banner_sou_tricolor_2

Fatos da semana ‚Äď 17/07 a 23/07

As opini√Ķes deste colunista a respeito da semana que passou.

Diego Lugano ‚Äď Que oportunidade incr√≠vel a diretoria do S√£o Paulo perdeu! Mais uma.

Lugano queria (quer), a torcida pedia (pede), o time precisava (precisa), o marketing sorria. Mas Aidar e companhia preferiram ignorar a todos, e manter a carência por um zagueiro no elenco.

Que me entendam os cr√≠ticos. Tenho certeza de que Lugano n√£o √© nem sombra do jogador que nos deixou em 2006, virou √≠dolo na Turquia e brilhou na Copa do Mundo de 2010. Na verdade, tenho d√ļvidas at√© se o uruguaio tem condi√ß√Ķes de fazer 4 ou 5 partidas em sequ√™ncia.

Não importa. O grande benefício da vinda de Lugano seria extracampo. Traria profissionalismo e competitividade a esse enfadonho elenco do São Paulo, e muita, MUITA, torcida aos estádios.

O engra√ßado √© que h√° cerca de um ano, o mesmo Carlos Miguel Aidar pode ver com seus pr√≥prios olhos a validade de uma investida desse tipo, quando acertadamente trouxe Kak√° para o Morumbi. O melhor jogador do mundo em 2007 contribuiu sim dentro de campo, mas eu n√£o tenho d√ļvidas em afirmar que mesmo se n√£o tivesse disputado nenhuma partida em seu retorno, o time do S√£o Paulo ainda assim teria colhido bons frutos com sua chegada.

A √ļnica dificuldade na vinda de Lugano seria fazer o torcedor entender que o zagueiro n√£o seria o salvador da p√°tria. Tirando-se esse peso de suas costas, poder√≠amos ter ganhado um zagueiro para compor elenco, com rica hist√≥ria no Tricolor e enorme potencial de marketing.

Tenho certeza que o uruguaio não pediria alto para voltar, e que seus vencimentos seriam facilmente quitados pela venda de camisas e aumento nas bilheterias. Para não falar da alavancagem que Lugano daria ao renovado programa de sócios-torcedores.

Ontem, nosso diretor de marketing e benfeitor Vinicius Pinotti disse em seu Twitter que estava ‚Äúacompanhando de perto‚ÄĚ a situa√ß√£o de Lugano, rec√©m-contratado pelo Cerro Portenho. Tarde demais, Vinicius. Mesmo com a tal cl√°usula de libera√ß√£o exigida pelo atleta no contrato com o time paraguaio, a janela de transfer√™ncias de jogadores estrangeiros se fechou na √ļltima ter√ßa-feira. Mais um golpe de mestre dessa diretoria.

3-5-2 ‚Äď Parece que esta ser√° a sina desse time do S√£o Paulo no Brasileir√£o 2015: ganhar dos fracos, empatar com os m√©dios e perder dos mais bem montados.

Contra o Sport, mais um jogo do tipo que j√° est√° virando tradi√ß√£o quando jogamos longe do Morumbi: 30 minutos de jogo ‚Äėsob controle‚Äô, 2¬ļ tempo de time aparentando cansa√ßo, posse de bola sem objetividade e descontrole emocional no fim. Assim foi contra SEP, Atl√©tico PR e Sport.

Muita semelhança! O primeiro gol tomado na Barra Funda foi aos 31’, em Curitiba aos 35’ e no Recife aos 33’. E o brilhante retrospecto que ostentamos no Morumbi em 2015 é compensado pela falta de futebol fora de casa.

Mas se h√° algo de positivo para se ressaltar sobre o jogo contra o Sport, na minha opini√£o, foi o esquema. Apesar de ele n√£o ter dado certo no domingo, gostei de ver a pr√©-disposi√ß√£o de Os√≥rio em iniciar um jogo com a forma√ß√£o de 3 zagueiros. Acho que pode se tornar um caminho interessante, especialmente quando tivermos Breno jogando, Rodrigo Caio na sobra, Bruno na ala e Wesley na fun√ß√£o de 2¬ļ volante que, neste esquema, √© pe√ßa ainda mais importante.

Ainda com Tol√≥i, Luc√£o e √Čdson Silva, fica dif√≠cil o esquema render. Rodrigo Caio precisaria ser o l√≠bero desse time, mas para isso talvez precisemos de um novo cabe√ßa de √°rea para revezar com Hudson. (Tragam Wellington de volta!)

Outra vantagem da formação é a resolução da carência no setor esquerdo. Sem um lateral constante, Michel Bastos poderia ocupar o lado, com liberdade para atacar e sem tornar a sua falta de qualidade na marcação um problema.

