cenidefendeguilhermedioniziogazeta

E lá foi nosso Tricolor até a Baixada Santista, Vila Belmiro, enfrentar o Santos F.C, em nosso primeiro clássico do ano.

Antes mesmo de iniciar a partida, já tivemos uma surpresa: nem Pato, nem Kardec começaram a jogar ao lado de Luis Fabiano. MR simplesmente escalou o menino Ewandro para iniciar a peleja.

O jogo começou com muita movimentação para os dois times, que aproveitaram as chances para irem para cima, para o ataque.

A medida que o tempo foi passando o Tricolor foi se ajustando ainda mais e passou a jogar melhor, levando bem mais perigo de gol do que o contr√°rio.

Para o lado Santista podemos destacar o jovem Geuv√Ęnio, que quase abriu o placar para o advers√°rio. J√°, do nosso lado, o destaque vai para Ewandro, que n√£o sentiu o peso do jogo e entrosou com facilidade com Michel Bastos, Ganso¬†& Cia. Grat√≠ssima surpresa.

No finalzinho do primeiro tempo, grande pressão santista que foi contida por  por RC, que sempre que exigido fez excelentes e importantes defesas. Ainda bem pois a essa altura já não jogávamos mais tão bem , com nossa defesa vacilando e não marcando como devido.

E deu-se ent√£o o fim do bom primeiro tempo.

Veio a segunda etapa do jogo, com o Santos FC muito bem, pressionando e chegando com facilidade à nossa área. Não fosse RC em diversos lances, teriam marcado um ou mais gols com toda certeza. Voltamos ainda piores do que estivemos no final da primeira etapa.

O tempo passou com o time da Vila muito bem. Porém , aos 15 minutos, Ewandro saiu para entrada de Pato. A mudança deu mais força ao ataque Tricolor, que passou a incomodar a defesa santista. Mas, sem muita efetividade.

Vale destacar o lance ocorrido aos 32 minutos do 2o. tempo: Marquinhos Gabriel recebeu de frente, bateu no canto, mas RC defendeu. No rebote, Renato bateu forte, e Rogério novamente evitou o gol santista.

Continuamos falhando demais na marcação e perdendo bolas bobas que voltavam em contra-ataque Santista, sempre levando perigo para nossa lenta e desatenta defesa.

Ao final do jogo até tentamos algo mas nosso ataque não conseguiu dar conta do recado. Se LF foi mal, Allan Kardec também não conseguiu nada de muito diferente.

Vale destaque também para o goleiro santista, que fez boas defesas , também impedindo que saíssemos do empate.

Assim, após 4 minutos de acréscimo, terminou o clássico San-São na Vila Belmiro.Empatado e sem gols.

Resultado bom por ser jogo fora de casa. Atuação que deixou bastante a desejar de um time com um plantel como é o do SPFC. Que tenhamos melhor empenho no jogo de sábado tal como no confronto contra a escória.

Avante , meu Tricolor!

Bola Cheia: Rogério Ceni. Merecidamente!

Bola Murcha: A falta de eficiência do ataque e a fragilidade da defesa, como um todo.

 

Foto: Guilherme Dionízio / Gazeta Press