao p√ļblico a condi√ß√£o de assistir um espet√°culo de futebol, representado principalmente por gols e jogadas individuais e coletivas.

O São Paulo Futebol Clube apresentava um estilo relacionado ao Futebol-arte, em que o time buscava realçar o espetáculo a todo instante, explorando a técnica do jogador e do conjunto, mostrando um jogo cheio de gols e com poucas faltas.

Armando Nogueira analisou os fatos realçando um tema eixo baseado na relação entre o Futebol-arte e o Futebol-força no Brasil, ou seja, através da exaltação do jogo como espetáculo, pois se a equipe do São Paulo praticava o Futebol-arte (espetáculo) por que a seleção brasileira praticava o Futebol-força (resultado)?:

1¬ļ) O time do S√£o Paulo respeitava a tradi√ß√£o brasileira do Futebol-arte, ao contr√°rio da sele√ß√£o brasileira;

2¬ļ) A estrutura do S√£o Paulo Futebol Clube permitiu implantar junto √† equipe um estilo voltado ao Futebol-arte, valorizando assim o espet√°culo. J√° a falta de planejamento dos dirigentes e da comiss√£o t√©cnica proporcionou um desequil√≠brio na sele√ß√£o nacional. A press√£o para a obten√ß√£o do resultado ocasionou a implanta√ß√£o do Futebol-for√ßa;

3¬ļ) A equipe do S√£o Paulo explorava a t√©cnica do jogador e combatia o jogo violento, ao passoque a sele√ß√£o brasileira praticava o antijogo pela necessidade do resultado.

Neste contexto, o trabalho de Armando Nogueira se formulou através de algumas premissas básicas que auxiliam na compreensão do tema eixo Futebol-arte/Futebol-força (Ver Ronaldo Helal. Passes e Impasses: Futebol e Cultura de Massa no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1997.):

  1. a) O futebol brasileiro √© fundamentado pela doutrina do Futebol-arte, tendo o jogo como espet√°culo, conduzido pela individualidade e habilidade de seus jogadores, e n√£o pelo Futebol-for√ßa, jogo baseado apenas no resultado final da partida, sendo que o atleta talentoso cede lugar ao outro que disp√Ķe somente de vigor f√≠sico e tem maior potencial para segurar o placar. No Brasil, o Futebol-for√ßa tem sido confundido com um futebol que prima pela viol√™ncia, por causa da crescente tend√™ncia pela busca de resultados.
  2. b) A cobran√ßa pelo resultado auxilia o Futebol-for√ßa e descaracteriza o Futebol-arte. O Futebol-for√ßa adquiriu espa√ßo no pa√≠s pela crescente valoriza√ß√£o da busca de resultados, influenciada pelos altos investimentos de empresas patrocinadoras e mesmo de empres√°rios, al√©m de dirigentes interessados muito mais no mercado de jogadores que na valoriza√ß√£o do futebol como espet√°culo popular e de massa. Numa sele√ß√£o ou clube, o resultado √© conseq√ľ√™ncia de um trabalho planejado e profissional. A organiza√ß√£o do jogo como espet√°culo permite aos jogadores e comiss√£o t√©cnica a plena liberdade para exercerem suas profiss√Ķes.‚ÄĚ

¬†Em um momento em que vemos t√©cnicos ga√ļchos dando sequencia ao trabalho de Parreira e seu futebol-for√ßa e de resultado, precisamos de algu√©m que resgate o futebol-arte.

Alguém que não ensine jogadores como Raí, Palhinha, Ganso e Pato a marcarem laterais e volantes. Mas, que ensine a eles a usarem sua técnica para ganharmos jogos.

N√£o tenho d√ļvidas nenhuma, que os mesmos que o criticam, ir√£o o idolatrar quando conquistar t√≠tulos no S√£o Paulo, dando espet√°culo.

Quem sabe, PVC, Caio Ribeiro, Paulo Cesar Vasconcellos, não possa ser seu aliado para defender o Futebol-Arte como Espetáculo vs Futebol-Força de Resultado!

O povo brasileiro, que j√° pediu Guardiola em 2014, vai pedir o senhor em 2018, talvez 2022.

Talvez, você vá para uma Copa do Mundo com 63 anos, mas, irá para encantar o mundo!

Por isso, te faço um apelo: Fiquei Osorio! Nós são-paulinos, lhe  ajudaremos a chegar em uma Copa do Mundo, com uma seleção com vocação ofensiva. Se não for aqui, certamente será na Colombia, que todos sabemos adoram o futebol arte dos brasileiros!

Ernani Takahashi