Por fim, teríamos uma possibilidade de ver Ganso sendo eventualmente testado em uma nova função, de segundo volante, no melhor estilo Pirlo/Gerrard, alimentando desta vez não apenas atacantes, como também meia e alas.

Acho a opção interessantíssima e espero que Osório não desanime por causa de uma partida ruim.

Ewandro ‚Äď Essa foi dif√≠cil de entender. Porque raios Juan Carlos Os√≥rio foi liberar Ewandro para o Atl√©tico PR??

O jogador est√° sendo emprestado sem ter tido nenhuma chance com o t√©cnico colombiano. Imposs√≠vel saber o que se passa com o garoto nos treinos ou no extracampo, mas fato √© que dificilmente faria menos do que Jonathan Caf√ļ por exemplo, escalado titular no jogo contra o mesmo Atl√©tico PR. Alguma birra de Os√≥rio, que tamb√©m parece n√£o confiar em Auro.

O absurdo fica ainda maior se colocarmos os n√ļmeros de Ewandro na ponta do l√°pis. Em 2015, o atacante revelado em Cotia fez 8 partidas pelo Tricolor, totalizando 417 minutos em campo, nos quais conseguiu contribuir com 1 gol e 3 assist√™ncias. Tamb√©m neste ano, Paulo Henrique Ganso acumula 2371 minutos jogados em 28 partidas, nas quais anotou tamb√©m 1 gol, al√©m de 4 assist√™ncias.

Claro, h√° de se levar em conta que os dois atletas jogam em posi√ß√Ķes diferentes. Mesmo assim, a diferen√ßa de rendimento √© pequena demais para fazer um ser liberado para empr√©stimo enquanto o outro segue com cadeira cativa no time titular.

O problema do elenco do S√£o Paulo j√° n√£o √© nem mais com rela√ß√£o a qualidade dos jogadores, mas sim com a quantidade. Vemos um time se esfacelando, sem reposi√ß√£o. Uma coisa √© aproveitar as chances que propostas milion√°rias nos trazem, outra coisa √© perder jogadores de gra√ßa, sem nem ter quem complete o banco de reservas no seu lugar. Bola fora para comiss√£o t√©cnica e diretoria…

Wilder Guisao ‚Äď Ok, o mais novo refor√ßo do Tricolor chega para compor elenco, talvez mais para repor a sa√≠da de Jonathan Caf√ļ, do que para vir e assumir a titularidade. E √© preciso se dar um voto de confian√ßa na primeira indica√ß√£o feita por Juan Carlos Os√≥rio e aceita pela diretoria s√£o-paulina. Ele ter√° minha paci√™ncia e apoio. Mas que suas credenciais n√£o s√£o das melhores, disso eu n√£o tenho a menor d√ļvida.

Fui analisar o histórico do atacante e me decepcionei. Nos 7 meses em que esteve atuando pelo Toluca, Guisao nunca conseguiu se firmar na titularidade. Pela equipe mexicana, foram 18 jogos realizados e 4 gols anotados. Rendimento fraco o suficiente para o jogador ser liberado para o Tricolor.

Fosse este apenas um problema de adaptação, não haveria com o que se preocupar. Mas no próprio Atlético Nacional de Osório, Guisao nunca foi grande destaque. No esquema de rodizio do nosso treinador, fez 25 jogos em 2014 (10 como reserva) e marcou 3 gols, e 20 jogos em 2013 (8 vindo do banco), anotando 5 tentos. Muito pouco para um campeonato colombiano, de (ainda) menor nível técnico do que o nosso.

Se destaques do campeonato colombiano, como Pabon e Cárdenas, encontram dificuldades no futebol brasileiro, o que dizer de alguém que sequer lá fez sucesso?

Vamos torcer para eu estar errado. √Č o que nos resta.

S√≥cio-Torcedor ‚Äď Com o intuito de estimular a ades√£o de s√£o-paulinos ao programa de s√≥cios-torcedores, a partir desta semana destacarei um t√≥pico com os dados atualizados do Tricolor e nossos concorrentes. √Äs 00h01 desta quinta-feira, o S√£o Paulo tinha exatamente 68.056 s√≥cios cadastrados, o que nos deixa na 6¬™ posi√ß√£o no ranking nacional, 3.576 atr√°s do programa do Cruzeiro, nosso pr√≥ximo advers√°rio a ser superado. Acima deles, temos Gr√™mio (84.195), SCCP (106.710), SEP (129.583) e Internacional (146.820).

P√°gina do Carlos Miguel Aidar ‚Äď Curtam, comentem e compartilhem a p√°gina do nosso presidente no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Carlos-Miguel-Aidar/745533575534551?ref=aymt_homepage_panel

Wagner Moribe

wmoribe@hotmail.com

twitter.com/wmoribe