ronnie-mancuzo-sub

Queremos Elogiar!

Naquele ritmo tímido, sem muito daquele querer de outrora, viajava no mar mais nervoso já visto.

Fossem as velas a direcionar o navio para o lado correto, desde que trabalhadas no sentido devido, ao leme e √†s remadas mais fortes… o motor.

Quando nada mais faz sentido, a ponto de receber tratamento exclusivo de √ļnico fator existente no caminho que se segue, seguir √© o que basta. N√£o se pode afundar.

‚ÄúPois nada pesava…‚ÄĚ

Navio Calmaria

No alto do mastro, dentro daquela improvisa√ß√£o formada pela metade de um velho e sujo barril e amarras cheias de n√≥s nas grossas cordas castigadas pelo tempo, o marinheiro poderia ser trocado por um marujo de melhor vis√£o para um ‚ÄėTerra √† vista!‚Äô mais convicto. Fosse o que fosse, seria do jeito que dava. Afinal de contas, n√£o podia mais n√£o dar. E o homem permaneceria ali. Assim como o capit√£o. Assim como a grande maioria dos marinheiros. Assim como o restante da tripula√ß√£o.

‚ÄúMas nem que se trocasse tudo e todos…‚ÄĚ

Que se troque. Que permaneça do jeito que está. De qualquer forma, navegar é o que basta, porque é o inevitável.

‚ÄúQuero ver como chegar√°…‚ÄĚ

Porque chegar é o imprescindível.

‚ÄúEste navio n√£o afunda!‚ÄĚ

As bombas que lan√ßaram! Muitos canh√Ķes inimigos nos acertaram em cheio. At√© morteiros…

Até morteiros.

Houve sinais de insubordina√ß√£o…

Houve insubordinação?

O que houve?

Alguns caminharam na prancha.

‚ÄúFesta para os tubar√Ķes.‚ÄĚ

Maldini do Sert√£o

E existem em alto mar outras embarca√ß√Ķes, com piratas fofoqueiros que falam o que veem atrav√©s de suas lunetas, mas n√£o t√™m certeza da realidade. A verdade ali de dentro do compartimento do capit√£o pode n√£o ser aquela que se l√™ nos manuscritos diversos que surgem nos momentos de tormenta. Por mais que digam que o capit√£o seja o maior apreciador do ‘rum ingl√™s’.

Aos marinheiros poderia bastar n√£o ler o que n√£o deve ser lido. Proposital analfabetismo geral, moment√Ęneo, por motivo de concentra√ß√£o e reflex√£o. Porque de nada adianta buscar o que n√£o agrada.

E focar no que seria agradável é o mais saudável. Tornar real o que é bom.

Saber que manter o navio forte o suficiente para chegar onde quer que seja, desde que se chegue, sem afundar, √© o √ļnico motivo concreto a estar fixo nos brilhos dos olhos de todos da embarca√ß√£o.

Navio no Horizonte

Que digam aos marujos as palavras certas. Palavras como chaves que ligam os motores mais potentes por estarem na nau mais potente. Isso tudo combina! √Č tudo ‚Äėum √ļnico s√≥ singular somente‚Äô. Como pe√ßas funcionais sublimes de um ‚Äėtodo‚Äô forte e vigoroso. Existe ali uma for√ßa √ļnica que deve ser o destaque eterno a cada passo dado.

Se n√£o acredita, fa√ßa outra coisa. Esque√ßa. Da ‚Äėn√£o f√©‚Äô n√£o precisamos.

Ainda mais agora que vi que sabem que não se deve esquecer que nada está como deveria, pois somente parecer ser não é o bastante.

N√£o adianta s√≥ parecer ser…

Tem que ser!

Escudo S√£o Paulo

‚ÄúA HORA √Č AGORA!‚ÄĚ

Atenção! Vocês são o São Paulo Futebol Clube quando entram em campo. O São Paulo é o que vocês têm de mais importante naquele momento dos 90 minutos de cada partida.

E nós, torcedores, só podemos ficar ainda mais felizes a cada lance de capricho e amor que vocês demonstram.

Gana, fé, determinação, espírito de equipe, respeito, honra!

Podem ter certeza absoluta que a propor√ß√£o felicidades e elogios pelos bons lances √© bem maior que a de xingamentos e maldizeres quando nos ‚Äėerros e desacertos‚Äô.

Ganso

N√£o gostamos de xingar! N√£o queremos xingar. N√£o h√° satisfa√ß√£o quando se constata que determinado jogador ‚Äėn√£o parece ser o ideal‚Äô para a posi√ß√£o naquele momento.

Também não gostamos de xingar presidente de clube. Não gostamos de xingar diretor de futebol. Não gostamos de xingar técnico. Não gostamos de xingar Torcida Organizada.

Preferimos elogiar! Preferimos e queremos elogiar!

Paulo Miranda e Edson Silva

Queremos gritar o nome de cada um dos jogadores na hora da apresentação em campo! Fazer um coro lindo no início das partidas! Vangloriar seus feitos!

Queremos que sejam campe√Ķes! Queremos que sejam eternamente gratos por este momento no S√£o Paulo! Queremos agradecer voc√™s eternamente!

Queremos elogiar vocês!!!

Torcemos pra isso!

Desejamos a maior felicidade do universo para cada um dos nossos jogadores!

Torcemos pela felicidade de cada um.

Temos Fé que serão felizes.

Porque queremos ser felizes, também.

E este é o melhor caminho. Felizes juntos!

Estamos juntos, marujos!

Família do Douglas

Ronnie Mancuzo ‚Äď Sub

—————————————————————————————————

Um aluno do curso de direito estava fazendo prova oral da disciplina mais difícil do curso:

_O que é uma fraude?

_√Č o que o senhor, professor, est√° fazendo!

O professor, revoltado:

_Ora ora… ousado voc√™. Explique-se!

_Segundo o C√≥digo Penal: “Comete fraude todo aquele que se aproveita da ignor√Ęncia do outro para prejudic√°-lo!”

—————————————————————————————————–

Love Gun é um dos maiores clássicos do rock mundial.

A banda norte-americana Kiss √© reconhecida por ter v√°rios de seus trabalhos adicionados √†s in√ļmeras listas de hinos do rock!

E é com nosso amigo Jefferson Brito que mandamos o link de hoje:

——————————————————————————————————

Frase do dia:

‚ÄúSonhar √© acordar-se para dentro.‚ÄĚ

Mario de Miranda Quintana¬†(Alegrete, 30 de julho de 1906 ‚ÄĒ¬†Porto Alegre, 5 de maio de 1994)